Qualidade da água consumida em bebedouros no IFTM – campus Uberlândia

Autores

  • Marcos Antonio de Oliveira Junior IFTM - campus Uberlândia
  • Nara Cristina de Lima Silva IFTM - campus Uberlândia
  • Marcely Ferreira Prado Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) - campus Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.22292/mas.v12i25.1115

Resumo

A água é um dos principais veículos de transmissão de doenças. Quando fornecida em bebedouros, pode se tornar uma fonte de contaminação tanto pelos próprios usuários quanto pela falta de manutenção dos equipamentos, sendo então imprescindível o monitoramento da qualidade da água fornecida nesses locais para prevenção de surtos de doenças. Desta forma, este trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade da água fornecida em bebedouros do IFTM – campus Uberlândia. Para tanto, foram coletadas amostras para determinação dos parâmetros físico-químicos (turbidez, cor aparente, pH, cloro residual livre e alcalinidade) e microbiológicos (Coliformes Totais e E. Coli) em seis bebedouros mais utilizados pela comunidade acadêmica. As amostras apresentaram valores médios de pH entre 9,2 e 9,4, acima da faixa aceitável (6,0 a 9,0) implícita nos anexos da Portaria GM/MS nº 888/2021. Todos os valores obtidos para os parâmetros turbidez e cor estão abaixo dos estabelecidos para água subterrânea na referida portaria. Apenas dois pontos de coleta apresentaram concentrações de cloro acima do limite mínimo estabelecido, porém não foram detectados Coliformes Totais e E. Coli nas amostras de água analisadas. Foram obtidos valores elevados de alcalinidade total, o que pode estar ocasionando o sabor desagradável na água relatado pela comunidade acadêmica. Embora os parâmetros pH e cloro residual não apresentem valores dentro do padrão de potabilidade, os dados obtidos para os parâmetros microbiológicos sugerem que o processo de desinfecção está sendo eficiente. Apesar disso, há necessidade de monitoramento e ajuste contínuo da dosagem de cloro para a manutenção da qualidade microbiológica da água consumida no campus.

Palavras-chave: análise da água; potabilidade; água subterrânea.

Abstract

Water is one of the main vehicles for disease transmission and when supplied in drinking fountains it can become a source of contamination, both by the users themselves and by the lack of equipment maintenance. Therefore, it is essential to monitor the quality of water supplied in these places to prevent disease outbreaks. Thus, this study aimed to evaluate the quality of water provided in drinking fountains of IFTM - Uberlândia campus. Therefore, samples were collected to determine the physical-chemical parameters (turbidity, apparent color, pH, free residual chlorine and alkalinity) and microbiological parameters (total coliforms and E. Coli) in six drinking fountains mostly used by the academic community. The samples showed average pH values between 9.2 and 9.4, above the acceptable range (6.0 to 9.0) established in the annexes of the GM/MS Administrative Rule nº 888/2021. All values obtained for the parameters turbidity and color are below those established for groundwater in that ordinance. Only two collection points presented chlorine concentrations above the minimum limit established, but Total Coliforms and E. Coli were not detected in the water samples analyzed. High values of total alkalinity were obtained, which may be causing the unpleasant taste in the water reported by the academic community. Although the pH and residual chlorine parameters do not present values within the potability standard, the data obtained for the microbiological parameters suggest that the disinfection process is efficient. Nevertheless, there is a need for continuous monitoring and adjustment of the chlorine dosage to maintain the microbiological quality of the water consumed on campus.

Keywords: water analysis; potability; groundwater.

Resumen

El agua es uno de los principales vehículos de trasmisión de enfermedades. Cuando suministrada en fuentes, puede tornarse causa de contaminación tanto por los propios usuarios como por la falta de mantenimiento de los equipos, siendo entonces imprescindible el monitoreo de la calidad del agua suministrada en esos locales para prevención de brotes de enfermedades. Así, este trabajo tuvo como objetivo evaluar la calidad del agua suministrada en fuentes del IFTM, campus Uberlandia. Para tanto, se hizo la recolección de muestras para determinación de los parámetros fisicoquímicos (turbidez, color aparente, pH, cloro residual libre y alcalinidad) y microbiológicos (Coliformes Totales y E. Coli) en las seis fuentes de agua más utilizadas por la comunidad académica. Las muestras presentaron valores medios de pH entre 9,2 y 9,4, superior al rango aceptable (6,0 a 9,0) implícito en los adjuntos de la Ordenanza [Portaria] GM/MS no. 888/2021. Todos los valores obtenidos para los parámetros turbidez y color están menores que los establecidos para agua subterránea en la referida ordenanza. Solo dos puntos de recolección presentaron concentraciones de cloro superiores al límite mínimo establecido, sin embargo, no se han detectado Coliformes Totales y E. Coli en las muestras analizadas. Se obtuvo valores elevados de alcalinidad total, lo que puede ser el motivo del sabor desagradable en el agua relatado por la comunidad académica. Aunque los parámetros de pH y cloro residual no presenten valores dentro del estándar de potabilidad, los dados obtenidos para los parámetros microbiológicos sugieren que el proceso de desinfección está siendo eficiente. No obstante, existe la necesidad de monitoreo y ajuste continuo de la dosificación de cloro para el mantenimiento de la calidad microbiológica del agua consumida en el campus.

Palabras clave: análisis del agua; potabilidad; agua subterránea.

Biografia do Autor

Marcos Antonio de Oliveira Junior, IFTM - campus Uberlândia

Tecnólogo em Processos Químicos pelo Instituto Federal do Triângulo Mineiro – campus Ituiutaba. Supervisor das captações e Estação de Tratamento de Água na Superintendência de Água e Esgoto (SAE) – Ituiutaba

Nara Cristina de Lima Silva , IFTM - campus Uberlândia

Engenharia Agrícola e Ambiental pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Doutora em Geografia (Análise, Planejamento e Gestão Ambiental) pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Docente do Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) – campus Uberlândia

Marcely Ferreira Prado, Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) - campus Uberlândia

Engenheira Sanitarista pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade de Brasília (PTARH/UnB). Docente do Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM) – campus Uberlândia.

Referências

AGÊNCIA Nacional de Águas. Guia nacional de coleta e preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos. São Paulo: CETESB, 2011, 325 p.

ASSOCIAÇÃO Brasileira de Águas Subterrâneas. Boletim Informativo da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas, v. 171, p. 1–16, 2007.

AMERICAN Public Health Association. Standard methods for the examination of water and wastewater, v. 21, p. 258–259, 2005.

BRASIL. Portaria GM/MS n° 888 de 04 de maio de 2021: Altera o Anexo XX da Portaria de Consolidação nº 5/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial da União: ed. 96, seção I, 24 mai. 2021.

BRASIL. Curso básico de vigilância da qualidade da água para consumo humano: módulo II: abastecimento de água: aula 2: etapas do abastecimento de água para consumo humano [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 39 p.

BRASIL. Manual de controle da qualidade da água para técnicos que trabalham em ETAS. Brasília: Funasa, 2014. 112 p.

HIRATA, R. et al. A revolução silenciosa das águas subterrâneas no Brasil: uma análise da importância do recurso e os riscos pela falta de saneamento. Estudo de águas subterrâneas. Instituto Trata Brasil, 2018?.

LEAL, E. S. Modelagem da degradação de cloro residual livre em sistemas de adução de água de abastecimento de porte médio. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) —- Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2012.

MUNIZ, J. M. Avaliação microbiológica, física e química da água de escolas públicas municipais de Uberaba-MG. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologia de Alimentos) — Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, Uberaba, 2013.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Burden of disease attributable to unsafe drinking-water, sanitation and hygiene, 2019 update. Geneva: World Health Organization, 2023.

PEREIRA, R.C.S.O. Saúde e ambiente: a água para o consumo humano em assentamentos rurais. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Territorial na América Latina e Caribe). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. São Paulo, 2016.

REIS, L. F.; PRADO, M.F.; NUNES, C. C. Análise do sistema de tratamento de água para consumo humano utilizado no IFTM - Campus Uberlândia. Resumos do VIII Seminário de Iniciação Científica e Inovação Tecnológica do IFTM, 2018. Disponível em: https://iftm.edu.br/sin/2019/pesquisa.html. Acesso em: 27 abr. 2023.

REZENDE, T.G. V. et al. Avaliação da qualidade da água dos poços utilizados para abastecimento do IFTM - Campus Uberlândia. Resumos do X Seminário de Iniciação Científica e Inovação Tecnológica do IFTM, 2020. Disponível em: https://iftm.edu.br/sin/2020/pesquisa.html. Acesso em: 27 abr. 2023.

RICHTER, C.A. Água: métodos e tecnologia de tratamento. São Paulo: Blucher, 2009.

SAMPAIO, C. A. P. et al. Análise técnica de água de fontes rurais. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 24, n.2, 2019.

SANTOS, R. S.; MOHR, T. Saúde e qualidade da água: Análises Microbiológicas e Físico-Químicas em Águas Subterrâneas. Revista Contexto & Saúde, v. 13, n. 24/25, jan./jun., jul./dez. 2013.

SOUSA, I. F.; NASCIMENTO, M. F. Avaliação da qualidade da água utilizada para consumo humano no IFTM - Campus Uberlândia. VII Seminário de Iniciação Científica e Inovação Tecnológica do IFTM, 2018. Disponível em: https://iftm.edu.br/sin/2018/pesquisa.html. Acesso em: 27 abr. 2023.

TAVARES, R.G. et al. Alteração físico-química da água para consumo humano após uso de filtros domésticos. Revista GEAMA – Ciências Ambientais e Biotecnologia, v. 6, n. 1, p. 58-63, 2020. Versão Online. Disponível em: https://www.journals.ufrpe.br/index.php/geama/article/

view/3411/482483410. Acesso em: 27 abr. 2023.

VALIATTI, T. B. et al. Análise microbiológica da água de bebedouros de uma instituição de ensino superior de Rondônia, Brasil. Revista Saúde, Santa Maria, v. 47, n. 1, 2021.

VIANA, M. S.; LEITE, M. V.; SILVA, S. F. da. Qualidade físico-química das águas para abastecimento humano no município de Manhumirim (MG). Revista Científica da Faminas, v. 6, n. 3, p. 42-62, set./dez. 2010.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3.ed. Belo Horizonte: DESA/UFMG, 2005.

Downloads

Publicado

2023-12-07

Como Citar

DE OLIVEIRA JUNIOR, M. A.; DE LIMA SILVA , N. C.; FERREIRA PRADO, M. Qualidade da água consumida em bebedouros no IFTM – campus Uberlândia. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, [S. l.], v. 12, n. 25, p. 3–16, 2023. DOI: 10.22292/mas.v12i25.1115. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistameioambiente/index.php/meioAmbiente/article/view/1115. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo