Efetividade do treinamento sobre a força muscular de idosos submetidos a meio aquático versus solo

  • Joel Florêncio da Costa Neto
  • Suelen Alexandre Magalhães UNOPAR
  • João Carlos Lopes Bezerra
  • Walisson Jorge Vieira de Souza Universidade Potiguar
  • Rhian Emanuell Silva do Nascimento Universidade Potiguar

Resumo

O envelhecimento se caracteriza pelo decréscimo dos sistemas fisiológicos e biomecânicos; é um fenômeno irreversível e inevitável. É comum observar, no idoso, parâmetros reduzidos da massa muscular, que diminuem a força dos músculos. A prática de atividade física e/ou o exercício físico traz inúmeros benefícios na melhora da força muscular, da flexibilidade corporal e do equilíbrio; quando é sedentário, o idoso pode chegar a um estado de fragilidade e dependência O objetivo deste estudo é comparar um programa de exercícios aquáticos e realizados no solo, destinados ao fortalecimento da função motora em idosos. Tratou-se de prestar assistência a 12 idosos residentes no município de Mossoró/RN, vinculados à instituição desta pesquisa, que se enquadrassem nos critérios de inclusão. Os idosos foram avaliados através de exames clínico-funcionais específicos; após confirmação da sua estabilidade, se aplicaram os exercícios propostos, que consistiram em alongamentos musculares e exercícios resistidos. Os sujeitos foram reavaliados após 12 atendimentos, para acompanhamento da evolução da intervenção. Ambos os grupos — água e solo — obtiveram melhora após a intervenção, porém o grupo fora da água obteve os resultados com maior significância, com melhores resultados em todas as valências físicas avaliadas. Pôde-se constatar que o protocolo realizado no solo obteve um melhor resultado ao final das intervenções, e que a prática de atividade física é essencial para a manutenção da aptidão física do idoso e de sua qualidade de vida.

Palavras-chave: força muscular; hidroterapia; idosos.

Abstract

Aging is characterized by a decrease in physiological and biomechanical systems; it is an irreversible and inevitable phenomenon. It is common to observe, in the elderly, reduced muscle mass parameters, which decrease muscle strength. The practice of physical activity and/or physical exercise brings numerous benefits in improving muscle strength, body flexibility, and balance; when they are sedentary, the elderly can reach a state of fragility and dependence The objective of this study is to compare a program of aquatic and land-based exercises, aimed at strengthening the motor function of the elderly. It provided assistance to 12 elderly people who live in the city of Mossoró/RN, linked to the institution of this research, who met the inclusion criteria. The elderly were evaluated through specific clinical-functional examinations; after confirming their stability, the proposed exercises were applied, which consisted of muscle stretching and resistance exercises. The subjects were reassessed after 12 sessions, to monitor the intervention evolution. Both groups — water and land — improved after the intervention, but the out-of-water group had the most significant results, with better results in all physical valences evaluated. It could be seen that the protocol carried out on the ground had a better result at the end of the interventions and that the practice of physical activity is essential for the maintenance of the physical fitness of the elderly and their quality of life.

Keywords: muscle strength; hydrotherapy; elderly.

Resumen

El envejecimiento se caracteriza por la reducción de los sistemas fisiológicos y biomecánicos; es un fenómeno irreversible e inevitable. Es común observar, en adultos mayores, parámetros reducidos de masa muscular, los cuales disminuyen la fuerza de los músculos. La práctica de actividad física y/o ejercicio físico aporta muchos beneficios para la mejora de la masa muscular, de la flexibilidad corporal y del equilibrio; al ser sedentaria, la persona mayor puede llegar a un estado de fragilidad y dependencia. El objetivo de este estudio es comparar un programa de ejercicios acuáticos y realizados en el suelo, destinados al fortalecimiento de la función motora en personas mayores. Se trató de atender a un grupo de 12 adultos mayores, residentes en el municipio de Mossoró/RN, vinculados a la institución de esta investigación y que correspondieran a los criterios de inclusión. Las personas fueron evaluadas por medio de exámenes clínico-funcionales específicos; luego de confirmada su estabilidad, se aplicaron los ejercicios propuestos, que consistían en estiramientos musculares y ejercicios resistidos. Los sujetos fueron reevaluados después de 12 sesiones, para control de la evolución de la intervención. Ambos grupos — agua y suelo — lograron mejoras después de la intervención, sin embargo, el grupo fuera del agua obtuvo resultados con más significancia, con mejores resultados en todas las valencias físicas evaluadas. Se pudo constatar que la rutina realizada en el suelo obtuvo mejor resultado al final de las intervenciones, y que la práctica de actividad física es esencial para el mantenimiento de la aptitud física de la persona mayor y de su calidad de vida.

