Educação ambiental nas empresas: um olhar para a divulgação digital

  • Felipe Aguiar Lopes Instituto de Ciências Agrárias/Universidade Federal de Uberlândia.
  • Melchior José Tavares Júnior Instituto de Biologia/Universidade Federal de Uberlândia.

Resumo

A sociedade moldou a Revolução Industrial e vice-versa. A ignorância a respeito da finitude dos recursos naturais e dos efeitos negativos da exploração descontrolada provocou graves problemas ambientais. Diante disto, a educação ambiental contribui para redução dos efeitos dessa exploração, o que requer envolvimento de todos, inclusive de empresários. A legislação vigente prevê que empresas promovam Educação Ambiental, e os canais virtuais são o melhor meio atualmente disponível para divulgação. Portanto, o objetivo deste artigo, de caráter documental, é analisar a divulgação de ações de Educação Ambiental nos endereços eletrônicos de empresas de Uberlândia-MG selecionadas para compor a amostra deste estudo. Em apenas 30,6% da amostra houve promoção de ações educativas a público diverso, exceto em espaços formais, como escolas.

Palavras-chave: educação ambiental; empresas; sociedade sustentável.

Abstract

Society shaped the Industrial Revolution and vice versa. Ignorance about natural resources finitude and the negative effects of uncontrolled exploitation has caused serious environmental problems. Therefore, environmental education contributes to reduce the effects of this exploitation, which requires everyone's involvement, including entrepreneurs. The current legislation requires companies to promote Environmental Education, and virtual channels are the best means currently available for dissemination. Therefore, the objective of this article, of a documental nature, is to analyze the disclosure of Environmental Education actions in the electronic addresses of companies in Uberlândia-MG selected to compose the sample of this study. In only 30.6% of the sample there was promotion of educational activities to diverse audiences, except in formal spaces such as schools.

Keywords: Environmental Education; companies; Sustainable Society.

Resumen

La sociedad modeló la Revolución Industrial y vive-versa. La ignorancia sobre la finitud de los recursos naturales y sobre los efectos negativos de la explotación descontrolada ha causado graves problemas ambientales. Frente a eso, la educación ambiental contribuye para la reducción de los efectos de esa explotación, lo que requiere del compromiso de todos, incluso de los empresarios. La legislación vigente prevé que empresas promuevan la Educación Ambiental; los canales virtuales son el mejor medio disponible actualmente para su propagación. Por lo tanto, el objetivo de este artículo, de carácter documental, es analizar la divulgación de acciones de Educación Ambiental en páginas electrónicas de empresas de Uberlância-MG, seleccionadas para componer la muestra de este estudio. En solo 30,6% de la muestra hubo transmisión de acciones educativas a un público diverso, a excepción de espacios formales, como escuelas.

Palabras-clave: educación ambiental; empresas; sociedad sostenible.

Biografia do Autor

Felipe Aguiar Lopes, Instituto de Ciências Agrárias/Universidade Federal de Uberlândia.

Graduando em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Uberlândia/MG.

Melchior José Tavares Júnior, Instituto de Biologia/Universidade Federal de Uberlândia.

Biólogo (UFMG), doutor em Educação (UFU), atuou de 1996 a 2008 como professor de Ciências na Educação Básica. A partir de 2002, passou a atuar também no Ensino Superior. Em 2009, passou a exercer o cargo de professor efetivo no curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Uberlândia/MG, no qual realiza pesquisas sobre os temas: Educação Ambiental e Formação de professores de Ciências e Biologia.

Referências

ALMEIDA, M. S. B. Educação não formal, informal e formal do conhecimento científico nos diferentes espaços de ensino e aprendizagem. In: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PD: produções didático-pedagógicas [on-line]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2014. (Cadernos PDE; v. 3).

BECK, U. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2010.

BRANDÃO, C. A. Triângulo: capital comercial, geopolítica e agroindustrial. 1989. 184 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Regional) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1989.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 6 dez. 2021.

BRASIL. Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política nacional de educação ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 27 abr. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 6 dez. 2021.

CARVALHO, D. W. Sistema constitucional brasileiro de gerenciamento dos riscos ambientais. Rev. de Direito Ambiental, São Paulo, v. 55, p. 52-75, jul.-set. 2009.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4245128/mod_resource/content/3/Nosso%20Futuro%20Comum.pdf. Acesso em: 6 dez. 2021.

CZAPSKI, S. A. Implantação da educação ambiental no Brasil. Brasília: Ministério de Educação e do Desporto, 1998.

DIEGUES, A. C. Sociedades e comunidades sustentáveis. São Paulo: FFLCH; NUPAUB, 2003.

FURTADO, C. Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1980. 161 p.

GARCIA, P. T. Um estudo sobre o envolvimento das empresas privadas de Uberlândia nas questões ambientais. 2007. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais) — Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/13377. Acesso em: 6 dez. 2021.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOHN, M. G. Educação não formal: um novo campo de atuação. Ensaio: aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 6, n. 21, p. 511-526, out/dez. 1998.

GOMES, G. F. Conflito social e welfare state: estado e desenvolvimento social no Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, p. 201-36, mar.-abr. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rap/a/dvHMHgG5NDdvZH6wy54fDDq/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 6 dez. 2021.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental: no consenso um debate? Campinas: Papirus, 2000.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Educação ambiental: as grandes orientações da Conferência de Tbilisi. Brasília: IBAMA, 1996.

LOUREIRO, C. F. et al. (orgs.). A Questão Ambiental no Pensamento Crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007.

REDCLIFT, M. Sustainable Development: exploring the contradictions. London: Routledge, 1987.

SILVA, L. F. Reflexões sobre interdisciplinaridade e educação ambiental crítica. Pesquisa e debate, [s.l.], ed. 11, v. 6, n. 2, p. 1-16, jul.-dez. 2009.

SOUZA, M. V. de; GIGLIO, K. Mídias digitais, redes sociais e educação em rede: experiências na pesquisa e extensão universitária [livro eletrônico]. São Paulo: Blucher, 2015. Disponível em: http://pdf.blucher.com.br.s3-sa-east-1.amazonaws.com/openaccess/midias-digitais/completo.pdf. Acesso em: 6 dez. 2021.

TAVARES JÚNIOR, M. J. Educação Ambiental como disciplina na formação dos biólogos: um estudo de caso na Universidade Federal de Uberlândia. 2012. 206 f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2012.

Publicado
2021-12-17
Como Citar
AGUIAR LOPES, F.; TAVARES JÚNIOR, M. J. Educação ambiental nas empresas: um olhar para a divulgação digital. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 10, n. 21, p. 105-116, 17 dez. 2021.
Seção
Artigo