Gastos públicos em meio ambiente na mesorregião centro oriental paranaense

Autores

  • Fabio Emanuel Farago USP
  • Marcio Henrique Coelho

Resumo

Os governos, as empresas e os cidadãos não zelam devidamente pelo meio ambiente, de modo que as necessidades de oferta impactam negativamente as florestas, os recursos hídricos e o ar. O objetivo deste artigo foi analisar o gasto público em meio ambiente na Mesorregião Centro-Oriental Paranaense, considerando os quocientes per capita para o período de 2002 a 2013. Para tanto, os municípios foram agregados em três microrregiões: de Jaguariaíva, de Ponta Grossa e de Telêmaco Borba. A metodologia se baseou em pesquisa exploratória e estatística descritiva, cujas variáveis foram as despesas totais e três despesas por categorias: agricultura, gestão ambiental e saneamento. As fontes pesquisadas foram o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES), a Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), além dos balanços gerais das quatorze prefeituras. Os resultados demonstraram que os gastos em meio ambiente per capita da Mesorregião atingiram o valor médio de R$ 59,16, inferior ao observado para o Paraná, que totalizou R$ 70,53. O município de Telêmaco Borba apresentou o menor valor médio, com R$ 20,69, enquanto o maior valor foi de Jaguariaíva, com R$ 117,79. A economia mais dinâmica da região, o município de Ponta Grossa, acusou o segundo pior resultado no gasto público em meio ambiente, com destinação de R$ 24,92 per capita. Apenas os municípios de Jaguariaíva, Palmeira e Carambeí alcançaram gastos acima da média do estado, com R$ 117,79, R$ 92,02 e R$ 91,53, respectivamente.

Palavras-chave: finanças municipais; finanças públicas; gestão ambiental; recursos naturais; externalidades.

Abstract

Governments, businesses and citizens do not take proper care of the environment, so supply needs negatively impact forests, water resources and air. The aim of this article was to analyze government spending on the environment in the Central Eastern Paranaense Mesoregion, considering the per capita ratios from 2002 to 2013. For this purpose, the municipalities were grouped into three microregions: Jaguariaíva, Ponta Grossa and Telêmaco Borba. The methodology was based on the exploratory research with use of descriptive statistics, having as variables the total expenditure and expenditure by three categories: agricultural, environmental and sanitation management. The sources studied were the Parana Institute of Economic and Social Development (IPARDES), the National Treasury Secretariat (STN), the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) and the general balance of the 14 municipalities. The results showed that the per capita spending on environment of the Region reached the average value of R$ 59,16, lower than observed for the Paraná that totaled R$ 70,53. The municipality of Telêmaco Borba presented the lowest average value with R$ 20,69 and the municipality of Jaguariaíva the largest with R$ 117,79. The most dynamic economy in the region, the municipality of Ponta Grossa, accused the second-worst result in the public spending on the environment, with R$ 24.92 per capita disposal. Only the municipalities of Jaguariaíva, Palmeira and Carambeí achieved above-average expenses of the State, with R$ 117,79, R$ 92,02 and R$ 91,53, respectively.

Keywords: municipal finance; public finances; environmental management; natural resources; externalities.

Resumen

Los gobiernos, las empresas y los ciudadanos no cuidan adecuadamente el medioambiente, por lo que las necesidades de abastecimiento afectan negativamente los bosques, los recursos hídricos y el aire. El objetivo de este artículo fue analizar el gasto público en medioambiente en la Mesorregión Centro-Oriental de Paraná, considerando los índices per cápita para el período de 2002 a 2013. Para ello, los municipios fueron agrupados en tres microrregiones: Jaguariaíva, Ponta Grossa y Telêmaco Borba. La metodología se basó en una investigación exploratoria y estadística descriptiva, cuyas variables fueron los gastos totales y tres gastos por categoría: agricultura, gestión ambiental y saneamiento. Las fuentes investigadas fueron el Instituto Paranaense de Desarrollo Económico y Social (IPARDES), la Secretaría del Tesoro Nacional (STN), el Instituto Brasileño de Geografía y Estadística (IBGE), además de los balances generales de catorce alcaldías. Los resultados mostraron que el gasto per cápita en medioambiente en la Mesorregión alcanzó un valor medio de R$ 59,16, inferior al observado para Paraná, que totalizó R$ 70,53. El municipio de Telêmaco Borba presentó el valor medio más bajo, con R$ 20,69, mientras que Jaguariaíva presentó el más alto, con R$ 117,79. La economía más dinámica de la región, el municipio de Ponta Grossa, tuvo el segundo peor resultado en el gasto público en medioambiente, con asignación de R$ 24,92 per cápita. Solo los municipios de Jaguariaíva, Palmeira y Carambeí alcanzaron gastos superiores a la media del estado, con R$ 117,79, R$ 92,02 y R$ 91,53, respectivamente.

Palabras-clave: finanzas municipales; finanzas públicas; gestión ambiental; recursos naturales; externalidades.

Referências

ARIF, Ankasha et al. The role of globalization in financial development, trade openness and sustainable environmental-economic growth: evidence from selected South Asian economies. Journal of Sustainable Finance & Investment, [s. l.], v. 12, n. 4, p. 1027-1044, 2022.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE ARAPOTI. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.arapoti.pr.gov.br. Acesso em: 15 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE CARAMBEÍ. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.carambei.pr.gov.br. Acesso em: 16 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE CASTRO. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.castro.pr.gov.br. Acesso em: 16 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE IMBAÚ. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.Imbau.pr.gov.br. Acesso em: 17 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE JAGUARIAÍVA. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.jaguariaiva.pr.gov.br. Acesso em: 15 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE ORTIGUEIRA. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.ortigueira.pr.gov.br. Acesso em: 17 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE PALMEIRA. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.palmeira.pr.gov.br. Acesso em: 16 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE PIRAÍ DO SUL. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.piraidosul.pr.gov.br. Acesso em: 15 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE PONTA GROSSA. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.pontagrossa.pr.gov.br. Acesso em: 16 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE TELÊMACO BORBA. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.Telemacoborba.pr.gov.br. Acesso em: 17 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE TIBAGI. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.tibagi.pr.gov.br. Acesso em: 17 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE RESERVA. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.reserva.pr.gov.br. Acesso em: 17 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE SENGÉS. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.senges.pr.gov.br. Acesso em: 15 mar. 2016.

BALANÇO GERAL DA PREFEITURA DE VENTANIA. Exercícios 2002 a 2013. Disponível em: www.ventania.pr.gov.br. Acesso em: 17 mar. 2016.

CAGLAR, Abdullah Emre; YAVUZ, Ersin. The role of environmental protection expenditures and renewable energy consumption in the context of ecological challenges: Insights from the European Union with the novel panel econometric approach. Journal of Environmental Management, [s. l.], v. 331, p. 117317, 2023.

CARNEIRO, Pedro Erik Arruda. Modelo de Mudanças Climáticas com Gastos Públicos. Revista Contexto Internacional, Rio de Janeiro, v. 30, n. 1, p. 49-88, 2008.

COELHO, Marcio Henrique et al. Evolução Fiscal dos Municípios da Região dos Campos Gerais, após a Lei de Responsabilidade Fiscal. Revista ADMpg Gestão Estratégica, Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 129-137, 2015.

COELHO, Marcio Henrique et al. Resultado Fiscal dos Municípios da Mesorregião Centro Oriental Paranaense. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 4, n. 2, p. 173-185, 2014.

DUMA, Nathan; NILSSON, Isabelle. Local factors driving the adoption of municipal voluntary environmental programs: the case of Sweden’s eco-municipalities. Journal of Environmental Planning and Management, [s. l.], p. 1-24, 2023.

FARAGO, Fabio Emanuel; COELHO, Marcio Henrique. Gastos Públicos em Meio Ambiente: uma análise da microrregião de Curitiba. Organizações e Sustentabilidade, Londrina, v. 6, n. 1, p. 62-77, 2018.

GREMAUD, Amaury Patrick et al. Manual de Introdução à Economia. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Informações sobre os municípios brasileiros. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php. Acesso em: 30 abr. 2016.

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (IPARDES). Base de dados do Estado. Disponível em: http://www.ipardes.pr.gov.br/imp/index.php. Acesso em: 30 abr. 2016.

KIM, Kwangsu. New light on Adam Smith’s view of taxation via the concept of equity. The European Journal of the History of Economic Thought, [s. l.], p. 1-24, 2023.

LIMA, Edilberto Carlos Pontes. Curso de finanças públicas: uma abordagem contemporânea. São Paulo: Atlas, 2015.

NOKAM, Vivien Narcisse Wabo; SOH, Syrie Galex. Growth in Public Spending and Economic Activity in Cameroon: Keynes versus Wagner. Sch J Econ Bus Manag, [s. l.], v. 5, p. 107-117, 2023.

OLIVEIRA, Evandro. Economia verde, economia ecológica e economia ambiental: uma revisão. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, Curitiba, v. 13, n. 6, 2017.

OSMAN, Ahmed I. et al. Hydrogen production, storage, utilisation and environmental impacts: a review. Environmental Chemistry Letters, [s. l.], v. 20, p. 1-36, 2022.

RIANI, Flávio. Economia do setor público: uma abordagem introdutória. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

RODRIGUES, Diego de Freitas. Dinâmica Institucional, Políticas Públicas e o Desempenho Político Ambiental Brasileiro. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 2, n. 2, p. 149-164, 2011.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL (STN) Prefeituras e Governos Estaduais. Disponível em: < http://www.tesouro.fazenda.gov.br/prefeituras> Acesso em: 30 abr 2016.

SILVA, Tayso; PEREIRA, Maurício Fernandes; COSTA, Alexandre Marino. Desenvolvimento e Sustentabilidade na América Latina: Velha História, Novos Caminhos. Revista Ibero Americana de Estratégia, São Paulo, v. 13, n. 2, abr./jun. 2014. p. 117-129. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=331231869009. Acesso em: 30 abr. 2016.

WANG, Peng et al. Analysis and intervention of heatwave related economic loss: Comprehensive insights from supply, demand, and public expenditure into the relationship between the influencing factors. Journal of Environmental Management, [s. l.], v. 326, p. 116654, 2023.

WONNACOTT, Paul; WONNACOTT, Ronald. Economia. 2. ed. São Paulo: Makron Brooks, 1994.

XU, Hanqing et al. Environmental pollution, a hidden culprit for health issues. Eco-Environment & Health, [s. l.], v. 1, n. 1, p. 31-45, 2022.

ZHANG, Chunhong et al. Environmental impact of information and communication technology: Unveiling the role of education in developing countries. Technological Forecasting and Social Change, [s. l.], v. 178, p. 121570, 2022.

Downloads

Publicado

2023-08-03

Como Citar

FARAGO, F. E.; COELHO, M. H. Gastos públicos em meio ambiente na mesorregião centro oriental paranaense. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, [S. l.], v. 12, n. 24, p. 121–137, 2023. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistameioambiente/index.php/meioAmbiente/article/view/1096. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo