Um estudo sobre as relações do cuidado ao doente renal crônico: o papel da família

Autores

  • Fernanda de Oliveira Rosa Correa Fundação Pró-Renal
  • Cleci Elisa Albiero

Resumo

Resumo

O presente artigo é resultado de um Trabalho de Conclusão de Curso em Serviço Social. Analisa-se as relações sociais e as mudanças geradas por uma doença renal crônica no âmbito familiar, ao considerar a família uma unidade de cuidado. O objetivo do estudo foi examinar as configurações das relações sociais do cuidador, quando um familiar (doente renal crônico) inicia o tratamento de Diálise Peritoneal. A investigação tem uma abordagem qualitativa e descritiva. Para a coleta dos dados, utilizou-se observação participante e entrevista semiestruturada — mediante um roteiro de perguntas abertas. A entrevista foi desenvolvida com quatro sujeitos, familiares que exercem a função de cuidador principal do doente em tratamento. Constatou-se que o ato de cuidar se configura como uma obrigatoriedade; consequentemente, esse panorama gera a culpabilização do responsável pelo paciente. O cuidador principal assume, dessa forma, o cuidado integral do seu familiar, o que repercute diretamente na sua vida afetiva e relacional.

Palavras-chave: Família. Cuidado. Cuidador. Relações sociais.

Abstract

This article is the result of an undergraduate thesis in Social Work. Social relations and changes generated by a chronic kidney disease in the family are analyzed, considering family as a care unit. The objective of the study was to examine the settings of the social relationships of the caregiver when a family member (chronic kidney patient) starts the treatment of Peritoneal Dialysis. The research has a qualitative and descriptive approach. For data collection, participant observation and semi-structured interviews were used — through a script of open questions. The interview was conducted with four individuals, family members who exercise the role of primary caregiver of the patient being treated. It was found that the act of caring is configured as an obligation; consequently, this scenario generates the blame of the person responsible for the patient. Therefore, the main caregiver fully assumes the care of his/her family member, which directly affects their affective and relational life.

Keywords: Family. Care. Caretaker. Social relationships.

Resumen

Este artículo es el resultado de un trabajo de conclusión de curso en Trabajo Social. Se analizan las relaciones sociales y los cambios generados por una enfermedad renal crónica en el ámbito familiar, considerándose a la familia como una unidad de cuidados. El objetivo del estudio fue el de examinar las configuraciones de las relaciones sociales del cuidador, cuando un familiar (enfermo renal crónico) comienza el tratamiento de diálisis peritoneal. La investigación tiene un enfoque cualitativo y descriptivo. Para la recolección de datos, se utilizó la observación participante y la entrevista semiestructurada — por medio de un guión de preguntas abiertas. La entrevista se desarrolló con cuatro sujetos, familiares que asumen la función de cuidador principal del enfermo en tratamiento. Se pudo constatar que el hecho de cuidar se caracteriza como una obligatoriedad; en consecuencia, ese panorama genera la culpabilización del responsable por el paciente. El cuidador principal asume, de esa manera, el cuidado integral de su familiar, lo que repercute directamente en su vida afectiva y en sus relaciones.

Palabras-clave: Familia. Cuidado. Cuidador. Relaciones sociales.

Biografia do Autor

Fernanda de Oliveira Rosa Correa, Fundação Pró-Renal

O presente trabalho é resultado da pesquisa realizada na vivência de estágio curricular obrigatório e após, para defesa do Trabalho de Conclusão do curso de Serviço Social. Nesse contexto, emerge a relevância de analisar e compreender as relações sociais concretas e as mudanças que a doença Renal Crônica gera no contexto familiar, refletindo sobre a concepção de família como unidade de cuidado. Frente a isso aflora o objeto de pesquisa que tem como eixo, estudar como se configuram as relações sociais do cuidador, quando seu familiar (doente renal crônico) entra em tratamento de Diálise Peritoneal. Os objetivos foram definidos no sentido de analisar as configurações das relações sociais do cuidador quando seu familiar entra em tratamento de Dialise Peritoneal. Esta pesquisa apresenta-se como de natureza qualitativa com estudo descritivo. Para a coleta dos dados foram utilizados os instrumentais da observação participante e a entrevista semiestruturada mediante um roteiro de perguntas abertas. A entrevista foi desenvolvida com quatro sujeitos, familiares que exercem a função de cuidador principal do doente em tratamento de Dialise Peritoneal. Como resultados obtidos, compreende-se que o cuidado aparece relacionado a uma obrigação, e que consequentemente gera a própria culpabilização do cuidador, ficando evidente que o cuidador principal se responsabiliza integralmente pelo cuidado de seu familiar, fato que repercute diretamente na vida afetiva e relacional do cuidador familiar.

Palavras-Chave: Família; Cuidado; Cuidador; Relações Sociais;

Referências

ALBIERO, C. E. Assistência domiciliar como modalidade de atendimento a saúde no contexto da família e das políticas sociais. 2003. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

BABBIE, Earl. Métodos de Pesquisas de Survey. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes; 1999.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. CBO - Classificação Brasileira de Ocupações. 2002. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br. Acesso em: 19 set. 2020.

BRASIL. Ministério de desenvolvimento social e combate à fome. Política Nacional de Assistência Social (PNAS). Brasília: Secretaria Nacional de Assistência Social, 2004.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Norma Operacional Básica – NOB/SUAS: construindo as bases para a implantação do Sistema Único de Assistência Social. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Secretaria Nacional de Assistência Social, 2005.

BUDÓ, M.; RESTA, D. A cultura e as formas de cuidar em família na visão de pacientes e cuidadores domiciliares. Acta Scientiarum Health Sciences, Maringá, v. 26, n.1, p. 53-60, 2004.

CAPONI, Sandra. Da compaixão à solidariedade: uma genealogia da assistência médica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2000.

CARRASCO, C.A. A sustentabilidade da vida humana: um assunto de mulheres. Produção do viver. São Paulo: Cadernos SOF, 2003.

CARTAXO, A. M. B. E CABRAL, M. S. R. O processo de desconstrução e reconstrução do

projeto do serviço social na previdência – um registro de resistência e luta dos assistentes

sociais. In: BRAGA, L. E CABRAL, M. S. R. (org.). O Serviço Social na Previdência:

trajetória, projetos profissionais e saberes. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

DENARDIN, M. de L. A família rural e os cuidados em saúde. In: ELSEN, I.; MARCON, S. S.; SILVA, M. R. S. O viver em família e sua interface com a saúde e a doença. Maringá: Eduem, 2002.

FERREIRA, A. B. H. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

FIGUEIREDO, D. Cuidados familiares ao idoso dependente. Lisboa: Climepsi Editores, 2007.

FONSECA, A. M. M. Painel: Que família é essa? A família é sempre um tema fascinante. In: WANDERLEY, M. B.; OLIVEIRA, I. M.C. (org.). Trabalho com Famílias. São Paulo: IEE, PUC, 2004.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

INOCENTI, A.; RODRIGUES, I.G.; MIASSO, A.I. Vivências e sentimentos do cuidador familiar do paciente oncológico em cuidados paliativos. Revista Brasileira de Enfermagem, v.11, n. 4, p. 858-65, 2009. Disponível em: https://projetos.extras.ufg.br/fen_revista/v11/n4/pdf/v11n4a11.pdf. Acesso em: 08 nov. 2020.

MARQUES, S. Os cuidadores informais de doentes com AVC. Coimbra: Formasau, 2007.

MENDES, P. B. M. T. Cuidadores: heróis anônimos do cotidiano. In: KARSCH, U. M. S. (org.). Envelhecimento com dependência: revelando cuidadores. São Paulo: Educ, 2004.

MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: DESLANDES, S.F. et. al. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MIOTO; R. C. T. Família e serviço social. Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo, v.17, n.55, p.114-130, nov. 1997.

MIOTO, R. C. T. Cuidados sociais dirigidos á família e segmentos sociais vulneráveis. In: Capacitação em serviço social e política social- módulo 4: O trabalho do assistente social e as políticas sociais - Brasília: CEAD- UNB, 2000.

MIOTO, R. C. T. Novas propostas e velhos princípios: subsídios para a discussão da assistência às famílias no contexto de programas de orientação e apoio sócio-familiar. Fronteras, Montevideo, p. 94-102, set. 2001.

MIOTO, R. C. T. Serviço Social e Intervenção profissional com Famílias. In: CARVALHO, Maria Irene (org.). Serviço Social com famílias. Lisboa: PACTOR – Edições de Ciências Sociais, Forenses e da Educação, 2015.

POLIGNANO, M. V.; História das políticas de saúde no Brasil: uma pequena revisão. 2006. Disponível em: file:///C:/Users/USER/Downloads/historia-das-politicas-de-saude-no-brasil-uma-pequena-revisao-marcus-vinicius-polignano-[16-200511-SES-MT].pdf. Acesso em: 20 jul. 2015.

RAMOS, I. C.; QUEIROZ, M. V. O.; JORGE, M. S. B. Cuidado em situação de Doença Renal Crônica: representações sociais elaboradas por adolescentes. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. 2, p. 193-200, mar./abr. 2008.

REZENDE, Ilma; CAVALCANTI, Ludimila Fontenele (org.). Serviço Social e Políticas Sociais. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008 (Série Didáticos).

SARMENTO, E; PINTO, P.; MONTEIRO, S. Cuidar do Idoso, dificuldades dos familiares. Coimbra: Formasau, 2010.

SILVA, M.C. Necessidades do familiar no cuidado ao cliente com insuficiência renal crônica: uma perspectiva para a enfermagem. 2004. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Pós-graduação em Enfermagem, UNIRIO/EEAP, Rio de Janeiro, 2004.

SOUSA, L.; Figueiredo, D; CERQUEIRA, M. Envelhecer em Família. Porto: Âmbar, 2006.

SOUZA, T.V. Interação familiar/acompanhante e equipe de enfermagem no cuidado à criança hospitalizada: perspectivas para a enfermagem pediátrica. 2007. 142 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Programa de Pós-graduação em Enfermagem, UFRJ/EEAN, Rio de Janeiro, 2007.

WALDOW, V. R. Cuidar: Expressão Humanizada da Enfermagem. Petrópolis: Vozes, 2007.

Downloads

Publicado

2020-11-16

Como Citar

CORREA, F. de O. R.; ALBIERO, C. E. Um estudo sobre as relações do cuidado ao doente renal crônico: o papel da família. Humanidades em Perspectivas, [S. l.], v. 2, n. 5, 2020. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revista-humanidades/index.php/revista-humanidades/article/view/95. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)