Sofrer ou não sofrer, eis a questão: estratégias defensivas ao sofrimento no trabalho

Autores

  • Herminda dos Anjos Bulhões Universidade Positivo
  • Liliane Canopf

Resumo

Na contemporaneidade, as relações interpessoais, as novas tecnologias e a situação socioeconômica do país têm imposto constantes exigências de atualização e desenvolvimento ao trabalhador para aumentar sua produtividade. Neste cenário, a saúde física e mental do profissional pode ser comprometida, ocasionando sofrimento e adoecimento ao trabalhador e, para as empresas, aumento de absenteísmo, afastamentos, baixa produtividade, baixo desempenho, disfunções disciplinares e evasão. Assim, este estudo teve como objetivo compreender as estratégias defensivas de enfrentamento ao sofrimento no trabalho, utilizadas por profissionais e empresas de Comércio Exterior da cidade de Curitiba/PR, que, pelo trabalho estressante e exigente, tornam-se um ambiente propenso a adoecimentos. A pesquisa realizada em duas empresas teve como base teórica a Psicodinâmica do Trabalho de Christophe Dejours e mostrou que os profissionais desenvolveram estratégias defensivas individuais e, mesmo que a empresa forneça estruturas físicas e ações para contribuir na diminuição do estresse do ambiente de trabalho, essas estratégias individuais revelaram-se mais eficazes.

Palavras-chave: Sofrimento; Trabalho; Estratégias Defensivas.

Abstract

In the contemporary world, interpersonal relationships, new technologies, and the socioeconomic situation of the country have imposed constant demands for updating and development on workers to increase their productivity. In this scenario, the professional's physical and mental health can be compromised, causing suffering and illness for the worker and, for companies, increased absenteeism, leave, low productivity, low performance, disciplinary dysfunctions, and evasion. This study aimed to understand the defensive strategies for coping with suffering at work, used by professionals and companies in Foreign Trade in the city of Curitiba, Brazil. The research was conducted in two companies and was theoretically based on the Psychodynamics of Work by Christophe Dejours. The results showed that professionals developed individual defensive strategies, even if the company provides physical structures and actions to contribute in reducing the stress of the work environment.

Keywords: Suffering; Work; Defensive Strategies.

Resumen

En la contemporaneidad, las relaciones interpersonales, las nuevas tecnologías y la situación socioeconómica del país han impuesto constantes exigencias de actualización y desarrollo al trabajador para aumentar su productividad. En este panorama, la salud física y mental del profesional puede ser comprometida, ocasionando sufrimiento y padecimiento al trabajador y, para las empresas, aumento de ausentismo, bajas laborales, baja productividad, bajo rendimiento, disfunciones disciplinares y evasión. De ese modo, este estudio tuvo como objetivo comprender las estrategias defensivas de enfrentamiento al sufrimiento en el trabajo, utilizadas por profesionales y empresas de comercio exterior de la ciudad de Curitiba/PR, las cuales, por el trabajo exigente y agotador, se vuelven un ambiente propenso a padecimientos. La investigación realizada en dos empresas tuvo como base teórica la Psicodinámica del Trabajo de Christophe Dejours y mostró que los profesionales desarrollaron estrategias defensivas individuales y, aunque la empresa brinda estructuras físicas y acciones para contribuir en la disminución del estrés del entorno de trabajo, esas estrategias individuales se revelaron más eficaces.

Palabras clave: Sufrimiento; Trabajo; Estrategias Defensivas.

Biografia do Autor

Herminda dos Anjos Bulhões, Universidade Positivo

Doutoranda em Administração pela Universidade Positivo. Mestre em Administração pela UTFPR (2019). Especialista em Gestão da Qualidade em Processos e Produtos pela PUCPR (2017) e em Formação e Gestão em Educação a Distância pela UNIP (2021). Bacharel em Administração pela Universidade Bandeirante de São Paulo (2003) e tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos pela Uninter (2021). Graduanda em Psicologia pela Universidade Positivo. Atualmente é pesquisadora bolsista CAPES e professora universitária.

Liliane Canopf

Pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade do Vale do Itajaí. Doutorado em Administração da Universidade Positivo (2013). mestrado em Gestão de Negócios pela Universidade Estadual de Maringá (2003). Graduação em Administração pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (1995) e em Teologia pela Unicesumar (2013). É professora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. ed. 11. Campinas, SP: Cortez, 2006.

BACKES, A. L. Trabalho e subjetividade: sofrimento psíquico em contexto de mudanças organizacionais. Gestão e Sociedade, Belo Horizonte, v. 6, n. 14, p. 117-138, 2012.

BIANCHI, S. D.; GUALDA, L. C. O comércio exterior brasileiro e a importância do business english. Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia. v. 6, n. 12, p. 11, jul/dez, 2017.

CBO. Classificação Brasileira de Ocupações. MTE, 1, 3ª, 2010.

CODO, W. Por uma psicologia do trabalho: ensaios recolhidos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

OMS. Organização Mundial De Saúde. Saúde mental: nova conccepção, nova esperança. Relatório Mundial da Saúde. Lisboa: Ministério da Saúde, abril de 2002.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007.

DEJOURS, C. Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. (Vol. Paralelo 15). Brasília: Fiocruz, 2004.

DEJOURS, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2010.

DEJOURS, C. Trabalho vivo: Trabalho e emancipação. (Vol. Tomo II). Brasília: Paralelo 15, 2012.

DEJOURS, C., ABDOUCHELI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do Trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. Doenças relacionadas ao trabalho. Manual de procedimentos para os serviços de saúde, 114, série A. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde/Brasil, 2001.

GONZÁLEZ REY, F. L. Subjetividade: teoria, epistemologia e método. Campinas, SP: Alínea, 2017.

HASHIMOTO, H. A. B. S. Sofrer ou não sofrer, eis a questão: estratégias defensivas ao sofrimento no trabalho em comércio exterior. Curitiba: Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2019.

LOURENÇO, C. D.; FERREIRA, P. A.; BRITO, M. J. O significado do trabalho para uma executiva: a dicotomia prazer e sofrimento. Revista Organizações em Contexto. v. 9, n. 17, p. 247-279, jan/jun, 2013.

BRASIL. Ministério do desenvolvimento, indústria, comércio e serviços. 2008. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/portalmdic/sitio/interna/noticia.php?area=5&noticia=8219. Acesso em: 01 mar. 2023

MENDES, A. M. Comportamento defensivo: uma estratégia para suportar o sofrimento no trabalho. Revista de psicologia. v. 13/14, n. 1/2, p. 27-32, 1996.

MENDES, A. M. Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

MENDES, A. M., COSTA, V. P.; BARROS, P. C. Estratégias de enfrentamento do sofrimento psíquico no trabalho bancário. Estudos e Pesquisas em Psicologia. v. 3, n. 1, p. 59-72, 2003.

MORAES, R. D. Estratégias defensivas. In: Mendes, A.; Merlo, A; Vieira, F. (orgs). Curitiba: Juruá, 2013.

NASCIMENTO, M.; DELLAGNELO, E. H. Entre a obrigação e o prazer de criar: uma análise psicodinâmica do prazersofrimento no trabalho artístico. Revista Eletrônica de Administração. v. 24, n. 2, p. 135-166, mai/ago, 2018.

RODRIGUES, P. F.; ÁLVARO, A. L.; RONDINA, R. Sofrimento no trabalho na visão de Dejours. Revista Científica Eletrônica de Psicologia, v. 4, n. 7, p. 1-8, 2006.

TJORA, A. H. Writing small discoveries: an exploration of fresh observers' observations. Qualitative research, v. 6, n. 4, p. 429-451, 2006.

VAZQUEZ-LOPES, J. Comércio exterior brasileiro. São Paulo: Atlas, 2007.

VOLPI, V. Trabalho, subjetividade e participação na sociedade pós-industrial. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. ed. 2. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2023-10-10

Como Citar

DOS ANJOS BULHÕES, H.; CANOPF, L. Sofrer ou não sofrer, eis a questão: estratégias defensivas ao sofrimento no trabalho. Revista Organização Sistêmica, [S. l.], v. 12, n. 21, p. 2–16, 2023. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistaorganizacaosistemica/index.php/organizacaoSistemica/article/view/524. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos