Efeitos da expansão do agronegócio na agricultura familiar no Mato Grosso: análise multivariada

Autores

Resumo

O artigo a seguir apresenta dados do censo agropecuário do IBGE (2017) para analisar, por meio da técnica de análise dos componentes principais, os efeitos socioeconômicos e produtivos da expansão da modernização na agricultura familiar do Mato Grosso. Os resultados mostraram que a pecuária é a principal atividade da agricultura familiar do estado, enquanto as lavouras temporárias geram os maiores rendimentos econômicos para as famílias. Entretanto, constatou-se baixa adesão a tecnologias, crédito rural insuficiente e assistência técnica escassa. Tal situação resulta em vulnerabilidade socioeconômica das famílias de agricultores devido a índices produtivos e técnicos insatisfatórios, reduzidos à mera subsistência.

Palavras-chave: agronegócio; Mato Grosso; agricultura familiar; análise multivariada; censo agropecuário.

Abstract

The following article presents data from the IBGE agricultural census (2017) to analyze, through the principal component analysis technique, the socioeconomic and productive effects of the expansion of modernization on family farming in Mato Grosso. The results showed that livestock is the main activity of family farming in the state, while temporary crops generate the highest economic income for families. However, there was low adherence to technologies, insufficient rural credit, and scarce technical assistance. This situation results in the socioeconomic vulnerability of farming families due to unsatisfactory productive and technical indexes, which reduce them to mere subsistence.

Keywords: agribusiness; Mato Grosso; family farming; multivariate analysis; agricultural census.

Resumen

El siguiente artículo presenta datos del censo agropecuario del IBGE (2017) para analizar, utilizando la técnica de análisis de componentes principales, los efectos socioeconómicos y productivos de la expansión de la modernización en la agricultura familiar en Mato Grosso. Los hallazgos evidenciaron que la ganadería es la principal actividad de la agricultura familiar en el estado, mientras que los cultivos temporales generan los mayores ingresos económicos para las familias. Sin embargo, hubo baja adherencia a las tecnologías, insuficiente crédito rural y escasa asistencia técnica. Esta situación se traduce en vulnerabilidad socioeconómica de las familias campesinas debido a los insatisfactorios índices productivos y técnicos, reducidos a la mera subsistencia.Palabras-clave: agroindustria; Mato Grosso; agricultura familiar; análisis multivariante; censo agropecuario.

Biografia do Autor

Liana Mendonça Goñi, Universidade Federal de Rondonópolis

Mestranda em Gestão e Tecnologia Ambiental (UFMT). Tecnóloga em Agronegócio pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre em Agroecologia, pela Universidad de Córdoba (Espanha). Especialização em Desenvolvimento Territorial e Agroecologia pela UERGS.

José Adolfo Iriam Sturza, Universidade Federal de Rondonópolis

Graduação em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria (1982). Mestrado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999). Doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005). Pós-Doutorado em Transicão Agroecológica junto ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFGD/Bolsa do PNPD. Atualmente é professor Aposentado na Universidade Federal de Mato Grosso, Campus de Rondonópolis. Docente no Programa de Gestão e Tecnologia Ambiental/UFR. Tem experiência na área de Ciências Ambientais e Geografia, com ênfase nas subáreas da Percepção Ambiental, Agricultura Familiar, Desenvolvimento Rural, Gestão Ambiental. Atua em atividades de pesquisa de assentamentos rurais, com foco na percepção social e transição agroecológica.

Marcos Túlio Dourado Lima, Universidade Federal de Rondonópolis

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso (2017). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia e atualmente é Mestando em Gestão e Tecnologia Ambiental pela Universidade Federal de Rondonópolis.

Referências

ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária, São Paulo, v. 28, n. 1, 1998.

ABREU, C.; OLIVEIRA, A. L. A.; ROBOREDO, D. A agricultura familiar no estado de Mato Grosso: um olhar a partir do Censo Agropecuário 2017. Revista Ciência. Agroambiental, Alta Floresta, v. 19, n. 2, p. 81-92, 2021. DOI https://doi.org/10.30681/rcaa.v19i2.5276

ALBÉ, M. Q. Alguns indicadores de sustentabilidade para os pequenos e médios produtores rurais no município de Jaquirana. Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 3, n. 3, p. 1-14, 2002. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/rcaa/article/view/5276/4465. Acesso em: 2 maio 2022.

ALVES, J.; FIGUEIREDO, A. M. R.; ZAVALA, A. A. (In)Eficiência dos assentamentos rurais em Mato Grosso. Cuiabá: Mato Grosso; Editora Universidade Federal de Mato Grosso, 2012. 186 p.

BRASIL. Lei n.º 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da política nacional da agricultura familiar e empreendimentos familiares rurais. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 25 jul. 2006. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm. Acesso em: 02 maio 2022.

BUAINAIN, A. M.; ALVES, E.; SILVEIRA, J. M.; NAVARRO, Z. O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, DF: Embrapa, 2014. 1182 p.

BUCHADAS, A. et al. Assessing the potential delivery of ecosystem services by farmlands under contrasting management intensities. Ecology and Society, [s. l.], v. 27, n. 1, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.5751/ES-12947-270105. Acesso em: 2 jun. 2022.

CARVALHO, J. L. N. et al. Adequação dos Sistemas de Produção Rumo à Sustentabilidade Ambiental. In: FALEIRO, F. G.; FARIAS-Neto, A. L. (orgs.). Savanas: desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Planaltina: Embrapa Cerrados; Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008.

COELHO, E. F. Sistemas e manejo de irrigação de baixo custo para agricultura familiar. Cruz das Almas, Bahia: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2014.

COELHO, E. F.; SIVA, A. J. P.; SILVA, T. S. M.; PARIZOTTO, I. Sistemas de irrigação em agricultura familiar: eficiência e potencialidade de adoção. In: III INOVAGRI — INTERNATIONAL MEETING, 3., 2015. Anais [...]. Fortaleza: INOVAGRI, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12702/iii.inovagri.2015-a351. Acesso em: 07 jun. 2022.

CURI, P. R.; TERADA, L.; BECKERS, P. J.; ALVES, A. Análise multivariada da disponibilidade Per capita de nutrientes em 44 países. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 27, n. 8, p. 1123-1128, 1992.

DAL-SOGLIO, F. K. Desenvolvimento, agricultura e agroecologia: qual a ligação? In: GUERRA, G. A. D.; WAQUIL, P. D. (orgs.). Desenvolvimento rural sustentável no norte e sul do Brasil. Belém: Paka-Tatu, 2013.

FEARNSIDE, P. M. Controle de desmatamento em Mato Grosso: Um novo modelo para reduzir a velocidade de perda de floresta amazônica. In: FEARNSIDE, P. M. (ed.). Destruição e Conservação da Floresta Amazônica. Manaus: Editora do INPA, 2020. p. 181-198. v. 1.

FERRO, A. S.; VECHI, J. B. Contextualização da agricultura familiar em Mato Grosso. 2ª Oficina de Concertação Estadual de Mato Grosso. Integração Ensino-Pesquisa-Ater-Agricultura Familiar. Embrapa Agrossilvipastoril, Sinop: Mato Grosso, 2014.

GUILHOTO, J. et al. A importância da agricultura familiar no Brasil e em seus estados (Family agriculture’s gdp in Brazil and in it's states). In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS REGIONAIS E URBANOS, 5., 2007. Anais [...]. Recife: ENABER, 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2408072. Acesso em: 07 maio 2022.

GUIZELINI, A. A. M.; ARAGUÃO, L. Campesinato e Agricultura familiar: divergências e convergências para o reconhecimento e fortalecimento da agricultura de base familiar. Sinais, Vitória, v. 23, n. 1, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/sinais/article/view/28030. Acesso em: 15 jun. 2022.

HECK, C. R. A expansão produtiva agropecuária no estado de Mato Grosso e seus impactos fundiários e ambientais a partir dos anos 2000. Informe GEPEC, Toledo, v. 25, n. 2, p. 62-84, 2021. DOI 10.48075/igepec.v25i2.26284.

JUNIOR, A. W. T. Transformação da paisagem: agronegócio e desmatamento no Araguaia Mato-Grossense. Revista Caribeña de Ciencias Sociales, São José dos Pinhais, v. 9, n. 2, 2020. Disponível em: https://www.eumed.net/rev/caribe/2020/02/transformacao-paisagem.pdf. Acesso em: 14 maio 2022.

MAROUELLI, R. P. O desenvolvimento sustentável da agricultura no cerrado brasileiro. 64 f. 2003. Monografia (Especialização Lato Sensu, modalidade MBA, em Gestão Sustentável da Agricultura) — ISEA-FGV/ ECOBUSINESS, Brasília: DF, 2003.

NAVARRO, Z.; PEDROSO, M. T. M. A agricultura familiar no Brasil. É preciso mudar para avançar. In: TEXTOS para discussão, Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, n. 42, 2011.

POERSCHKE, R. P. Análise multivariada de dados socioeconômicos: um retrato da modernização agrícola do Rio Grande do Sul. 126 f. 2007. Monografia de Especialização (Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa) — Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

REGIÃO Centro-Oeste diminui alertas, mas biomas Amazônia e Pantanal crescem em desmatamento. Mapbiomas, [s. l.; s. d.], 2022. Disponível em: https://mapbiomas.org/regiao-centro-oeste-diminui-alertas-mas-biomas-amazonia-e-pantanal-crescem-em-desmatamento. Acesso em: 25 abr. 2022.

RIGHI, C. A. Sistemas Agroflorestais: definição e perspectivas. In: RIGHI, C. A.; BERNARDES, M. S. (eds.). Cadernos da Disciplina Sistemas Agroflorestais. Piracicaba: Os autores, 2015. v. 1. 108 p.

ROMEIRO, A. R. Economia ou economia da sustentabilidade. In: MAY, P. H.; LUSTOSA, M. C.; VINHA, V. (orgs.). Economia do meio Ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2003. p. 1- 29.

SCHNEIDER, S.; WAQUIL, P. D. Caracterização Socioeconômica dos Municípios Gaúchos e Desigualdades Regionais. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, DF, v. 19, n. 3, p. 117-142, 2001. Disponível em: https://www.revistasober.org/article/5d8d286f0e88252f65140c97. Acesso em: 25 abr. 2022.

SCHWENK, L. M. Transformações decorrentes do progresso de expansão da soja em Mato Grosso: algumas reflexões no contexto ambiental, econômico e social. Revista Mato-Grossense de Geografia, Cuiabá, n. 16, p. 61-88, jan./jun. 2013.

SILVA, H. et al. Agropecuária e urbanização: uma análise multivariada para Minas Gerais, 1995-2000. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 39, n. 2, p. 285-305, 2008.

STEGE, A. L.; BACHA, C. J. C. Clusters espaciais de “agriculturalização” no meio rural de alguns estados brasileiros. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, DF, v. 58, n. 3, p. 1-24, 2020. DOI https://doi.org/10.1590/1806-9479.2020.191298

STOFFEL, J. A. A sustentabilidade na agricultura familiar: uma análise multidimensional. Anais — encontro científico de administração, economia e contabilidade, [s. l.], v. 1, n. 1, 2018. Disponível em: https://anaisonline.uems.br/index.php/ecaeco/article/view/3230. Acesso em: 21 abr. 2022.

Downloads

Publicado

2023-08-03

Como Citar

MENDONÇA GOÑI, L.; IRIAM STURZA, J. A.; DOURADO LIMA, M. T. . Efeitos da expansão do agronegócio na agricultura familiar no Mato Grosso: análise multivariada. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, [S. l.], v. 12, n. 24, p. 104–120, 2023. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistameioambiente/index.php/meioAmbiente/article/view/1088. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo