Metaimagem em 24 horas: multiplicidade incide no protagonista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22169/revint.v18.e023do3002

Palavras-chave:

Imagem, Montagem, Série de televisão, Construção de personagem

Resumo

O artigo se ocupa em discutir a coexistência de janelas na série de 24 horas (Fox, 2001), concebida por Joel Surnow e Robert Cochran. A hipótese de que se parte é que, contextualmente, tais cenas concorrentes metaforizam as janelas com as quais usuários da internet começavam a lidar simultaneamente desde o início do Século XXI. e, cotextualmente, fulguram como elemento caracterizador do protagonista. Assim, a profusão de telas estabeleceria um diálogo com a chamada virada imagética (abordada à luz de W. J. T. Mitchell) que, por sua vez, impactaria a constituição do personagem (abordada à luz de Antonio Candido e Paulo Emílio Gomes). O objeto em pauta, o episódio-piloto, dirigido por Stephen Hopkins, enseja discussão sobre epistemologia das imagens, sobre como elas metaforizam embrionariamente um tempo marcado pela
simultaneidade. Isso é viabilizado, no âmbito fílmico, pela edição (abordada a partir de Serguei Eisenstein), por um arranjo na maneira multifacetada de contar a história.

Palavras-chave: Imagem; Montagem; Série de televisão; Construção de personagem.

ABSTRACT

The article aims to discuss the coexistence of screens in the TV series 24 (Fox, 2001), conceived by Joel Surnow and Robert Cochran. The starting hypothesis is that, contextually, such concurrent scenes metaphorize the windows with which internet users began to deal simultaneously since the beginning of the 21st century and, co-textually, they highlight as a characterizing element of the protagonist. Thus, the profusion of screens would establish a dialogue with the so-called pictorial turn (as approached by W. J. T. Mitchell) which, in turn, would impact the constitution of the character (as approached by Antonio Candido and Paulo Emílio Gomes). The analyzed episode, the pilot, directed by Stephen Hopkins, gives rise to a discussion on the epistemology of images, on how they embryonically metaphorize a time marked by simultaneity. This is made possible, by an arrangement in the multifaceted way of telling the story.

Keywords: Image; Film editing; TV Series; Character Building.

RESUMEN

El artículo aborda la coexistencia de pantallas en la serie 24 horas (Fox, 2001), concebida por Joel Surnow y Robert Cochran. La hipótesis de partida es que, contextualmente, tales escenas concurrentes metaforizan las ventanas con las que los internautas comenzaron a lidiar simultáneamente desde principios del siglo XXI y, cotextualmente, brillan como un elemento caracterizador del protagonista. Así, la profusión de lienzos establecería un diálogo con el llamado giro imaginario (abordado a la luz de W. J. T. Mitchell) que, a su vez, impactaría en la constitución del personaje (abordado a la luz de Antonio Candido y Paulo Emílio Gomes ). El objeto de la agenda, el episodio piloto, dirigido Stephen Hopkins, suscita una discusión sobre la epistemología de las imágenes, sobre cómo metaforizan embrionariamente un tiempo marcado por la simultaneidad. Esto es posible, en el ámbito fílmico, por el montaje (abordado desde Serguei Eisenstein), por un arreglo en la multifacética manera de contar la historia.

Palabras-clave: Imagen; Montaje de la película; Serie de televisión; la formación del personaje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Roberto Barreto Caetano, Unimontes

Professor efetivo de Literatura e outros sistemas semióticos na graduação e no mestrado da Unimontes.

Referências

HORAS. Dir. Stephen Hopkins. Concepção Joel Surnow, Robert Cochran. Fox Film Corporation; Real Time Productions, 2001. 6 videodiscos (aprox. 1080 minutos), digital DVD, son. color.

CALVINO, Italo. Multiplicidade. In Seis propostas para o próximo milênio. Tradução Ivo Barroso. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CANDIDO, Antonio. A personagem do romance. In CANDIDO, Antonio. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1981. Coleção Debates.

CUNHA, OSWALDO NORBIM P. Imagem e texto em O livro de cabeceira. Revista Espcom. N 4. Disponível em https://www.fafich.ufmg.br/espcom/revista/numero4/oswaldo.html acesso em 13 de janeiro de 23.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Apresentação, notas e revisão técnica, José Carlos Avelar. Tradução Teresa Ottoni. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

GEIRHEM, Fernando. Relato de pesquisa: da similaridade na montagem à tela em montagem. ARS (São Paulo) 12 (23). Jan-Jun 2014. Disponível em https://www.scielo.br/j/ars/a/hNFSF8v4NdHxwDLhnqzkhsd/# Acesso em 24 de janeiro de 2023.

GOMES, Paulo Emílio S. A personagem cinematográfica. In (CANDIDO et al). A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1981. Coleção Debates.

HUAPAYA, Cesar. Montagem e imagem como paradigma. Rev. Bras. Estud. Presença 6 (1). Abr 2016. Disponível em https://www.scielo.br/j/rbep/a/rXLdfGRXnbpjJfSpHzYV6LM/ Acesso em 24 de janeiro de 2023.

MACIEL, Maria Esther. A poesia no cinema: de Buñuel a Greenaway. In Cadernos de Tradução. Volume: 1 | Número: 7, 2001. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/5747/5381 Acesso em 24 de janeiro de 2023.

MARTINS, C. M. “Fascismo”. Dicionário de Filosofia Moral e Política. coord. António Marques e André Santos Campos. Lisboa: Instituto de Filosofia da Nova, 2019. 2.ª série. Disponível em http://www.dicionariofmp-ifilnova.pt/fascismo/ Acesso em 25 de julho de 2021.

MENESES, Ulpiano. Fontes visuais, cultura visual, História visual: Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 23, nº 45, pp. 11-36 – 2003. Disponível em

https://www.scielo.br/j/rbh/a/JL4F7CRWKwXXgMWvNKDfCDc/

Acesso em 1 de janeiro de 23.

MITCHELL, William J. Image Science: Iconology, Visual Culture, and Media Aesthetic. The University of Chicago Press, Ltd., London, 2015.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de Termos Literários. São Paulo: Cultrix, 1974.

SANTIAGO JÚNIOR, Francisco das Chagas Fernandes. A virada e a imagem: história teórica do pictorial / iconic / visual turn e suas implicações para as humanidades. In Anais do Museus Paulista. São Paulo, Nova Série, vol. 27, 2019. Disponível em https://www.scielo.br/j/anaismp/a/gXrx9PJsXNWwpQthp5HNckn/?format=pdf&lang=pt Acesso em 3 de janeiro de 23.

SOUZA, Danigui Renigui Martins de. A biopolítica em Giorgio Agamben: Estado de exceção, poder soberano, vida nua e campo. Dissertação de mestrado. Orientador: Prof. Dr. Rodrigo Ribeiro Alves Neto. UFRN, 2017. Disponível em https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/22594/1/DaniguiReniguiMartinsDeSouza_DISSERT.pdf Acesso em 18 de janeiro de 2023.

Downloads

Publicado

2023-06-01

Como Citar

BARRETO CAETANO, P. R. Metaimagem em 24 horas: multiplicidade incide no protagonista . REVISTA INTERSABERES, [S. l.], v. 18, p. e023do3002, 2023. DOI: 10.22169/revint.v18.e023do3002. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/e023do3002. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê