REVISTA INTERSABERES https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista Objetivo de fomentar a produção e a disseminação de pesquisas e estudos científicos. Centro Universitário Internacional - UNINTER pt-BR REVISTA INTERSABERES 1809-7286 <p>Os direitos autorais dos artigos publicados na Revista são de acordo com a licença CCBY-ND - Creative Commons ( https://creativecommons.org/licenses/by-nd/4.0/legalcode)</p><p>Esta licença permite que outras pessoas reutilizem o trabalho para qualquer finalidade, inclusive comercialmente; no entanto, não pode ser compartilhado com outras pessoas de forma adaptada e o crédito deve ser fornecido ao autor.<br />Os direitos autorais dos artigos publicados na Revista são do autor, com os direitos de primeira publicação para a Revista</p> Cidade Educadora e Territórios Educativos, formação de professores e tecnologias: Diálogos Contemporâneos https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2259 José António Marques Moreira Marcio Tascheto da Silva Sueli Pereira Donato Alvaro Martins Fernandes Júnior Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-07 2021-10-07 16 39 932 936 10.22169/revint.v16i39.2259 Pensamento computacional na cidade: uma vivência de educação onlife https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2198 <p>Experienciar a cidade enquanto espaço de aprendizagem implica entrelaçamento de seus vários tempos, espaços e de suas dimensões humanas e não humanas, digitais, biológicas, históricas, econômicas, etc. Entender a cidade como entidade viva, complexa e comunicativa se afasta da visão antropocêntrica de mundo e instaura outras formas de comunicação, habitação e aprendizagem. Portanto, este artigo apresenta o processo de desenvolvimento de uma prática pedagógica gamificada cujo objetivo é compreender como o coengendramento dos diversos entes constituintes da cidade produz o pensamento computacional na perspectiva da aprendizagem inventiva, segundo uma proposta de <em>Educação</em> <em>OnLIFE</em>. Tal prática integra o projeto de pesquisa <em>A cidade como espaço de aprendizagem<strong>:</strong> práticas pedagógicas inovadoras para a promoção da cidadania e do desenvolvimento social sustentável</em>, financiado pela Fundação Carlos Chagas e pelo Itaú Social, e desenvolvida pelo <em>Grupo de Pesquisa Educação Digital — GPe-dU</em>, UNISINOS/CNPq. O estudo, qualitativo, apropria-se do método cartográfico de pesquisa-intervenção para produção e análise dos dados. Como resultado, apresentam-se pistas que permitem compreender a emergência do pensamento computacional para explorar a cidade, bem como a necessidade de inovação de práticas pedagógicas a partir da problematização do mundo para uma Educação conectada com a vida.</p> Janaína Menezes Eliane Schlemmer Fabio La Rocca José António Moreira Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-04 2021-10-04 16 39 937 968 10.22169/revint.v16i39.2198 Bases teóricas para a conceituação e construção de tecnologias cívicas https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2233 <p>O presente texto é um ensaio teórico sobre tecnologias cívicas. Devido à escassa literatura nacional disponível sobre o tema, justifica-se a necessidade de apontar bases conceituais para o desenvolvimento de pesquisas na área, bem como a disseminação do uso e produção de tais tecnologias. Para essa construção teórica, dialoga-se com autores como Douglas Rushkoff (2010, 2019), Pierre Levy (2000, 2004), Duncan Green (2009), De Masi (2014), Bauman e Bordoni (2016), entre outros. O estudo indica que as tecnologias cívicas são vias de comunicação criadas por intermédio das tecnologias digitais, com vistas à promoção de ações que reduzam ciclos de reprodução de pobreza e desigualdade e fortaleçam o espírito democrático.</p> Alvaro Martins Fernandes Júnior Jorge Luiz Bernardi Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-04 2021-10-04 16 39 969 986 10.22169/revint.v16i39.2233 Projetos inovadores, contextos fundamentais e lacunas de pesquisa na perspectiva das cidades educadoras https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2197 <p>Pensar a cidade, com a cidade e para a cidade tem se tornado uma tarefa envolvente não apenas para os gestores municipais. Quando a educação é considerada fator fundamental para o desenvolvimento da cidade, surge a cidade como meio para uma formação integral do cidadão, desde a mais tenra idade. É nesse contexto que emerge a Cidade Educadora, uma proposta política e pedagógica transformadora do século XXI. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho consiste em analisar os contextos fundamentais nos quais a perspectiva da cidade educadora emergiu e atualmente se desenvolve. Essa análise é importante para compreendermos as atuais iniciativas realizadas sob a bandeira da cidade educadora, outra tarefa que nos propusemos a realizar aqui. A metodologia aplicada consiste em pesquisa bibliográfica e documental. Os resultados obtidos nos revelam que a Cidade Educadora é uma arena rica de debates, inovações e de mobilização das administrações públicas municipais em prol da educação e da gestão participativa.&nbsp; Algumas lacunas de pesquisa também foram identificadas e, por isso, reflexões e questionamentos foram levantados, podendo servir como ponto de partida para pesquisas futuras. Por último, conclui-se que a cidade ocupa papel fundamental no desenvolvimento das pessoas e na formação cidadã, mas para que não se torne um discurso utópico, a Cidade Educadora deve fortalecer o desenvolvimento de projetos que promovam o engajamento das comunidades, instituições, escolas, etc. na construção da cidade que queremos para as próximas décadas, fazendo com que participem ativamente das mudanças que desejam para a educação e para as cidades envolvidas.<strong>&nbsp; </strong></p> Alceli Ribeiro Alves Nelson Pereira Castanheira Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-04 2021-10-04 16 39 987 1016 10.22169/revint.v16i39.2197 Cidades Educadoras e Teoria das Representações Sociais: contextos e interfaces https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2215 <p>O presente artigo objetiva estabelecer relações entre os elementos teórico-epistemológicos da Teoria das Representações Sociais (TRS), idealizada por Serge Moscovici, com a concepção de Cidades Educadoras, por meio da análise de narrativas que emergem dos princípios da <em>Carta das Cidades Educadoras</em>. Como aporte teórico utilizamos a TRS, com base em Moscovici (2001, 2015), Jodelet (2001), Doise (2001), entre outros autores; já para o estudo sobre Cidades Educadoras apoiamo-nos em autores como Zitkoski (2005) e Moll (2019), além do texto da <em>Carta das Cidades Educadoras </em>(2020). O caminho metodológico foi traçado a partir da organização da Categorização Hierárquica Descendente (CHD) dos princípios elencados na carta, processado pelo <em>software</em> IRAMUTEQ. Para o presente estudo, optamos por realizar a análise da classe 2, denominada Direito à Educação. O discurso contido no documento destaca as palavras “educador”, “cidade” e “direito”, relacionado à concepção de que a cidade possui um potencial educador e busca da garantia do direito à educação e à cidade, ao situá-la como importante espaço/tempo da educação na cidadania.</p> Romilda Teodora Ens Jaqueline Nagel Simone Withers Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-04 2021-10-04 16 39 1017 1033 10.22169/revint.v16i39.2215 Cidades Educadoras: um estado da arte entre 1990 e 2020 e a relação com a educação formal https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2207 <p>Esta investigação discute as produções bibliográficas sobre cidades educadoras, segundo o movimento preconizado pela Associação Internacional de Cidades Educadoras (AICE), e suas relações com a educação formal, não formal e informal. Para tal, identificou-se a produção bibliográfica em livros publicados em língua portuguesa entre 1990 e 2020. A pesquisa é um estudo exploratório (TRIVIÑOS, 2006), do tipo estado da arte, pois visa mapear esta produção para responder às aproximações e aos distanciamentos com a temática educacional (ROMANOWSKI; ENS, 2006). A coleta de dados ocorreu por meio de levantamento bibliográfico e a busca das obras foi realizada em <em>sites</em> de <em>e-commerce</em>, com os descritores “cidade educadora” e “cidades educadoras”. Encontraram-se 11 obras publicadas em língua portuguesa — duas provenientes de Portugal. As obras originárias das editoras portuguesas apresentaram uma expressiva familiaridade com o movimento da AICE de Barcelona; já os outros trabalhos aludem a perspectivas formais ou não formais da educação. No entanto, um dos livros distancia-se do movimento da AICE, embora contribua com as pesquisas sobre os sujeitos e a vida na cidade. Para investigações futuras, sugere-se o levantamento de outras questões, provenientes das obras analisadas.</p> Maria Silvia Bacila Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-04 2021-10-04 16 39 1034 1048 10.22169/revint.v16i39.2207 Currículo, tecnologias e projeto de nação https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2211 <p>Esse artigo tece o diálogo entre cultura e educação, tendo a cultura digital como uma das mediadoras e a construção do currículo como eixo central para o projeto de nação. Não se esquivam as contradições, retrocessos e incoerências que permeiam esse diálogo, nem os avanços caminhados na escola republicana. Destaca os perigos que podem enviesar esse diálogo e os retrocessos transvestidos de inovação educacional. Pondera as armadilhas ideológicas e conceituais que a sociedade de consumo e a economia financista colocam à função social da escola, do currículo e do papel das tecnologias na educação. Analisa as políticas públicas e seus avanços, concluindo que a integração entre tecnologias e currículo pode se mostrar como um dos caminhos, quando tratam das tecnologias como meios para a humanização, para o empoderamento e para a libertação com vistas à qualidade social da educação.</p> Maria da Graça Moreira Silva Fernando José de Almeida Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1049 1071 10.22169/revint.v16i39.2211 Currículo da cidade e dispositivo da infantilidade na constituição de um território educativo https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2206 <p>Porquanto as cidades têm um currículo, o objetivo deste artigo é mostrar a constituição, como território educativo, de um trajeto percorrido por crianças organizadas em uma experiência de educação integral caracterizada por oferecer atividades fora do espaço escolar: o Programa Escola Integrada (Belo Horizonte/MG). Baseado na perspectiva pós-crítica dos estudos curriculares, o artigo mostra que, na vivência do currículo da cidade, embora as crianças estejam inscritas em um mundo cujo modo de ser adulto é normatizado por meio do dispositivo da infantilidade (que produz sujeitos infantis desde o início da Modernidade), as crianças aprendem na/com a cidade, o que possibilita a criação de territórios educativos. Utilizando elementos da etnografia educacional e da análise de discurso foucaultiana, apresentamos aspectos para refletir sobre as práticas pedagógicas, sobretudo as referentes à constituição de subjetividades, dos programas de educação integral no Brasil.</p> Pollyanna Regina Batista de Souza Maria Carolina da Silva Caldeira Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1072 1096 10.22169/revint.v16i39.2206 A cidade de Presidente Prudente (SP) sob a ótica de crianças de uma escola pública https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2213 <p>Este artigo é um recorte de uma tese cujo tema central foi a cidade e a infância. A partir da Sociologia da Infância e Geografia da infância, discutiu-se como as crianças concebem a cidade. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, caracterizada como estudo de caso. Os sujeitos da investigação foram dez crianças, de nove a onze anos, estudantes de uma escola pública, localizada na área central de Presidente Prudente (SP). O instrumento metodológico foi o <em>Poema dos Desejos</em> ou <em>Wish Poem,</em> que consistiu em um desenho elaborado a partir da sentença “A minha cidade é...”. &nbsp;Conforme a perspectiva dos educandos, a cidade comporta elementos artificiais e naturais, e sua organização privilegia os veículos em detrimento das pessoas; isto é, para eles, é um local de passagem, não de encontros e diversão. É necessário que o poder público atenda às demandas das crianças e planeje as cidades com base na dimensão humana. Logo, deve-se investir em espaços públicos atrativos, seguros e arborizados, que favoreçam a criatividade e o encontro.</p> Ariadne de Sousa Evangelista Fátima Aparecida Dias Gomes Marin Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1097 1114 10.22169/revint.v16i39.2213 Ciudades educadoras, territorios educacionales y desarrollo profesional docente: entre prescripciones y singularidades https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2204 <p style="text-align: justify; background: white;"><span style="font-size: 10.0pt; font-family: 'Candara',sans-serif; color: black;">O artigo analisa a relação entre escola, cidade e território, a partir de perspectivas e experiências de educação integral. O desenvolvimento integral considera não apenas o aspecto intelectual, mas também as diferentes formas e linguagens pelas quais os sujeitos aprendem e constroem suas identidades, seus modos de ser e estar no mundo, no contato com outras pessoas, com o meio ambiente e com a sociedade. Na análise desenvolvida neste artigo, a articulação com o território é fundamental para a educação integral no cotidiano escolar, bem como nas ações e políticas que garantem o desenvolvimento integral da cidadania. Nos territórios educacionais, as pessoas constroem suas subjetividades, modos de ser e de se relacionar com os outros. A partir de uma pesquisa bibliográfica e documental qualitativa, foi possível compreender a relação entre cidade, escola e territórios educacionais. A elucidação do significado de território educacional permite ações escolares que possibilitem um melhor aproveitamento dos espaços da comunidade e proporcionem um processo educativo vinculado às vivências cotidianas dos alunos. Tornar a cidade um objeto de educação significa superar os limites da superficialidade e da parcialidade que a aprendizagem que ocorre no meio urbano muitas vezes pode apresentar.</span></p> Iracema Campos Cusati Neide Elisa Portes dos Santos Antonio Carrillo Avelar Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1115 1134 10.22169/revint.v16i39.2204 O direito à cidade que educa e os seus territórios nas práticas docentes: desafios à formação continuada de professores https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2205 <p>Este artigo trata do direito à cidade como prerrogativa de todos, e para isto situa o papel educador, segundo uma perspectiva de aproximação entre escola e cidade por meio de intervenções político-pedagógicas e da construção de territórios educativos somados aos desafios enfrentados durante a formação continuada de professores. Sendo assim, o objetivo geral é demonstrar a relevância da efetivação, nas práticas docentes escolares, do direito à cidade que educa em prol da formação para e pela cidadania ativa. A metodologia do trabalho recorre a estudo exploratório documental e bibliográfico de abordagem qualitativa, cuja reflexão assevera que espaços urbanos constituem potenciais territórios educacionais de valiosas oportunidades de formação e de aprendizagens contextualizadas, conectadas com a vida na tessitura da cidadania ativa para assegurar o direito humano à cidade que educa. Deste modo, importa às práticas docentes escolares conceber o espaço como matriz formadora do humano e a cidade como agente, conteúdo e sujeito da educação, o que impõe desafios à formação continuada docente, visto que precisa pensar sintonizada com a retomada humana da formação da/na cidade com as pessoas, desdobramento pedagógico necessário para uma cidadania de alta intensidade no marco da cidade que educa.</p> Sueli Pereira Donato Marcio Tascheto da Silva Simone José Aparecida da Silva Santos Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1135 1154 10.22169/revint.v16i39.2205 Os entrelaçamentos entre os movimentos de pesquisa e de criação: algumas reflexões https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2217 <p>Este artigo apresenta resultados parciais da pesquisa-criação desenvolvida por um conjunto de universidades e escolas parceiras para discutir possibilidades do uso da tecnologia de imersão (vídeo 360 graus) no desenvolvimento de projetos educativos e artísticos. Tem como ponto de partida a valorização do ponto de vista de adolescentes de idades entre 14 e 19 anos, de diferentes origens, matriculados em escolas públicas das periferias do estado do Rio de Janeiro e da província do Quebec, Canadá, para apresentarem suas perspectivas sobre seus territórios através do uso da tecnologia de imersão. Neste artigo, apresentamos diversas modalidades de pesquisa-criação em torno de projeto de desenvolvimento de vídeos 360, que estabelece diálogo entre distintos territórios. Identificamos os diferentes territórios educativos permeados por sujeitos em suas diversidades culturais, políticas, econômicas e sociais, sob a égide das tecnologias e desigualdades sociais. O propósito é apresentar alguns dos desafios dessa produção coletiva e os espaços de encontro criados a partir das novas tecnologias, em um percurso que exigia revisitar a memória de um território — quando este se viu limitado por medidas sanitárias em contexto da pandemia de COVID19 — e o desvelar de outros territórios, mais intimistas e singulares, ressignificando os espaços de circulação a partir da re(construção) de histórias, valores e de modos de percepção do mundo.</p> Maria Regina Bortolini Kelly Cristina Russo de Souza Julia Salles Alice Gonçalves Mesquita Calebe Lima de Brito Francine Cristina de Menezes Nunes Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1155 1180 10.22169/revint.v16i39.2217 Farol do Saber e Inovação: interlocuções com o território educativo https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2214 <p>O objetivo do presente artigo é identificar as produções acadêmicas realizadas sobre o Farol do Saber e Inovação. Analisa-se, também, em que medida este objeto de estudo dialoga com a questão do território, ao englobar os conceitos de territorialidade, território educativo e cidade educadora. &nbsp;O referencial teórico destaca autores e pesquisadores como Santos (1985, 2020), Albagli (2004), Haesbaert (2004), Gadotti (2006) e Moll (2019), que alicerçam a fundamentação teórica. Inicialmente, o artigo contextualiza o tema e, em seguida, apresenta a metodologia utilizada; trata-se de uma pesquisa bibliográfica, com uma abordagem quantitativa e qualitativa de dados, conforme Marconi e Lakatos (2003). Nos resultados, discute-se como o Farol do Saber está inserido no território. Conclui-se que a temática é pouco estudada, no entanto, a investigação traz contribuições relevantes sobre o conceito de território educativo, &nbsp;o que fortalece a perspectiva de uma cidade educadora.</p> Shana Gonçalves de Oliveira Zuliane Keli Bastos Silvestre Labiak Junior Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1181 1196 10.22169/revint.v16i39.2214 Pedagogias do urbanismo em intervenções urbanas https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2208 <p>Inscrito na perspectiva teórica dos Estudos Culturais em Educação, o artigo apresenta uma discussão acerca das possibilidades de uma dimensão pedagógica do urbanismo embasado em pesquisa que teve como objeto de estudo a proposta de revitalização do Cais Mauá de Porto Alegre/RS/BR. Nessa direção, expõe-se e debate-se o conceito de pedagogias culturais, adotado para a análise de tópicos do <em>website</em> da proposta, com aproximações à noção de revitalização no urbanismo. Argumenta-se acerca da produtividade da articulação entre campos distintos de saber – urbanismo e educação – para a investigação das cidades e das práticas que as constituem. Apontam-se estratégias empregadas no site para dirigir as percepções do público, ensinando o que seria desejável para melhorar a vida na cidade. Como corolário, entende-se o conceito de pedagogias do urbanismo como produtivo para se vislumbrar certa forma de conduzir a vida nas cidades.</p> Rodrigo Adonis Barbieri Marisa Vorraber Costa Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1197 1218 10.22169/revint.v16i39.2208 A formação em educação literária na construção do professor como interlocutor qualificado https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2133 <p>Este artigo apresenta um projeto de pesquisa-ação no âmbito de um curso de formação de professores no campo da Educação Literária, junto de cinco turmas de professores na cidade do Porto (Portugal) e cujo objetivo visava analisar e produzir conhecimento sobre as práticas docentes e o potencial pedagógico da Educação Literária. Assim, refletimos sobre a importância dos paradigmas pedagógicos pela forma como influenciam a ideia de Escola, o papel dos professores na definição da Educação Literária e sua importância enquanto instrumento pedagógico agregado à construção do programa. É nesta linha que se abrem caminhos para a reflexão sobre a Educação Literária enquanto espaço de promoção de democracia, motivador para a construção de cidadãos críticos sobre o mundo envolvente e que se reconhece a formação de professores como parte imprescindível de uma ação pedagógica reflexiva, apelando à ação de um professor enquanto “interlocutor qualificado” (COSME, 2009). Em síntese, podemos concluir que, através da cooperação entre professores participantes e investigadoras, tivemos aqui a oportunidade para aliar perspetivas e experiências sobre conceções e práticas em Educação Literária. Os discursos sobre as práticas são oportunidades para refletir sobre as próprias. Consideramos também que o que definimos como prática traça linhas de ação no trabalho pedagógico, com as suas estratégias e instrumentos específicos.</p> Maria João Pereira Ariana Cosme Maria Luísa Malato Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1219 1244 10.22169/revint.v16i39.2133 Avaliação: processo mediador de aprendizagem https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2153 <p>O objetivo desta pesquisa é discutir conceitos e contextos em que a avaliação se insere e suas contribuições para o ambiente escolar. O ensaio é uma revisão bibliográfica a partir de materiais e temas disponibilizados para leitura, estudo e discussão em sala de aula. O processo metodológico deste artigo surge como trabalho final da disciplina <em>Avaliação como Processo Educativo</em>, do programa de Pós-Graduação Stricto Sensu — Mestrado Profissional em Educação e Novas Tecnologias do Centro Universitário Internacional —UNINTER. Neste sentido, e por meio desta revisão bibliográfica, apresenta-se o conceito de educação e alguns elementos da trajetória educacional brasileira, com destaque para as mudanças em curso. Esse panorama educacional brasileiro é o pano de fundo para descrição da avaliação como processo mediador de aprendizagem. Ressalta-se que as avaliações não devem ter um caráter de verificação, mas voltar-se às funções diagnóstica e formativa, possibilitando diagnóstico da realidade do estudante para fomentar o processo de ensino e aprendizagem, afinal, esse deve ser um dos objetivos da avaliação. A riqueza desta revisão da literatura possibilitou reflexões de elevado valor pedagógico, tais como a respeito da importância fundamental de novas posturas e de quebra de paradigmas para mudanças culturais, na cosmovisão das pessoas relacionada à avaliação, tanto dos discentes como dos docentes.</p> Daiane Martins Batista Ivo José Both Mariana Gonçalves da Silva Frajuca Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1245 1259 10.22169/revint.v16i39.2153 Educação tecnológica no ensino fundamental, anos finais, uma pesquisa-ação participativa https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2170 <p>Por exigência da atual Base Nacional Curricular Comum proposta pelo Ministério da Educação, professores das escolas públicas e privadas reveem suas práticas para atender à nova geração de nativos digitais através do ensino da tecnologia. Os docentes buscam motivar seus alunos para a inovação tecnológica ao aplicar novos métodos de ensino, tais como <em>Lean Startup</em>, <em>Game Learning</em>, <em>Design Thinking</em>, <em>Lean Education Technology</em> e Letramento Digital. Portanto, o objetivo desta pesquisa é compreender como as atuais práticas de ensino tecnológico influenciam a construção do conhecimento da geração de nativos digitais. A metodologia é de natureza aplicada com abordagem qualitativa por meio de pesquisa documental e pesquisa-ação participativa em turmas do 6<sup>o</sup> ao 9<sup>o </sup>anos de uma escola privada no estado do Paraná. O resultado desta pesquisa é o registro documental do desenvolvimento de projetos dos alunos, em que se adotaram as metodologias <em>Lean Startup</em>, <em>Game Learning</em>, <em>Design Thinking</em>, <em>Lean Education Technology</em> e Letramento Digital.</p> Iara Carnevale de Almeida Erinaldo Nascimento João Paulo Bittencourt Maria Gabriela Costa Lazaretti Maryangela Sanchez Delfino Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1260 1279 10.22169/revint.v16i39.2170 A inclusão social e cultural de educandos com deficiências e Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) no ensino regular https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2112 <p>A aprendizagem de estudantes das classes de aceleração no ensino regular necessita de transformações pedagógicas na prática dos professores. &nbsp;Para tanto, é preciso pautar-se em concepções que favoreçam a inclusão social e cultural e a definição de prioridades para o processo de ensino e aprendizagem. O objetivo do artigo é identificar a percepção dos agentes da escola e estudantes em relação à inclusão social e cultural, considerando a realidade dos estudantes. A pesquisa foi de abordagem qualitativa, fundamentada em Triviños (1987), Mantoan (2003), Freire (1996), Arroyo e Silva (2012), Blanco (2003) entre outros e envolveu observações sobre a prática pedagógica dos professores em sala de aula, nas reuniões com pais, nos conselhos de classe e entrevistas semiestruturadas com os professores e estudantes. O campo de pesquisa foi uma classe de aceleração (6º e 7º anos do ensino fundamental) em uma escola da rede pública do estado do Paraná. O material para a pesquisa tomou como referência as disciplinas de Educação Física, Matemática, História, Português, Geografia, Ciências. Os resultados demonstraram que: as concepções adversas se sobrepuseram às favoráveis quanto à inclusão social e cultural dos estudantes, o que interferiu no processo de aprendizagem; a prática pedagógica e o acompanhamento dos educandos tendem a priorizar aspectos específicos do fazer pedagógico, em detrimento de sua dimensão de totalidade. Há evidências sobre a crença de que os estudantes não aprendem, pois não se dedicam aos estudos ou possuem deficiências e transtornos que os impedem de aprender. Há também desconhecimento, por parte dos professores, sobre o conceito de currículo flexível, adaptação curricular e avaliação, citados pela literatura. Constata-se ainda uma ênfase na aprendizagem centralizada no ensino de conteúdos, o que dificulta a construção de um pensamento crítico, reflexivo e criativo dos educandos no processo de ensino e aprendizagem.</p> Maria Cristina Trois Dorneles Rau Pura Lúcia Oliver Martins Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1280 1298 10.22169/revint.v16i39.2112 O cuidado como acolhimento à diferença na educação inclusiva https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2055 <p>O presente artigo reflete sobre o cuidado como preocupação e atenção no processo de ensino-aprendizagem dos educandos com deficiência intelectual. A pesquisa surge da práxis pedagógica na educação inclusiva. Utiliza-se como metodologia a revisão bibliográfica, com aporte reflexivo e crítico, baseada no conceito de cuidado do filósofo Martin Heidegger (2005), do filósofo e teólogo Leonardo Boff (2013, 2014) e da educadora Luigina Mortari (2018). Na <em>Fábula-mito do cuidado</em>, citada na obra <em>Ser e Tempo </em>de Heidegger (2005) e posteriormente interpretada por Leonardo Boff (2014) no livro <em>Saber cuidar, </em>o cuidado já era considerado essencial para a existência humana. Cuidar, no âmbito da educação inclusiva, significa valorizar a dignidade humana, a autonomia e o espaço acessível para a reflexão–ação. Além disso, reflete-se sobre o cuidado e a educação inclusiva, como atenção às diferenças e acolhimento do outro. Conclui-se que uma educação, centrada no cuidado, prioriza o diálogo, preocupa-se com a vida e reconhece a singularidade e a pluralidade dos sujeitos.</p> André Luiz de Araújo Juliana Boff Aramayo Cruz Rafael Furtado da Silva Renata Cristina Alves da Rocha Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1299 1314 10.22169/revint.v16i39.2055 A Educação Física na ditadura militar: uma abordagem tecnicista https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2185 <p>O presente artigo reflete sobre a educação tecnicista e sua presença na Lei n.º 5692/71, que influenciou os currículos escolares, com destaque para a disciplina Educação Física. O interesse basilar desta lei era aumentar a eficiência produtiva no mundo do trabalho, considerando a importância da educação escolarizada para atingir as finalidades do ensino patrocinado pelo governo, cujos princípios básicos para a Educação Física eram a disciplina e o alto rendimento. O objetivo geral desta pesquisa é investigar a atuação da Educação Física na ditadura militar, influenciada pela educação tecnicista que orienta a Lei n.º 5692/71, e como a disciplina e suas concepções pedagógicas se configuraram no contexto tecnicista. A partir do método de pesquisa histórico-documental, descrevem-se as fontes documentais e legislações educacionais brasileiras do período. Segundo Silva (2009), este método de investigação da realidade pode ser usado tanto nas abordagens de natureza positivista como nas de caráter compreensivo com enfoque crítico. Nesta perspectiva, os autores Castellani Filho (2010), Saviani (2000; 2007) e Horta (2011) ressaltam a resistência docente à época, protagonista na transição democrática, pois, a evolução social e a educação concorriam para o objetivo comum do desenvolvimento nacional que possibilitava o projeto humano individual.</p> Amanda Cristina de Souza Nunes Maria Elisabeth Blanck Miguel Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1315 1328 10.22169/revint.v16i39.2185 Oficinas de inglês na educação infantil da rede pública https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2098 <p>Este artigo apresenta experiências didático-pedagógicas voltadas para o ensino lúdico da língua inglesa na educação infantil. As oficinas descritas neste trabalho foram desenvolvidas em uma escola&nbsp; da rede pública de Belo Horizonte, com crianças de 4 a 5 anos. Como aporte teórico-metodológico das atividades, utilizaram-se: (a) as teorias cognitivas, que contemplam o raciocínio simbólico e a aquisição de linguagem no processo de ensino-aprendizagem de idiomas; e (b) os estágios do desenvolvimento cognitivo-emocional, teorizados por Jean Piaget e Lev Vygotsky. Para os autores, a aquisição da linguagem é o resultado da prática e da formação de hábitos; tal processo acontece quando as crianças imitam os sons que ouvem, interagem com objetos/imagens e recebem reforços positivos. Logo, é importante que os educandos sejam estimulados a usarem, processualmente, a língua inglesa em seu cotidiano.</p> Luiza Santana Chaves Márcia Marlene de Medeiros Raika Luana Aleme Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1329 1343 10.22169/revint.v16i39.2098 Cidades inteligentes: entrevista com o pesquisador Fábio Duarte https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2230 <p>Esse depoimento do Professor Doutor Fábio Duarte à Revista Intersaberes é uma valiosa contribuição para socializar reflexões na perspectiva das cidades inteligentes. &nbsp;</p> Simone José Aparecida da Silva Santos Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1344 1347 10.22169/revint.v16i39.2230 Provocações dialogantes sobre o ensino de filosofia na educação básica https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2139 <p>Foi com o objetivo de convidar os seus leitores a adotarem um pensamento aberto, flexível, receptivo, acolhedor, flutuante e, ao mesmo tempo, capaz de reformular-se e refazer-se a cada instante que o professor e pesquisador Dante Augusto Galeffi entregou à comunidade acadêmica e não acadêmica a obra intitulada “Filosofar &amp; Educar 2: quando filosofar é educar”, publicada pela editora CRV, no ano de 2019, contendo 180 páginas, nas quais o professor Dante trouxe uma série de textos produzidos por ele durante as suas inúmeras participações em eventos científicos e que colabora, em muito, para se entender o papel da Filosofia no ensino básico enquanto possibilidade de desenvolvimento de um pensamento extremamente livre que se contraponha a todas e a quaisquer formas de exercícios de poder e de dominação exercidos sobre mentes e corpos na sociedade contemporânea.</p> Anderson Luis da Paixão Café Copyright (c) 2021 REVISTA INTERSABERES 2021-10-06 2021-10-06 16 39 1348 1353 10.22169/revint.v16i39.2139