Diagnóstico sobre a eficiência das estações de tratamento de esgoto na região de Cornélio Procópio

  • Aline Yumi Hattori Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • Ana Cláudia Barana Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo realizar o levantamento dos principais parâmetros físico-químicos das Estações de Tratamento de Esgoto (ETE) no município de Cornélio Procópio e região entre os anos de 2015 e 2019. Nota-se que alguns sistemas de tratamento convencionais podem apresentar problemas de funcionamento, seja pela falha no dimensionamento ou por falhas durante a operação da ETE, tendo como consequência a baixa eficiência na remoção de matéria orgânica. A situação se torna mais grave quando o mesmo corpo hídrico, que atua como receptor de efluentes de estações de tratamento de esgoto, é utilizado como manancial de abastecimento público, mesmo estando distante do ponto de lançamento do efluente. Outro fator relevante é a matéria orgânica existente nos esgotos sanitários que, em decorrência da falta de tratamento adequado, pode causar a eutrofização de rios. Dessa forma, torna-se fundamental a realização de um levantamento qualitativo e quantitativo sobre a eficiência das ETEs, com o intuito de verificar o atendimento à legislação ambiental vigente quanto aos padrões de lançamento, bem como para servir como meio de divulgação de informações. Ao comparar os resultados obtidos com as legislações ambientais vigentes, verificou-se que algumas ETEs não atenderam aos padrões de lançamento em termos de DQO (Demanda Química de Oxigênio), DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio) e materiais sedimentáveis em alguns anos específicos. Porém, observou-se uma melhoria nos resultados de tais parâmetros ao longo do tempo, com exceção da ETE Araras onde se verificou um aumento de DBO nos anos de 2018 e 2019. Espera-se que o diagnóstico desenvolvido possa contribuir positivamente para a conscientização da população quanto ao uso racional dos recursos hídricos.

Palavras-chave: recursos hídricos; esgoto sanitário; eficiência de ETEs.

Abstract

This research article aims to survey the main physical-chemical parameters of Sewage Treatment Plants (STP) in Cornélio Procópio city and region between 2015 and 2019. It is noted that some conventional treatment systems may have functional problems, either due to the failure in dimensioning or failures during the operation of the STP, resulting in low efficiency to remove organic matter. The situation becomes more aggravating when the same water body, which acts as an effluent receiver for sewage treatment plants, is used as a public water supply, even though it is distant from the effluent discharge point. Another relevant factor is the organic matter present in sanitary sewage, which, due to the lack of adequate treatment, can cause the eutrophication of rivers. Thus, it is essential to carry out a qualitative and quantitative survey on the efficiency of the STPs, to verify compliance with the current environmental legislation regarding the launch standards, as well as to serve as a means of disseminating information. When comparing the results obtained with the current environmental legislation, it was found that some STPs did not meet the launch standards in terms of COD (chemical oxygen demand), BOD (Biochemical oxygen demand), and sedimentable materials in some specific years. However, the results related to these parameters improved over time, except for STP Araras where there was an increase in BOD in 2018 and 2019. It is hoped that the diagnosis developed can contribute positively to the population's awareness regarding the rational use of water resources.

Keywords: water resources; sanitary sewage; STPs’ efficiency.

Resumen 

El presente trabajo tuvo el objetivo de realizar un análisis de los principales parámetros fisicoquímicos de las Plantas de Tratamiento de Aguas Residuales (PTAR) en el municipio de Cornélio Procópio y región, entre los años de 2015 y 2019. Se percibe que algunos sistemas de tratamiento convencionales pueden presentar problemas de funcionamiento, ya sea por fallas en su dimensionamiento ya sea por fallas durante su operación, lo que trae como consecuencia una baja eficiencia en la remoción de materia orgánica. La situación se vuelve más grave cuando el mismo cuerpo hídrico, que funge como receptor de efluentes de plantas de tratamiento de aguas residuales, es utilizado como manantial de abastecimiento público, aun cuando esté lejos del punto de vertido del efluente. Otro factor relevante es la materia orgánica existente en las aguas residuales que, en consecuencia, de la falta de tratamiento adecuado, puede causar eutrofización de ríos. De esa forma, es fundamental la realización de un diagnóstico cualitativo y cuantitativo de la eficiencia de las PTAR, con la intención de verificar la atención a la legislación ambiental vigente en materia de los parámetros de vertido, así como para servir como medio de divulgación de informaciones. Comparados los resultados obtenidos con lo establecido en las leyes ambientales vigentes, se constató que algunas PTAR no han respetado los valores límites de vertido en términos de DQO (Demanda Química de Oxígeno), DBO (Demanda Bioquímica de Oxígeno) y materiales sedimentables en algunos años específicamente. Sin embargo, se constató una mejora en los resultados de tales índices a lo largo del tiempo, a excepción de la PTAR Araras, en donde se verificó un aumento de DBO en los años 2018 y 2019. Se espera que el diagnóstico desarrollado pueda contribuir positivamente para la concientización de la población sobre el uso racional de los recursos hídricos.

Palabras-clave: recursos hídricos; aguas residuales; eficiencia de las PTAR.

Biografia do Autor

Aline Yumi Hattori, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Formada em Engenharia Ambiental pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Pós graduanda em Engenharia e Gestão Ambiental pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Ana Cláudia Barana, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Formada em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Mestre e Doutora em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Docente do Departamento de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Referências

ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Atlas Esgoto: Despoluição de Bacias Hidrográficas. Brasília: ANA, 2017.

ANA – AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Atlas Esgoto: Atualização da Base de Dados de Estações de Tratamento de Esgoto no Brasil. Brasília: ANA, 2020.

BARRETO, L. V.; BARROS, F. M.; BONOMO, P.; ROCHA, F. A.; AMORIM, J. S. Eutrofização em rios brasileiros. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v. 9, n. 16, p. 2165-2179, 2013.

BRASIL. CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Brasília: CONAMA, 2005.

BRASIL. CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução nº 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Brasília: CONAMA, 2011. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res11/res43011.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

BRASIL. SNIS. SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. Diagnóstico dos serviços de água e esgotos – 2018. Brasília: MDR, 2018.

CHAVES, V. S.; SCHNEIDER, E. H. M.; LIMA, A. S. P.; MENDONÇA, L. C. Desempenho das estações de tratamento do esgoto de Aracaju. Revista DAE, São Paulo, n. 209, v. 66, p. 51-58, 2017.

CHERNICHARO, C. A.L. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias: Reatores anaeróbios. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

CHERNICHARO, C. A. L; RIBEIRO, T. B.; GARCIA, G. B.; LERMONTOV, A.; PLATZER, C. J.; POSSETTI, G. R. C.; ROSSETO, M. A. L. L. R. Panorama do tratamento de esgoto sanitário nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil: tecnologias mais empregadas. Revista DAE, São Paulo, n. 213, v. 66, 2018a.

CHERNICHARO, C. A. L; RIBEIRO, T. B.; PEGORINI, E. S.; POSSETTI, G. R. C., MIKI, M. K.; SOUZA, S. N. Contribuição para o aprimoramento de projeto, construção e operação de reatores UASB aplicados ao tratamento de esgoto sanitário – Parte 1: Tópicos de interesse. Revista DAE, São Paulo, n. 214, v. 66, 2018b.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Características Gerais da População. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br. Acesso em: 10 jul. 2020.

MACHADO, P. J. O.; TORRES, F. T. P. Introdução à hidrogeografia. São Paulo: Cengage Learning, 2013. 178 p.

PARANÁ. IPARDES – INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Caderno estatístico – Município de Assaí. Curitiba: IPARDES, 2020.

PARANÁ. IPARDES – INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Caderno estatístico – Município de Cornélio Procópio. Curitiba: IPARDES, 2020.

PARANÁ. IPARDES – INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Caderno estatístico – Município de Santa Mariana. Curitiba: IPARDES, 2020.

PARANÁ. IPARDES – INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Caderno estatístico – Município de Uraí. Curitiba: IPARDES, 2020.

PARANÁ. ITCG - INSTITUTO DE TERRAS, CARTOGRAFIA E GEOLOGIA DO PARANÁ (ITCG). Disponível em: http://www.geoitcg.pr.gov.br/geoitcg/pages/templates/initial_public.jsf?windowId=31a. Acesso em: 10 jul. 2020.

PARANÁ. ITCG - INSTITUTO DE TERRAS, CARTOGRAFIA E GEOLOGIA DO PARANÁ (ITCG). Relatório de cálculo de área dos municípios do Estado do Paraná – ano 2019. Disponível em: https://www.iat.pr.gov.br/sites/agua-terra/arquivos_restritos/files/documento/2020-07/relatorio_de_calculo_de_area_dos_municipios_do_parana2019.pdf Acesso em: 10 jul. 2020.

PARANÁ. INSTITUTO DAS ÁGUAS DO PARANÁ – Águas Paraná. Plano de Bacia do Rio Tibagi. Curitiba, Cobrape, 2013. Disponível em: http://www.aguasparana.pr.gov.br/pagina-119.html. Acesso em: 25 jul. 2020.

PARANÁ. INSTITUTO DAS ÁGUAS DO PARANÁ – Águas Paraná. Elaboração do Plano das Bacias Cinzas, Itararé, Paranapanema 1 e 2: Unidade Hidrográfica de Gerenciamento de Recursos Hídricos da Bacia do Norte Pioneiro. Volume I e II. Curitiba: IAP/Engecorps, 2015. Disponível em: http://www.aguasparana.pr.gov.br/pagina-274.html. Acesso em: 25 jul. 2020.

PARANÁ. SEMA – Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Resolução nº 021, de 22 de abril de 2009. Dispõe sobre licenciamento ambiental, estabelece condições e padrões ambientais e dá outras providências, para empreendimentos de saneamento. Curitiba: SEMA, 2009. Disponível em: http://www.iap.pr.gov.br/arquivos/File/Legislacao_ambiental/Legislacao_estadual/RESOLUCOES/RESOLUCAO_SEMA_21_2009_LICENCIAMENTO_PADROES_AMBIENTAIS_SANEAMENTO.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

PARANÁ. SEMA – Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Bacias hidrográficas do Paraná – Série Histórica. 2. ed. Curitiba: SEMA. 2013. Disponível em: https://www.paranagua.pr.gov.br/imgbank2/file/meio_ambiente/material-didatico/Revista_Bacias_Hidrograficas_2015.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

SOARES, E. M.; FERREIRA, R. L. Avaliação da qualidade da água e a importância do saneamento básico no Brasil. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, Curitiba, v. 13, n. 6, 2017.

TUNDISI, J. G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. 1. ed. São Carlos: Rima, IIE, 2003. 248 p.

VASCONCELOS, L. H. C.; LUZ C. E. Transformações na paisagem urbana de Cornélio Procópio (1920-2014). Geoingá: Revista do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Maringá – PR, v. 6, n. 2, p. 86-105, 2014.

Publicado
2022-09-16
Como Citar
HATTORI, A. Y.; BARANA, A. C. Diagnóstico sobre a eficiência das estações de tratamento de esgoto na região de Cornélio Procópio. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 11, n. 22, p. 40-55, 16 set. 2022.
Seção
Artigo