Palabras-clave: fuerza muscular; hidroterapia; personas mayores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joel Florêncio da Costa Neto

Fisioterapeuta pela Universidade Potiguar (2016) e Residente Multiprofissional em Atenção Básica/Saúde da Família e Comunidade pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2019).

Suelen Alexandre Magalhães, UNOPAR

Fisioterapeuta pela Universidade Potiguar (2016).

João Carlos Lopes Bezerra

Fisioterapeuta pela Universidade Potiguar (2007) e Mestre em Saúde e Sociedade pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2014).

Walisson Jorge Vieira de Souza, Universidade Potiguar

Fisioterapeuta pela Universidade Potiguar (2016).

Rhian Emanuell Silva do Nascimento, Universidade Potiguar

Discente do curso de fisioterapia da Universidade Potiguar.

EFETIVIDADE DO TREINAMENTO NA FORÇA MUSCULAR EM IDOSOS SUBMETIDOS AO MEIO AQUÁTICO VERSUS SOLO

Referências

ALENCAR, Nelyse de Araújo et al. Nível de atividade física, autonomia funcional e qualidade de vida em idosas ativas e sedentárias. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 23, n. 3, set. 2010.

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. American College of Sports Medicine position stand. Progression models in resistance training for healthy adults. Med Sci Sports Exerc., USA, v. 41, n. 3, p. 687-708, 2009 Mar. DOI: 10.1249/MSS.0b013e3181915670. PMID: 19204579.

BOOTH, Carolyn E. Water exercise and its effect on balance and gait to reduce the risk of falling in older adults. Activities, adaptation & aging, [s. l.], v. 28, n. 4, p. 45-57, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas, Área Técnica Saúde do Idoso, 2010. (Série Pactos pela Saúde 2006, v. 12).

BRITTO, Raquel Rodrigues et al. Efeitos de um programa de treinamento físico sobre a capacidade funcional de idosos institucionalizados. Textos sobre Envelhecimento/Rev. bras. geriatr. gerontol, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 262-8, 2005.

BUZZACHERA, Cosme Franklim et al. Efeitos do treinamento de força com pesos livres sobre os componentes da aptidão funcional em mulheres idosas. Journal of Physical Education, Maringá – PR, v. 19, n. 2, p. 195-203, 2008.

CANDELORO, Juliana Monteiro; CAROMANO, Fátima Aparecida. Efeito de um programa de hidroterapia na flexibilidade e na força muscular de idosas. Brazilian Journal of Physical Therapy, São Carlos – SP, v. 11, n. 4, p. 303-309, 2007.

CANDELORO, Juliana Monteiro; CAROMANO, Fátima Aparecida. Graduação da resistência ao movimento durante a imersão na água. Rev Fisioter Brasil, São Carlos - SP, v. 5, n. 1, p. 73-6, 2004.

CAROMANO, Fátima A.; CANDELORO, Juliana Monteiro. Fundamentos da hidroterapia para idosos. Arq. ciências saúde UNIPAR, Umuarama – PR, v. 5, n. 2, p. 187-195, 2001.

CASAGRANDE, Marcelo. Atividade física na terceira idade. 2006. 59 f. TCC (Licenciatura Plena em Educação Física) - Universidade Estadual Paulista, Baurú, 2006.

COELHO, Christianne de Faria; BURINI, Roberto Carlos. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Revista de Nutrição, Campinas – SP, v. 22, n. 6, p. 937-946, dez. 2009.

CONSTANTINI, Amanda; ALMEIDA, Pablo; PORTELA, Bruno Sérgio. Exercícios físicos e fatores de quedas em idosos. Voos Revista Polidisciplinar Eletrônica da Faculdade Guairacá, Guarapuava – PR, v. 3, n. 2, 2011.

DIAS, Livia Karla Sales et al. ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR ÀS URGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS POR USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS. SANARE. Revista de Políticas Públicas, Sobral – CE, v. 12, n. 2, 2013.

FELAND, J. Brent et al. The effect of duration of stretching of the hamstring muscle group for increasing range of motion in people aged 65 years or older. Physical therapy, Alexandria, Virginia, v. 81, n. 5, p. 1110-1117, 2001.

CGEE. Populações e políticas sociais no Brasil: os desafios da transição demográfica e das migrações internacionais. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2008.

GASPAROTTO, Lívia Pimenta Renó; FALSARELLA, Gláucia Regina; COIMBRA, Arlete Maria Valente. As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Rev. bras. geriatr. gerontol, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 201-209, jan./mar. 2014.

GONÇALVES, Raquel; GURJÃO, André Luiz Demantova; GOBBI, Sebastião. Efeitos de oito semanas do treinamento de força na flexibilidade de idosos. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 145-153, 2007.

HANSEN, Dinara et al. Nível de atividade física e risco de quedas em idosos da comunidade. Saúde (Santa Maria), Santa Maria – RS, v. 42, n. 2, p. 157-166, jul./dez. 2016.

