Oficina pedagógica formativa e a transição pelos níveis macroscópico, simbólico e microscópico

Autores

Palavras-chave:

Oficina Pedagógica, Três níveis representacionais, Escape Room, Ensino de Química

Resumo

Este texto analisa as implicações de uma oficina pedagógica que visou despertar o interesse e a curiosidade de alunos pela química na transição cognitiva pelos campos macroscópico, microscópico e simbólico do conhecimento químico. A pesquisa, de natureza básica, procedimento participante e abordagem mista, deu-se a partir da aplicação de uma oficina sobre panificação a alunos do 1° ano do Ensino Médio de um colégio estadual de Curitiba/PR. Os dados, constituídos a partir da observação e de questionário, foram analisados via análise estatística e método indutivo-descritivo. Ao término, explorou-se aspectos macroscópicos no histórico da panificação e da doença celíaca e aspectos microscópicos e simbólicos em discussão, linguagem e reações químicas relacionadas ao experimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helena da Rosa Galeski, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Atualmente faz graduação em Química, na Universidade Federal do Paraná (UFPR). Participa da Empresa Júnior do curso, a Isomeria, onde exerce a função de diretora de Projetos, atuando no gerenciamento e execução dos projetos da empresa.

Everton Bedin, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Graduado em Química Licenciatura Plena pela Universidade de Passo Fundo - UPF (2009). Especialista em Tecnologia de Informação e Comunicação na Educação - TICEDU - pela Universidade Federal de Rio Grande - FURG (2014), Gestão Educacional pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2018). Mestre em Educação em Química pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU (2012). Doutor e Pós-Doutor em Educação em Ciências: química da vida e saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2015). Atualmente é professor permanente no Departamento de Química da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e nos Programas de Pós-graduação em Educação em Ciências e em Matemática (PPGECM), onde atua como Vice-Coordenador, e no Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional (PROFQUI). Possui experiência na área de Química com ênfase em Química, trabalhando, principalmente, nos temas: formação docente, ensino-aprendizagem, TICs, interdisciplinaridade e metodologias de ensino.

Referências

BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. A metodologia Dicumba e o Aprender pela Pesquisa Centrada no Aluno no Ensino de Química: narrativas discentes na Educação Básica. Revista Insignare Scientia-RIS, v. 3, n. 3, p. 3-24, 2020. https://doi.org/10.36661/2595-4520.2020v3i3.11774

CLEOPHAS, M. G.; BEDIN, E. PROFESSORES, VAMOS ESCAPAR DA SALA? o escape room como ferramenta didática no ensino de química. Exitus, Santarém, v. 13, n. 1, p. 1-25, jan. 2023. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2023v13n1ID2145

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DA SILVA, L. P.; BEDIN, E.; ASSAI, N. D. S. Chuva Ácida: escape se souber!: Proposta de experimentos problematizadores para o ensino de química. Anais dos Encontros de Debates sobre o Ensino de Química-ISSN 2318-8316, n. 42, 2023.

HEIDRICH, R. A.; DE ALMEIDA, C. M. M.; BEDIN, E. Observações e Práticas Pedagógicas de Química Baseadas nas Tecnologias Digitais no Ensino Médio. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista–ENCITEC, v. 12, n. 1, p. 167-185, 2022. http://dx.doi.org/10.31512/encitec.v12i1.671

JESUS, P. G. de; RIBEIRO, C. M. Oficina pedagógica: um produto educacional como oportunidade de conhecimento das ações afirmativas. 2021. 17 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ensino Para A Educação Básica, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Urutaí, 2021.

JOHNSTONE, A. H. Why is science difficult to learn? Things are seldom what they seem. Journal of computer assisted learning, v. 7, n. 2, p. 75-83, 1991. https://doi.org/10.1111/j.1365-2729.1991.tb00230.x

KUBO, O. M.; BOTOMÉ, S. P. Ensino-aprendizagem: uma interação entre dois processos comportamentais. Interação em Psicologia, v. 5, n. 1, 2001. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v5i1.3321

LIMA, R. A; VIANA, K. S. L. Estratégias Didáticas De Professores De Química Do Ensino Médio. In: CONGRESSO NACIONAL DAS LICENCIATURAS, 7., 2020, Recife. Anais... Recife: Cointer Pdvl, 2020. p. 1-18.

LUCA, A. G. de. O Ensino de Química e algumas considerações. Linhas, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 1-10, jul. 2001. https://revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1292/1103

MEZACASA, B. K.; KURZ, D. L.; BEDIN, E. O Uso da sequência didática no ensino de Química: um caso específico no estágio supervisionado. Revista Debates em Ensino de Química, v. 6, n. 2, p. 270-290, 2020. https://journals.ufrpe.br/index.php/REDEQUIM/article/view/3247

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H.; ROMANELLI, L. I. A proposta curricular de química do Estado de Minas Gerais: fundamentos e pressupostos. Química Nova, v. 23, p. 273-283, 2000. https://doi.org/10.1590/S0100-40422000000200022

OLIVEIRA, M. G. M. de. Oficinas pedagógicas e Aprendizagem Significativa: contribuições para a construção dos saberes geográficos nos anos iniciais do ensino fundamental. 2017.

PAIVA, M. M. P. C.; DA FONSECA, A. L.; COLARES, R. P. Estratégias didáticas potencializadoras no ensino e aprendizagem de química. Revista de Estudos em Educação e Diversidade-REED, v. 3, n. 7, p. 1-25, 2022. https://doi.org/10.22481/reed.v3i7.10379

PAULETTI, F.; ROSA, M. P. A.; CATELLI, F. A importância da utilização de estratégias de ensino envolvendo os três níveis de representação da Química. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, [S.L.], v. 7, n. 3, p. 121-134, dez. 2014. https://doi.org/10.3895/S1982-873X2014000300008

POLEGATTI, G. A.; CAMARGO, L. B. F. de; SAVIOLI, A. M. P. D. Ensinar, aprender e avaliar na Educação Matemática em perspectiva no Programa Etnomatemática. REnCiMa. Revista de Ensino de Ciéncias e Matemática, v. 11, n. 3, p. 486-505, 2020. http://funes.uniandes.edu.co/31885/1/PolegattiGeraldoEnsinar.pdf

SCHNETZLER, R. P.; ARAGÃO, R. M. R. Importância, sentido e contribuições de pesquisas para o ensino de química. Química Nova na escola, v. 1, n. 1, p. 27-31, 1995. http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc01/pesquisa.pdf

SILVA, S. S. Manual para estruturação de oficina pedagógica. Belém: Universidade Federal do Pará, 2019.

SIRHAN, G. Learning difficulties in chemistry: an overview. Journal of Turkish Science Education, v. 4, n. 2, p. 2-20, set. 2007. https://dspace.alquds.edu//handle/20.500.12213/742

SOUZA, V. A. de. Oficinas pedagógicas como estratégia de ensino: uma visão dos futuros professores de ciências naturais. 2016.

VIEIRA, W. E. S.; MELO, H. D. F. de; VIANA, K. S. L. Estratégias didáticas no ensino de química: concepções e práticas do profissional da educação e suas relações com a aprendizagem de conceitos. In: V CONEDU, 5., 2018, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande: Realize Editora, 2018. p. 1-11.

VIEIRA, E.; VOLQUIND, L. Oficinas de ensino? O quê? Por quê? Como? 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002

WARTHA, E. J.; FILHO, N. J. G.; JESUS, R. M. de. O experimento da gota salina e os níveis de representação em química. Educación química, v. 23, n. 1, p. 55-61, 2012. https://www.scielo.org.mx/pdf/eq/v23n1/v23n1a10.pdf

ZUCCO, C. Química para um mundo melhor. Química Nova, v. 34, p. 733-733, 2011. https://doi.org/10.1590/S0100-40422011000500001

Downloads

Publicado

2024-02-19

Como Citar

GALESKI, H. da R.; BEDIN, E. Oficina pedagógica formativa e a transição pelos níveis macroscópico, simbólico e microscópico. REVISTA INTERSABERES, [S. l.], p. e24tl4003, 2024. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2579. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigo