Verticalização do ensino: formação a partir das competências profissionais

Autores

Palavras-chave:

Verticalização curricular. Educação profissional e tecnológica. Competências profissionais

Resumo

Este artigo aborda a verticalização do ensino com o objetivo de compreender seus princípios. Esse modelo permite que os estudantes aproveitem os créditos cursados em um curso técnico de nível médio em seu curso superior tecnológico. Isso é possível desde que as disciplinas sejam aderentes ao curso e partam da análise de competências profissionais previstas nos respectivos catálogos nacionais. A possibilidade de aproveitamento atende à preocupação com a precarização da mão de obra devido ao rápido desenvolvimento tecnológico. Para o desenvolvimento do estudo, a metodologia de investigação é uma pesquisa bibliográfica, com abordagem qualitativa, consultando obras de diversos autores da área, com principal destaque a: Lüdke e André (2013); Azevedo e Rowell (2009); Frigotto (2010); Zitzke e Pinto (2020); Pacheco (2010) e Moura (2006).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neliva Tessaro, Centro Uninversitario Internacional Uninter

Mestre em Desenvolvimento de Tecnologia pelo Instituto de Engenharia do Paraná, Professora e coordenadora de Cursos Técnicos do Centro Universitário Internacional (UNINTER).

Alceli Ribeiro Alves, Centro Universitario Internacional UNINTER.

Doutor em Geografia pela Universidade Federal do Paraná, Professor titular do Programa de Pós-graduação em Educação e Novas Tecnologias do Centro Universitário Internacional (UNINTER).

Referências

AZEVEDO, T. M.; ROWELL, V. M. Competências e habilidades no processo de aprendizagem. Caxias do Sul, 2009. 67 slides, 25,4 cm x 19,05 cm.

BASTOS, J. A. de S. L. de A. Os Centros Federais de Educação Tecnológica - CEFETs: Núcleos de Inovação Tecnológica. Revista Educação e Tecnologia, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 1-23, jul. 1997. Disponível em: http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/revedutec-ct/article/view/1993/1400. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. 4. Ed. Brasília: abril, 2022. Disponível em: http://cnct.mec.gov.br/. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 13 jul. 2023.

BRASIL. Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996, que estabelecem as diretrizes e bases da educação nacional, e dão outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 23 jul. 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf1/proejadecreto5154.pdf. Acesso em: 28 jun. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica (CNE/CEB). Resolução nº 2, de 15 de dezembro de 2020. Aprova a quarta edição do Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. Diário Oficial da União: seção 1, p. 170, Brasília, DF, 21 dez. 2020. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Republicada-Resolucao-cne-ceb-002-2020-12-15.pdf. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno (CNE/CP). Resolução nº 1 de 5 de janeiro de 2021. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Profissional e Tecnológica. Diário Oficial da União: seção 1, p. 19, Brasília, DF, 6 jan. 2021. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-cne/cp-n-1-de-5-de-janeiro-de-2021-297767578. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/

BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Decreto nº 5.773, de 09 de maio de 2006. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Diário Oficial da União: p. 6, Brasília, DF, 10 maio 2006. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/

ccivil_03/_ato2004-2006/2006/decreto/d5773.htm. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Portaria nº 10, de 28 de julho de 2006. MEC aprova em extrato o Catálogo Nacional dos Cursos de Tecnologia, elaborado pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnologia, conforme disposto no art. 5º, § 3º, VI, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 31 jul. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/rede/legisla_rede_port10.pdf. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Portaria nº 413, de 11 de maio de 2016. Aprova, em extrato, o Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 12 maio 2016. Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Port-MEC-413-2016-05-11.pdf. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Lei n.º 11.741, de 16 de julho de 2008. Altera dispositivos da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 17 jul. 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/

ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11741.htm. Acesso em: 9 jul. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Portaria nº 1.028, de 02 de dezembro de 2020. Dispõe sobre a abertura do processo de atualização do Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia (CST). Diário Oficial da União: seção 1, p. 113, Brasília, DF, 3 dez. 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-1.028-de-2-de-dezembro-de-2020-291824551. Acesso em: 11 jan. 2024.

BRASIL. Lei nº 14.645, de 2 de agosto de 2023. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), para dispor sobre a educação profissional e tecnológica e articular a educação profissional técnica de nível médio com programas de aprendizagem profissional. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 3 ago. 2023. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2023-2026/2023/lei/L14645.htm. Acesso em: 11 jan. 2024.

FERNANDES, M. R. da S. O processo de verticalização da educação profissional e tecnológica e suas implicações na qualidade do trabalho dos docentes do Câmpus São Vicente do Sul do Instituto Federal Farroupilha. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Instituto de Agronomia, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

FREIRE, P. Educação e mudança. São Paulo: Paz e terra, 2001.

FRIGOTTO, G. A relação da educação profissional e tecnológica com a universalização da educação básica. In: MOLL, J. et al. Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 25-41.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2013.

MARQUES, A. P. P. Reestruturação produtiva e recomposições do trabalho e emprego: um périplo pelas “novas” formas de desigualdade social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 3, p. 18, jun. 2013. DOI: doi.org/10.1590/S1413-81232013000600007. Disponível em: http://cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/reestruturacao-produtiva-e-recomposicoes-do-trabalho-e-emprego-um-periplo-pelas-novas-formas-de-desigualdade-social/12104?id=12104. Acesso em: 11 jan. 2024.

MOURA, D H. O Proeja e a necessidade de formação de professores. In: Proeja: Formação técnica integrada ao ensino médio. Programa Salto para o Futuro. Boletim 16. Brasília: MEC/SEED/TVescola, 2006. p. 76-94. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/boletim_salto16.pdf. Acesso em: 11 jan. 2024.

OTRANTO, C. R. Criação e implantação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFETs. Revista Retta, v. I, n. 1, p. 89-108, jan./jun. 2010. Disponível em: https://mapadatese.files.wordpress.com/2013/02/criac3a7c3a3o-e-implantac3a7c3a3o-dos-institutos-federais-cc3a9lia-otranto.pdf. Acesso em: 11 jan. 2024.

PACHECO, E. Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. São Paulo: Moderna, 2010.

RAMOS. M. Ensino médio integrado: ciência, trabalho e cultura na relação entre educação profissional e educação básica. In: MOLL, J. et. al Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010, p. 25-41.

SILVA, C. J. R. (org.). Institutos Federais Lei 11.892, de 29/11/2008: comentários e reflexões. Natal: IFRN, 2009.

Instituto Federal de São Paulo, 2022. Verticaliza: instituições de ensino já podem solicitar adesão. Disponível em: https://www.ifsp.edu.br/ejis/17-ultimas-noticias/2902-verticaliza-instituicoes-de-ensino-ja-podem-solicitar-adesao. Acesso em: 9 jul. 2023.

ZITZKE, V. A.; PINTO, E. O. de T. A BNCC e os impactos no currículo do Ensino Médio Integrado. Revista Thema, Pelotas, v. 17, n. 2, p. 407-416, 2020. DOI: 10.15536/thema.V17.2020.407-416.1469. Disponível em: https://periodicos.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/1469. Acesso em: 11 jan. 2024.

Downloads

Publicado

2024-02-19 — Atualizado em 2024-02-20

Versões

Como Citar

TESSARO, N.; RIBEIRO ALVES, A. Verticalização do ensino: formação a partir das competências profissionais. REVISTA INTERSABERES, [S. l.], p. e24do2003, 2024. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2545. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê