A fabricação discursiva do ser humano ambiental na atualidade

Palavras-chave: Educação ambiental; Enunciado de humano ambiental; Michel Foucault; Minecraft.

Resumo

Este artigo discute a disseminação e a utilização do discurso ambiental no espaço virtual como estratégia para conscientizar sobre o planeta, visando produzir um ser humano ambiental. Frente a um cenário discursivo e a emergência de um determinado modelo de sujeito, o presente artigo teve como objetivo de examinar a fabricação dos sujeitos ambientalmente corretos no jogo eletrônico Minecraft. Para operar metodologicamente, tomaram-se os estudos acerca da análise do discurso desenvolvida por Michel Foucault. Ao se analisar as discursividades no jogo, evidenciou-se um discurso pedagógico ambiental que se materializa por meio do enunciado de humano ambiental. São táticas discursivas que visam ensinar os sujeitos jogadores modos de ser e agir ambientalmente corretos, através das imagens dos personagens, cenas e das lições de retorno a uma vida natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisângela Barbosa Madruga, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Brasil. Pedagoga e Mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Membro do Grupo de Estudos em Educação, Cultura, Ambiente e Filosofia – GEECAF.

Paula Corrêa Henning, Universidade Federal do Rio Grande – FURG

Doutora em Educação. Professor Pesquisador do Instituto de Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental e do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Líder do Grupo de Estudos em Educação, Cultura, Meio Ambiente e Filosofia – GEECAF. Bolsista de Produtividade do CNPq.

 

Publicado
2022-08-14
Como Citar
Barbosa Madruga, E., & Corrêa Henning, P. (2022). A fabricação discursiva do ser humano ambiental na atualidade. REVISTA INTERSABERES, 17(42). Recuperado de https://www.revistasuninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/2370