A brasilidade de Maria Bethânia em uma breve análise da estética antropofágica de brasileirinho

Resumo

RESUMO

O presente estudo, baseado em Revisão Bibliográfica e Análise de Textos, apresenta uma breve análise da brasilidade na música de Maria Bethânia a partir do histórico registro de Brasileirinho (Quitanda/Biscoito Fino, 2003-2004). São propostos temas como a antropofagia cultural e a relação entre música e identidade cultural da intérprete desde o seu surgimento no cenário da música brasileira, em 1965. Como aporte teórico, destacam-se os conceito de identidade, os estudos sobre a Antropofagia (ANDRADE, 2017), a estética e a linguagem da obra musical de Maria Bethânia, além da análise  interpretativa dos textos. A intenção é apresentar um debate sobre a construção da Identidade Nacional a partir da obra em destaque, conforme os preceitos de autores modernistas brasileiros, idealizadores da Semana de Arte Moderna (1922). As três grandes matrizes da identidade nacional – negra, indígena e europeia – formam o horizonte para a análise das canções, arranjos, poemas, imagens e interpretações registradas na obra, no intuito de contribuir para a reflexão das relações culturais e hibridismo (CANCLINI, 2010), em uma avaliação crítica dos padrões europeus, vigentes na sociedade brasileira, o que, consequentemente, marginaliza identidades nativas e tradicionais.

Palavras-chave: Antropofagia. Hibridismo. Identidade nacional. Música brasileira contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Remígio Florêncio

Doutorando em Educação (UFBA); Mestre em Educação e Cultura (UNEB); Graduação em Letras (UPE) e em Pedagogia (UNEB).

João de Sá Araújo Trapiá Filho

Mestrando em Educação e Cultura e Territórios Semiáridos - UNEB.  Licenciado em Letras (UPE)

Carlos Alberto Batista dos Santos

Doutor em Etnobiologia – UFRPE. Professor Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Professor-Orientador do Programa de Pós-graduação Mestrado e Doutorado em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental (PPGEcoH), da Universidade do Estado da Bahia - UNEB. 

Referências

AZEVEDO, Beatriz. Antropofagia - Palimpsesto Selvagem. São Paulo: SESI-SP editora, 2018.

BERKENBROCK, Volney J. A experiência dos orixás: um estudo sobre a experiência religiosa no Candomblé. 3. ed. Petrópólis, RJ: Vozes, 2007.

BOPP, Raul (1977). Vida e morte da Antropofagia. 2. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas e Hibridismo Cultural. Rio de Janeiro, Vozes, 2010.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2014.

COUTINHO, Afrânio (dir.); COUTINHO, Eduardo de Faria (co-dir.). A literatura no Brasil. 7. ed. São Paulo: Global, 2004.

FIORIN JR., Renato. Lirismo e construção rapsódica na performance de Maria Bethânia. Revista Estação Literária. Londrina, v. 15, p. 220-236, jan. 2016.

GOTLIB, Nádia Battella. Tarsila do Amaral: a modernista. São Paulo: Editora Senac, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 12. Ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

JARDIM, Eduardo. Eu sou trezentos: Mário de Andrade: vida e obra. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

MONTERO, Paula. Multiculturalismo, identidades discursivas e espaço público. Sociologia e Antropologia. Rio de Janeiro, v. 2, n. 4, p. 81-101, dez. 2012.

NAVES, Santuza Cambraia. O Brasil em uníssono: e leituras sobre música e Modernismo. 1 Ed. Rio de Janeiro: Casa da palavra, 2013.

NUNES, Benedito. Oswald Canibal. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PASSOS, Marlon Marcos Vieira. Maria Bethânia: os mitos de um orixá nos ritos de uma estrela. 2008. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2008.

RIBEIRO, Darcy. O povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

VARAZZE, Jacopo de. Legenda áurea: vida de santos. Tradução de Hilário Franco Junior. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Publicado
2021-07-25
Como Citar
Florêncio, R. R., Trapiá Filho, J. de S. A., & Batista dos Santos, C. A. (2021). A brasilidade de Maria Bethânia em uma breve análise da estética antropofágica de brasileirinho. REVISTA INTERSABERES, 16(38), 670-686. https://doi.org/10.22169/revint.v16i38.2008