Comunicação não violenta para uma liderança mais empática

Autores

  • Mauro Seigi Hashimoto
  • Denis B. Andrade
  • Claudio Aurelio Hernandes
  • Karen Freme Duarte Sturzenegger
  • Marcos Filho Lima Bastos
  • Natália B. Tavares

Resumo

Esta pesquisa evidencia o potencial dos estudos e da prática da Comunicação Não Violenta como uma poderosa estratégia de gestão para a manutenção de uma liderança mais empática nas organizações modernas. Em um cenário mundial de aprimoramento da maneira de gerir os negócios, em que padrões antigos de gestão são constantemente questionados, os estudos sobre Comunicação Não Violenta se mostram uma possível resposta para minimizar as práticas de violência, por meio da comunicação, no ambiente de trabalho. Em um escopo inicial, a pesquisa voltou-se para a compreensão dos conceitos de comunicação, violência, liderança e empatia. A comunicação baseia-se nas habilidades de linguagem humanas. Sendo assim, a comunicação é análoga aos conhecimentos antigos sobre os relacionamentos interpessoais e o desenvolvimento das sociedades.

Palavras-chave: comunicação não violenta; liderança empática; estratégia de gestão.

Abstract

This research highlights Nonviolent Communication studies and practice potential as a powerful management strategy for maintaining a more empathetic leadership in modern organizations. In a world of improvement in the way business is managed, in which old management ways are constantly questioned, Nonviolent Communication studies show a feasible answer to mitigate violent practices in the workplace. At the start, this research focused on understanding the concepts of communication, violence, leadership, and empathy. Communication is based on human language skills. Thus, communication is analogous to ancient knowledge about interpersonal relationships and the development of societies.

Keywords: nonviolent communication; empathic leadership; management strategy.

Resumen

Esta investigación destaca el potencial de los estudios y la aplicación de la Comunicación No Violenta como poderosa estrategia de gestión para mantener un liderazgo más empático en las organizaciones modernas. En un escenario mundial de mejora en la gestión de negocios, en el que los viejos estándares son constantemente cuestionados, los estudios sobre Comunicación No Violenta son una posible alternativa para minimizar las prácticas violentas, a través de la comunicación, en el ámbito laboral. En un acercamiento inicial, la investigación se centró en comprender los conceptos de comunicación, violencia, liderazgo y empatía. La comunicación se basa en las habilidades del lenguaje humano. Así, la comunicación es análoga al antiguo conocimiento sobre las relaciones interpersonales y el desarrollo de las sociedades.

Palabras-clave: comunicación no violenta; liderazgo empático; estrategia de gestión.

Biografia do Autor

Mauro Seigi Hashimoto

Mestre em Bioética. PUC-PR.

Denis B. Andrade

Bacharel em Psicologia. PUC-PR.

Claudio Aurelio Hernandes

Doutor em Administração. Universidade Positivo. 

Karen Freme Duarte Sturzenegger

Doutora em Teologia. PUC-PR.

Marcos Filho Lima Bastos

Mestrando em Administração. UFERSA. 

Natália B. Tavares

Bacharel em Administração. UNINTER. E-mail: 

Referências

ARENDT, H. A Condição Humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

ASHTON, T. S. HUDSON, P. The Industrial Revolution, 1760-1830. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 1998.

ÁVILA, Lincoln D’. A aristocracia inglesa do início da modernidade e a dissolução da nobreza feudal. Revista TEL, Irati, v. 8, n. 2, p. 295-317, jul./dez. 2017.

BRITO, Leandro Ribeiro. A violência nos séculos XI e XII: uma análise a partir da contemporaneidade. Revista Faces de Clio, Juiz de Fora, v. 7, n. 13, jan./ jul, 2021.

CHAMBERLIN, E. R. The awakening giant: Britain in the industrial Revolution. 1. ed. Batsford: Sapere Books, 1976.

CHIAVENATO, I. Treinamento e desenvolvimento de recursos humanos: como incrementar talentos na empresa. 1. ed. São Paulo: Editora Manole, 2009.

COMUNICAÇÃO não violenta nas empresas: o que é CNV e como ela potencializa a inclusão no trabalho. 2021. Blendedu. Cultura Organizacional. Disponível em: https://www.blend-edu.com/comunicacao-nao-violenta-nas-empresas-o-que-e-cnv-e-como-ela-potencializa-a-inclusao-no-trabalho/. Acesso em: 08 nov. 2022.

COSTA, L. M. S. S. A Influência do Poder na Gestão Estratégica de Pessoas. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO TECNOLÓGICA (SEGET), 9., 2012. Anais [...]. Resende: SEGET, 2012. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos12/46716516.pdf. Acesso em: 17 out. 2022.

COSTA, R. A violência da cavalaria medieval e o processo civilizador dos oratores. Revista de História (UFES), Vitória, v. 13, n. 1, p. 174-186, 2001.

CRISTOFOLETTI, R. Não confunda pressão com opressão no trabalho. LinkedIn, 22 abr. 2019. Disponível em: https://www.linkedin.com/pulse/n%C3%A3o-confunda-press%C3%A3o-com-opress%C3%A3o-trabalho-rafael-cristofoletti. Acesso em: 31 out. 2022.

COELHO, Beatriz. Saiba como aplicar o método histórico na sua pesquisa. Mettzer, [S. l.], 13 abr. 2022. Disponível em: https://blog.mettzer.com/metodo-historico/. Acesso em: 14 jun. 2023.

COSTA, Ricardo da. A violência da cavalaria medieval e o processo civilizador dos oratores.

Revista de História (UFES), Vitória, v. 13, p. 174-186, 2001.

DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. 1. ed. São Paulo: Editora Boitempo, 2008.

FORTUNA, C. M. et al. O trabalho de equipe no Programa de Saúde da Família: reflexões a partir de conceitos do processo grupal e de grupos operativos. Rev. Latinoam. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, p. 262-268, 2005.

GARNER, H. C. Empatia: habilidade de um verdadeiro líder. Military Review, [S. l.], v. 2, p. 40-49, 2010.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HUNTER, J. C.; MAGALHÃES, M. C. F. O monge e o executivo. 1. ed. Rio de janeiro: Sextante, 2004.

MARTINS, O. G. Condições de Vida e de Trabalho na Inglaterra da Revolução Industrial. 2008. Dissertação (Mestrado em estudos ingleses) — Programa de Pós-Graduação em Língua Inglesa, Universidade Aberta, Lisboa, 2008.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política ao processo de produção do capital. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

MEDEIROS, B.; SAYEG, R. O teletrabalho sob a ótica da quarta revolução industrial no âmbito da economia de mercado à luz do capitalismo humanista. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, v. 87, n. 4, p. 72-96, 2021.

MENEZES, Edilson Alves Júnior. O estado feudal e as relações de poder senhorio- campesinato no reino da França (1180-1226). 2019. Dissertação (Mestrado em História Social) — Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

PASCHOALIN, M. A. Gramática: teoria e exercícios. 1. ed. São Paulo: FTD, 1996.

PEREIRA, L. S. A quarta revolução industrial e as possíveis consequências no mundo do trabalho. 2019. TCC (Bacharelado em Ciências Econômicos) — Unisul Virtual, Palhoça, 2019.

OLIVEIRA, T. Educação Feudal entre os séculos X e XIII no Ocidente: o surgimento de dois ideais de homem o cortês e o burguês. In: XI SEMANA DE PEDAGOGIA: formação de professores para o século XXI, 2003, Maringá. Anais [...] Maringá: Eduem, 2003. p. 1-6.

RIBEIRO, A. F. Taylorismo, Fordismo e Toyotismo. Lutas Sociais, São Paulo, v. 19, n. 35, p. 65-79, 2015.

ROSENBERG, M. B. Comunicação não-violenta: técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais. São Paulo: Ágora, 2006.

ROTH, M. A origem do capitalismo: a Revolução Industrial na Inglaterra. 1. ed. Lisboa: Avante!, 2011.

STÜPP, S. Hierarquia não precisa significar opressão: liderança consciente em tempos de home office. Mundo RH, 20 ago. 2019. Disponível em: https://www.mundorh.com.br/hierarquia-nao-precisa-significar-opressao-lideranca-consciente-em-tempos-de-home-office/. Acesso em: 23 jun. 2023.

TABOADA, C. R. O. Um ativismo (quase) esquecido: o movimento sufragista e seu impacto na política externa britânica (1914-1918). 2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Relações Internacionais) — Unisinos, Porto Alegre, 2021.

COLLABORATION Statistics that Show the Power of Teamwork. BIT.AI. 2019. Collaboration. Blog. Disponível em: https://blog.bit.ai/collaboration-statistics/. Acesso em: 08 nov. 2022.

Downloads

Publicado

2023-06-28

Como Citar

SEIGI HASHIMOTO, M.; ANDRADE, D. B.; AURELIO HERNANDES, C.; FREME DUARTE STURZENEGGER, K.; FILHO LIMA BASTOS, M.; TAVARES, N. B. Comunicação não violenta para uma liderança mais empática. Revista Organização Sistêmica, [S. l.], v. 11, n. 20, p. 18–33, 2023. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistaorganizacaosistemica/index.php/organizacaoSistemica/article/view/525. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)