KARUKA, Aline H.; SILVA, José AM; NAVEGA, Marcelo Tavella. Análise da concordância entre instrumentos de avaliação do equilíbrio corporal em idosos. Brazilian Journal of Physical Therapy, São Carlos – SP, v. 15, n. 6, p. 460-466, 2011.

KURA, Gustavo Graeff et al. Nível de atividade física, IMC e índices de força muscular estática entre idosas praticantes de hidroginástica e ginástica. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo – RS, v. 1, n. 2, 2006.

LUND, Hans et al. A randomized controlled trial of aquatic and land-based exercise in patients with knee osteoarthritis. Journal of Rehabilitation Medicine, Uppsala, Sweden, v. 40, n. 2, p. 137-144, 2008.

MATSUDO, S. M.; MATSUDO, V. K. R.; BARROS NETO, T. L. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 8, n. 4, p. 21-32, 2000.

PAULI, José Rodrigo et al. Influência de 12 anos de prática de atividade física regular em programa supervisionado para idosos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, Florianópolis, v. 11, n. 3, p. 255-60, 2009.

PEREIRA, Luanda Maria et al. Impactos do treinamento funcional no equilíbrio e funcionalidade de idosos não institucionalizados. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 25, n. 1, p. 79-89, 2017.

PERRACINI, M. R.; FLÓ, CM. Funcionalidade e envelhecimento. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2009. (Série Fisioterapia: teoria e prática clínica).

PINTO, Ione Carvalho et al. Análise da satisfação profissional da equipe de enfermagem em uma unidade básica distrital de saúde. Revista gaúcha de enfermagem, Porto Alegre, v. 35, n. 4, p. 20-27, dez. 2014.

RABELO, H. T.; OLIVEIRA, R. J.; BOTTARO, M. Effects of resistance training on activities of daily living in older women. Biol Sport, Varsóvia, v. 21, n. 4, p. 325-36, 2004.

REBELATTO, José Rubens; CASTRO, A. P. Efeito do programa de revitalização de adultos sobre a ocorrência de quedas dos participantes. Rev Bras Fisioter, São Carlos – SP, v. 11, n. 5, p. 383-389, 2007.

RESENDE, Selma M.; RASSI, Cláudia Maria; VIANA, Fabiana P. Efeitos da hidroterapia na recuperação do equilíbrio e prevenção de quedas em idosas. Rev Bras Fisioter, São Carlos – SP, v. 12, n. 1, p. 57-63, 2008.

RIBEIRO, Rogério Gallo; DOMINGUES, Diogo de Oliveira; DA SILVA, Victória Alves. Treinamento de flexibilidade e sua relação com as atividades da vida diária no envelhecimento: um estudo de revisão. Rev. Bras. Ciên. Saúde/Revista de Atenção à Saúde, São Caetano do Sul – SP, v. 6, n. 17, 2010.

RIKLI, Roberta E.; JONES, C. Jessie. Teste de aptidão física para idosos. Barueri - SP: Manole, 2008.

RUBENSTEIN, Laurence Z. et al. Effects of a group exercise program on strength, mobility, and falls among fall-prone elderly men. The Journals of Gerontology, Series A: Biological Sciences and Medical Sciences, Washington, v. 55, n. 6, p. M317-M321, 2000.

SAYER, Avan Aihie et al. Is grip strength associated with health-related quality of life? Findings from the Hertfordshire ohort Study. Age and ageing, Oxford, v. 35, n. 4, p. 409-415, 2006.

SILVA, Romeu Paulo Martins. Exercício físico e saúde. 2011. 118 f. Tese (Doutorado em Genética e Bioquímica) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia – MG, 2011.

SILVA JUNIOR, João Pedro et al. Estabilidade das variáveis de aptidão física e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de 50 a 89 anos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum, Florianópolis, v. 13 n. 1, p. 8-14, 2011.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA; SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO; SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol, Rio de Janeiro, v. 95, n. 1, supl. 1, p. 1-51, 2010.

SOUSA, Renata Miranda de et al. Diagnósticos de enfermagem identificados em idosos hospitalizados: associação com as síndromes geriátricas. Esc Anna Nery Rev Enferm, Rio de Janeiro, v. 14, n. 4, p. 732-41, 2010.

TEIXEIRA, Denilson de Castro et al. Efeitos de um programa de exercício físico para idosas sobre variáveis neuro-motoras, antropométrica e medo de cair. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 107-120, abr./jun. 2007.

TRIBESS, Sheilla; JÚNIOR, Jair Sindra Virtuoso; DE OLIVEIRA, Ricardo Jacó. Atividade física como preditor da ausência de fragilidade em idosos. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 58, n. 3, p. 341-347, 2012.

Publicado
2021-10-21
Seção
Artigos