Oficinas de inglês na educação infantil da rede pública

Resumo

Este artigo apresenta experiências didático-pedagógicas voltadas para o ensino lúdico da língua inglesa na educação infantil. As oficinas descritas neste trabalho foram desenvolvidas em uma escola  da rede pública de Belo Horizonte, com crianças de 4 a 5 anos. Como aporte teórico-metodológico das atividades, utilizaram-se: (a) as teorias cognitivas, que contemplam o raciocínio simbólico e a aquisição de linguagem no processo de ensino-aprendizagem de idiomas; e (b) os estágios do desenvolvimento cognitivo-emocional, teorizados por Jean Piaget e Lev Vygotsky. Para os autores, a aquisição da linguagem é o resultado da prática e da formação de hábitos; tal processo acontece quando as crianças imitam os sons que ouvem, interagem com objetos/imagens e recebem reforços positivos. Logo, é importante que os educandos sejam estimulados a usarem, processualmente, a língua inglesa em seu cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiza Santana Chaves, Centro Pedagógico da UFMG

Pós-doutorado em Letras, na linha de pesquisa Literatura e Cultura, pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Doutorado e Mestrado em Letras, na linha de pesquisa Literatura, História e Memória Cultural, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Máster Universitario en Lingüística Aplicada a la Enseñanza del Español como Lengua Extranjera (Universidad Europea del Atlántico - UNEATLANTICO, Santander/España). Graduação em Letras (Espanhol, Inglês e Português - FALE/UFMG e ICSH/CESB). Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professora de Língua Espanhola do Centro Pedagógico da UFMG.  

Márcia Marlene de Medeiros

Especialista em Residência Docente para a Formação de Educadores da Educação Básica, Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais (CP/UFMG), Professora de Educação Infantil na EMEI-Urca/Confisco, Rede Pública de Belo Horizonte - MG.

Raika Luana Aleme

Mestre em Teaching English to Speakers of Other Languages pela Indiana Universtiy of Pennsylvania, EUA (2009) - revalidado como equivalente ao Mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade de Brasília (UNB), docente do Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais (CP/UFMG), Belo Horizonte - MG.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, MEC/SEF/CNE, 2016.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC/SEB/DICEI, 2013.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, MEC/SEF/CNE, 1998.

BRUNO, F. A. C. Os gêneros orais em aulas de ELE: uma proposta de abordagem. Em: BARROS, C.; COSTA, E. G. Coleção explorando o Ensino. Espanhol: ensino médio. V.16. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010.

DEHEINZELIN, M.; MONTEIRO, P.; CASTANHO, A. F. Aprender com a criança experiências e conhecimentos. Belo Horizonte: Autêntica. 2018.

DIAS, R. Por que ensinar inglês na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental na Escola Pública? Em: Revista Presença Pedagógica. Políticas Educacionais. V.10, N.1, pp.27 a 30, 2018.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LIGHTBOWN, P. M.; SPADA, N. How Languages are Learned. England: Oxford University Press, 2003.

MACEDO, L. O modelo de Piaget sobre as regulações sensório-motores. Em: MOURA, M. L. S. (Org.). O bebê do século XXI e a psicologia em desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. Em: DIONÍSIO, A. et al. (Orgs). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

PIAGET, J. A Linguagem e o Pensamento da Criança. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ROCHA, C. H. O ensino de línguas para crianças: refletindo sobre princípios e práticas. Em: ROCHA, C.H.; BASSO, E.A. (Org.). Ensinar e aprender inglês em diferentes idades: reflexões para professores e formadores. São Carlos, SP: Claraluz, 2006.

ROTH, G. Teaching Very Young Children: pre-school and early primary. London: Richmond, 1998.

SHAABAN, H. Assessment of Young Learners.Forum. v. 39, n.4, pp. 16-25, 2001.

TEIXEIRA, C. E. J. A ludicidade na escola. São Paulo: Loyola, 1995.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Publicado
2021-10-06
Como Citar
Chaves, L. S., Medeiros, M. M. de, & Aleme, R. L. (2021). Oficinas de inglês na educação infantil da rede pública. REVISTA INTERSABERES, 16(39), 1329-1343. https://doi.org/10.22169/revint.v16i39.2098