O empoderamento feminino sob a perspectiva histórico-cultural da trajetória da mulher desde o século XIX até os dias atuais

  • Andressa dos Santos Preto Graduada em Direito pela Faculdade de Direito de Santa Maria – FADISMA. E-mail: andressaacosta.aa@gmail.com
  • Janaína Soares Schorr Doutoranda em Direito Público pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Mestra em Direitos Humanos pela Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ. Professora na Faculdade de Direito de Santa Maria – FADISMA. Advogada OAB/RS. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Direito Constitucional Comparado da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Lattes: http://lattes.cnpq.br/1364458511266927 Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6633-5100. E-mail: janinhaschorr@gmail.com

Resumo

O presente artigo abordou um dos principais assuntos relacionados ao Século XXI, o empoderamento feminino, mais especificadamente quanto a perspectiva histórica da mulher em busca da igualdade. Nesse contexto, trabalhou a partir do seguinte problema de pesquisa: De que maneira o movimento do empoderamento feminino, sob a perspectiva histórico-cultural da trajetória da mulher desde o Século XIX, influência e se relaciona com a mulher do Século XXI? E teve como objetivo analisar em que medida o movimento do empoderamento feminino se relaciona com a mulher do Século XXI, e a sua importância para evitar um possível retrocesso de direitos. Para tanto, teve como método de abordagem o dedutivo e como métodos de procedimento o histórico e o monográfico, através da análise de casos concretos e pesquisas bibliográficas, em livros e artigos periódicos, como técnicas de pesquisa. Além disso, foi dividido em três partes: a primeira sobre a trajetória da mulher em busca da igualdade, a segunda a respeito de mulheres que revolucionaram o seu meio e influenciaram nas lutas femininas, e a terceira responsável por analisar o feminismo como movimento político e a presença da mulher na mídia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa dos Santos Preto, Graduada em Direito pela Faculdade de Direito de Santa Maria – FADISMA. E-mail: andressaacosta.aa@gmail.com
Graduada em Direito pela Faculdade de Direito de Santa Maria – FADISMA. E-mail: andressaacosta.aa@gmail.com
Janaína Soares Schorr, Doutoranda em Direito Público pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Mestra em Direitos Humanos pela Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ. Professora na Faculdade de Direito de Santa Maria – FADISMA. Advogada OAB/RS. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Direito Constitucional Comparado da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Lattes: http://lattes.cnpq.br/1364458511266927 Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6633-5100. E-mail: janinhaschorr@gmail.com
Doutoranda em Direito Público pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Mestra em Direitos Humanos pela Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ. Professora na Faculdade de Direito de Santa Maria – FADISMA. Advogada OAB/RS. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Direito Constitucional Comparado da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Lattes: http://lattes.cnpq.br/1364458511266927 Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6633-5100. E-mail: janinhaschorr@gmail.com

Referências

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é feminisno. São Paulo: Abril cultural / brasiliense, 1985.

ALVAREZ, Sônia. Cultura e Política nos Movimentos Sociais Latino-Americanos: novas leituras. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

ARAÚJO, Daniel de. História geral. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

BARSTED, Leila Linhares. Os avanços no reconhecimento dos direitos humanos das mulheres. Disponível em: . Acesso em 2 ago. 2018.

BARBOSA, Rui. Oração aos moços. 5. ed. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 1999.

BEAUVOIR, Simone de. Segundo sexo: fatos e mitos. 4. ed. São Paulo: Difusão europeia do livro, 1970.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Presidência da

República. 5 de outubro de 1988. Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 20 set. 2018.

BUCCI, Maria Paula Dallari. Políticas Públicas: Reflexões sobre o Conceito Jurídico. São Paulo: Saraiva, 2006.

BUITONI, Dulcilla Shoroeder. Mulher de papel: Representação de mulheres pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Loyola, 1981.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

CAMURÇA, Carmem Silva e Silvia. Feminismo e movimento das mulheres. 2. ed. Recife: SOS CORPO – Instituto Feminista para a Democracia, 2013.

CALADO, Luciana Eleonora De Freitas. A cidade das damas: a construção da memória feminina no imaginário utópico de Christine de Pizan. (Tese) Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Letras. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2006. Disponível em: <https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7590> Acesso em: 20 set. 2018.

CARVALHO, Lorena Costa; SILVA Pâmela Alves da. A figura da mulher nas propagandas de produtos de limpeza: uma análise discursiva do percurso identitário feminino. In: Revista Eletrônica de Letras (online), 7. ed. Vol.7, jan./dez. São Paulo, 2014. Disponível em: <http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/rel/article/view/1022> Acesso em: 21 nov. de 2018.

DINIZ, Maria Helena. Dicionário Jurídico Universitário. 2. ed. Editora Saraiva, 2013.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

FRIEDAN, Betty. Mística feminina: o livro que inspirou a revolta das mulheres americanas. Rio de janeiro: Vozes limitada, 1963.

HARAWAY, Donna. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. 2004.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de.

Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco,1994.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: necrose. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MITIDIERO, Daniel; MARINONI, Luiz Guilherme; SARLET, Ingo Wolfgang. Curso de Direito Constitucional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

MIGUEL, Luís Felipe; PATEMAN, Carole. A crítica feminista do contrato. In: Revista brasileira de ciências sociais, Brasília, nº. 98, jul./fev. 2017. Disponível em: Acesso em: 18 abr. 2018.

MILL, John Sturt. A sujeição das mulheres, Coleção grandes obras do pensamento universal. 39. ed. São Paulo: Scala, 2006.

MILLET, Kate. Política sexual. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1970.

NOBRE, Miriam; FARIA, Nalu; SILVEIRA, Maria Lúcia. Feminismo e Luta das mulheres: análise e debates. São Paulo: SOF, 2005.

NOVELINO, Marcelo. Manual de direito constitucional. 9. ed. Rio de janeiro: Método, 2014.

OBERTI, Alejandra. O labirinto da diversidade. Folha Feminista. nº. 15. São Paulo: SOF, 2000. Disponível em: <http://www.onu.org.br/img/2014/09/dudh.pdf>. Acesso em: 27 mar. 2018.

PAULO, Vicente; ALEXANDRINO, Marcelo. Direito constitucional: descomplicado. 14. ed. São Paulo: método, 2014.

PINTO, Céli Regina Jardim. Foucault e as constituições brasileiras: quando a lepra e a peste se encontram com os nossos excluídos. In: Revista Educação

e Realidade, Vol. 24, n. 2, jul./dez. Porto Alegre, 1999.

PINTO, Céli Regina Jardim. Feminismo, História e Poder. In: Revista de Sociologia e Política, Vol. 18, n. 36, jun. Porto Alegre, 2010. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsocp/v18n36/03.pdf. Acesso em: 08 de novembro de 2018.

HIRATA, Helena; LABORIE, Frabçoise; DOARÉ, Hélène Le; SENOTIER, Daniéle. Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Unesp, 2009.

SALGADO, Eneida Desiree. Políticas públicas, inclusão social e desenvolvimento democrático. In: Revista Eurolatino americana de Derecho Administrativo, Vol. 2. 2015. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.unl.edu.ar/ojs/index.php/Redoeda/ article/view/4631/7059>. Acesso em: 21 nov. 2018.

SILVIA, Carmem; SILVA, Maria da. Movimento de mulheres, movimento feminista e participação de mulheres populares: processo de constituição de um feminismo antissistêmico e popular. Recife, 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/18871/1/TESE%20PPGS%202016%20-%20CARMEN%20SILVIA%20MARIA%20DA%20SILVA.pdf> Acesso em: 28 set. 2018.

SOUZA, Duda Porto De; CARARO, Aryane. Extraordinárias: mulheres que revolucionaram o Brasil. 1. ed. São Paulo: Seguinte, 2017.

SCOTT, Joan. Gender: a useful category of historical analyses. Tradução: Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila. Gender and the politics of history. New York: Columbia University Press, 1989.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. 3. ed. Recife: SOS Corpo,1996.

SCIELO. Análise nosso corpo nos pertence: a dialética do biológico e do social. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s0102-311x1991000200005>. Acesso em: 23 mai. 2018

TERRIBILI, Alessandra; FARIA, Nalu; COELHO, Sônia. Feminismo e luta das mulheres: análises e debates. São Paulo: SOF, 2005.

TELES, Amelinha. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.

WOOLF, Adeline Virginia. Um teto todo seu. São Paulo Brasil: Círculo do livro, 1929.

Publicado
2021-01-31
Como Citar
Preto, A. dos S., & Schorr, J. S. (2021). O empoderamento feminino sob a perspectiva histórico-cultural da trajetória da mulher desde o século XIX até os dias atuais. IUS GENTIUM, 11(1), 82-112. https://doi.org/10.21880/ius gentium.v11i1.528
Seção
Artigos