Letramento jurídico para mulheres privadas de liberdade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22169/revint.v18.e023tl4003

Palavras-chave:

Educação; Tecnologias; Práticas docentes; Letramentos digitais.

Resumo

Este artigo discorre sobre a compreensão leitora de gêneros textuais jurídicos por mulheres presas. O objetivo do estudo é relatar e discutir o processo de elaboração e aplicação de um produto educacional, junto a oito mulheres detidas na Cadeia Pública Feminina de Londrina, Paraná. Com base em teóricos como Marcuschi (2002), Soares (2012) e Santos (2013), elaborou-se e utilizou-se um material didático com foco na construção de sentidos de traços essenciais de cinco gêneros jurídicos. A pesquisa-ação foi efetuada em cinco encontros, um por semana. Os resultados revelaram a compreensão delas sobre o conceito de gênero textual e sua relação com domínio discursivo. Apresentaram desempenho na leitura reflexiva e reconheceram elementos relevantes de gêneros jurídicos do seu interesse imediato.

Palavras-chave: Ensino; Gêneros textuais; Letramento jurídico; Formação leitora.

ABSTRACT

This article discusses reading comprehension of legal textual genres by female inmates. This study aims to report and discuss the elaboration and application of an educational product to eight women detained in the Women's Public Prison of Londrina, Paraná. Based on theorists such as Marcuschi (2002), Soares (2012), and Santos (2013), it has been elaborated and used didactic material aiming at the construction of meanings of essential traits of five legal genres. The action research was carried out in five meetings, one per week. The results revealed their understanding of the concept of textual genre and its relationship with the discursive domain. They showed performance in reflective reading and recognized relevant elements of legal genres of immediate interest.

Keywords: Teaching; Textual genres; Legal literacy; Reading training.

RESUMEN

Este artículo aborda la comprensión lectora de géneros textuales jurídicos por parte de mujeres presas. El objetivo del estudio es relatar y discutir el proceso de elaboración y aplicación de un producto educativo, junto a ocho mujeres detenidas en la Cárcel Pública de Mujeres de Londrina, Paraná. Con base en teóricos como Marcuschi (2002), Soares (2012) y Santos (2013), se elaboró y utilizó un material didáctico con foco en la construcción de significados de rasgos esenciales de cinco géneros jurídicos. La investigación acción se llevó a cabo en cinco reuniones, una por semana. Los resultados revelaron su comprensión sobre el concepto de género textual y su relación con el dominio discursivo. Mostraron desempeño en la lectura reflexiva y reconocieron elementos relevantes de los géneros jurídicos de su interés inmediato.

Palabras clave: Enseñanza; Géneros textuales; Alfabetización jurídica; Formación de lectores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosalina Neves Presser, Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Mestre em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR-LD). Londrina, Brasil.  

Givan José Ferreira dos Santos , UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutor em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina, Brasil. 

Alessandra Dutra , UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutor em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina (UEL). Londrina, Brasil. 

Florentina Neves Souza , UEL - Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP). Londrina, Brasil. 

Referências

BAGNO, Marcos; STUBBS, Michael; GAGNÉ, Gilles. Língua materna, letramento, variação & ensino. São Paulo: Parábola, 2002.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Resolução nº 108 de 06 de abril de 2010. Dispõe sobre o cumprimento de alvarás de soltura e sobre a movimentação de presos do sistema carcerário, e dá outras providências. Brasília, DF: CNJ, 2010. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/images/stories/docs_cnj/resolucao/rescnj_108.pdf. Acesso em: 03 nov. 2018.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Língua Portuguesa. Brasília, DF: MEC, 1998.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. Tradução de Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GOULART, Cecília. Letramento e novas tecnologias: questões para a prática pedagógica. In: COSCARELLI, Carla Viana; RIBEIRO, Ana Elisa. (orgs.). Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Ceale/Autêntica, 2011, p. 41-58.

KLEIMAN, Angela Bustos. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2007.

KLEIMAN, Angela Bustos. Preciso ensinar letramento? Não basta ensinar a ler e escrever? Campinas: CEFIEL/UNICAMP, 2005.

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto,2012.

KOCH, Ingedore Villaça; ELIAS, Vanda Maria. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2005.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Angela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora. Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002, p. 19-36.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

SANTOS, Givan José Ferreira dos. O Gênero Textual Acadêmico Unidade Didática. In: ANDRADE, Mariana A. Bologna Soares de; ROCHA, Zenaide de Fátima D. Correia (orgs.). Propostas Didáticas Inovadoras: as TIC no ensino de Ciências. Maringá-PR: Massoni, 2014, p. 11-20.

SANTOS, Givan José Ferreira dos. Elementos de argumentação na produção de gêneros textuais no ensino médio. 2013. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2013.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado das Letras, 2004.

SIGNORINI, Ines. (org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado das Letras, 2001.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

TFOUNI, Leda Verdiani. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez, 2005.

TULLIO, Claudia Maris. Gêneros textuais jurídicos, petição inicial, contestação e sentença: um olhar sobre o léxico forense. 2012. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

Downloads

Publicado

2023-06-01

Como Citar

NEVES PRESSER, R.; FERREIRA DOS SANTOS , G. J.; DUTRA , A.; NEVES SOUZA , F. Letramento jurídico para mulheres privadas de liberdade . REVISTA INTERSABERES, [S. l.], v. 18, p. e023tl4003, 2023. DOI: 10.22169/revint.v18.e023tl4003. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/e023tl4003. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigo