A sociologia de Zygmunt Bauman: modernidade líquida e consumismo no contexto da contemporaneidade

Autores

  • Ana Cássia Gabriel UNIMES - Ciências Sociais
  • Fábio Antonio Gabriel Secretaria de Educação do Paraná
  • Ana Lúcia Pereira Universidade Estadual de Ponta Grossa

Resumo

Este artigo objetiva desvelar as contribuições do pensamento de Zygmunt Bauman para a compreensão da sociedade contemporânea permeada pela modernidade líquida. O conceito de modernidade líquida diferencia-se da modernidade sólida, pois, em se tratando de verdades definitivas e inquestionáveis, o mundo atual é o momento em que se vive, e, assim, nele, o sempre se torna obsoleto. No contexto da modernidade líquida, o egocentrismo evidencia-se e transforma as relações em volúveis e instáveis. Além disso, a necessidade do consumismo exacerbado — nessa sociedade em que tudo se resume no agora — aliena aos que buscam dar um sentido à vida por meio de um consumo desenfreado. No contexto contemporâneo, tudo acaba sendo considerado uma mercadoria; há, assim, uma instrumentalização das pessoas. Consumir torna-se um imperativo para ser reconhecidos. Assim sendo, este texto destaca a importância do pensamento de Zygmunt Bauman para um entendimento tanto da contemporaneidade quanto das contribuições da Sociologia para os tempos atuais.

Palavras-chave: modernidade líquida; consumismo; sociedade do consumo; liquidez.

Abstract

This paper aims to reveal the contributions of Zygmunt Bauman’s thought to comprehend contemporary society permeated by liquid modernity. The concept of liquid modernity differs from solid modernity because, when it comes to definitive and unquestionable truths, the current world is the moment in which one lives, and, thus, in it, the idea of always becomes obsolete. In the context of liquid modernity, egocentrism becomes evident and transforms relationships into fickle and unstable. In addition, the need for exacerbated consumerism — in this society where everything boils down to the present moment — alienates those who seek to give meaning to life through unrestrained consumption. In the contemporary context, everything ends up being considered a commodity; hence, there is an instrumentalization of people. Consuming becomes imperative to be recognized. Therefore, this text highlights the importance of Zygmunt Bauman’s thought to understand both contemporaneity and the contributions of Sociology to the present time.

Keywords: liquid modernity; consumerism; consumer society; liquidity.

Resumen

Este artículo tiene como objetivo desvelar las contribuciones del pensamiento de Zygmunt Bauman para la comprensión de la sociedad contemporánea permeada por la modernidad líquida. El concepto de modernidad líquida se diferencia del de modernidad sólida porque, cuando se trata de verdades definitivas e incuestionables, el mundo actual es el momento en que se vive y, por lo tanto, en él, la idea de siempre se vuelve obsoleta. En el contexto de la modernidad líquida, el egocentrismo se hace evidente y transforma las relaciones en volubles e inestables. Además de eso, la necesidad del consumismo exacerbado — en esta sociedad en la que todo se resume en el ahora —, aliena a quienes buscan darle sentido a la vida por medio de un consumo desenfrenado. En el contexto contemporáneo, todo acaba siendo considerado una mercancía; hay, por tanto, una instrumentalización de las personas. Consumir se convierte en un imperativo para ser reconocidos. Siendo así, este texto destaca la importancia del pensamiento de Zygmunt Bauman para la comprensión tanto de la contemporaneidad como de las contribuciones de la Sociología a los tiempos actuales.

Palabras-clave: modernidad líquida; consumismo; sociedad de consumo; liquidez.

Biografia do Autor

Ana Cássia Gabriel, UNIMES - Ciências Sociais

Bacharel em Direito pela Faculdades Integradas de Ourinhos; licencianda em Ciências Sociais pela UNIMES; especialista em direito previdenciário pela UNOPAR.

Fábio Antonio Gabriel, Secretaria de Educação do Paraná

Pós-doutorando em Educação pela UEPG/ profesor de Filosofía da rede estadual.

Ana Lúcia Pereira, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutora (2011) e Mestre (2005) em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Graduada em Ciências e Matemática na Universidade do Norte Pioneiro (UENP, 1994). Professora do Departamento de Matemática e Estatística da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG, Brasil) desde 2012. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, em que serviu como vice-coordenador (2014-2015) e do Programa em Ensino de Ciências e Educação Matemática (2017) na Universidade Estadual de Ponta Grossa. Coordenadora do Curso de Licenciatura em Matemática, modalidade a distância, do Sistema Universidade Aberta do Brasil na UEPG. Membro do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - BASis - INEP/MEC. Foi pesquisadora visitante na University of Strathclyde, no Reino Unido (2016-2018) pelo Programas Estratégicos - DRI, com apoio da Capes. Também atuou como coordenadora Institucional do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID / Capes / UEPG, 2012-2013) e como Coordenadora de Gestão e Processos Educacionais no PIBID (Capes / UEPG, 2014-2016). Foi Chefe do Núcleo Regional de Educação de Jacarezinho no Estado do Paraná (2009-2010). Presidente do Sindicato dos Professores (APP) da região Jacarezinho (2002-2009). Autor de vários artigos em revistas e atua como referee nas áreas de Políticas Educacionais, Formação de Professores; Práticas e Desenvolvimento Curricular; Ensino e Aprendizagem; Psicanálise; Mídias Sociais; Ciência, Tecnologia e Sociedade e Educação Matemática. Editor associado da Frontiers in Psicologia da Educação desde 2015. Bolsista de Produtividade da Fundação Araucária-Paraná.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Babel: entre a incerteza e a esperança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2016.

BAUMAN, Zygmunt. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2017.

BUNGENSTAB, Gabriel Carvalho. Zygmunt Bauman: da juventude sólida para juventude líquida. Cadernos Zygmunt Bauman, São Luís, v. 4, n. 8, p. 47-68, 2014.

DESCARTES, René. Discurso do Método. Tradução Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM, 2009.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

FRAGOSO, Tiago de Oliveira. Modernidade líquida e liberdade consumidora: o pensamento crítico de Zygmunt Bauman. Revista Perspectivas Sociais, Pelotas, ano 1, n. 1, p. 109-124, mar. 2011.

FRANÇA, Greyce Kelly Cruz de Souza; JAQUES, Sâmia Macedo. “Assim caminha a humanidade ao passo consumista e com vontade”: a conformação com o modo de vista consumista e a constituição de sujeitos ávidos a consumir. Cadernos Zygmunt Bauman, São Luís, v. 7, n. 13, p. 134-144, 2017.

FURLAN, Cássia Cristina; MAIO, Eliane Rose. Educação na modernidade líquida: entre tensões e desafios. Mediações, Londrina, v. 21, n. 2, p. 278-307, jul./dez. 2016.

JONAS, Hans. O princípio Responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Prática. Tradução Valério Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LAWRIE, Eleanor. ‘Absurdo total’: cientistas condenam ‘teoria’ espalhada na internet de que 5G transmite coronavírus. BBC News Brasil, 7 abr. 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-52194322. Acesso em: 2 set. 2021.

NIETZSCHE, Friedrich. Obras incompletas. Tradução Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

OLIVEIRA, Larissa Pascutti de. Zygmunt Bauman: a sociedade contemporânea e a sociologia na modernidade líquida. Sem Aspas, Araraquara, v. 1, n. 1, p. 25-36, 2012.

SANTOS, Guilherme Ferreira; SILVA, Otávio Guimarães Tavares. Conceito de modernidade líquida: revisão teórica e implicações para a prática de vida. Cadernos Zygmunt Bauman, São Luís, v. 3, n. 5, p. 40-61, 2012.

SILVA, Rafael Bianchi; MENDES, Jéssica Paula Silva; ALVES, Rosiele dos Santos Lopes. O conceito de líquido em Zygmunt Bauman: contemporaneidade e produção de subjetividade. Athenea Digital, Bellaterra, v. 15, n. 2, p. 249-264, 2015.

SOUZA, Wuldson Marcelo Leite. Uma excursão pelo contemporâneo a partir do conceito de modernidade líquida de Zygmunt Bauman. 2012. 112 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Cultura Contemporânea) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2012.

Downloads

Publicado

2022-10-14

Como Citar

GABRIEL, A. C. .; GABRIEL, F. A.; PEREIRA, A. L. . A sociologia de Zygmunt Bauman: modernidade líquida e consumismo no contexto da contemporaneidade. Humanidades em Perspectivas, [S. l.], v. 4, n. 8, p. 121–137, 2022. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revista-humanidades/index.php/revista-humanidades/article/view/164. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos