Perspectivas em educação e gestão ambiental: a experiência da avaliação dos resíduos sólidos produzidos em cozinhas pedagógicas de uma universidade

Autores

  • Sophia de Castro
  • Mônica Glória Neumann Spinelli Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Andrea Carvalheiro Guerra Matias

Resumo

A problemática da gestão dos resíduos sólidos urbanos é um grande desafio ambiental. A preocupação com a gestão ambiental deve fazer parte do cotidiano das empresas e instituições. Este é um estudo de caráter transversal cujo propósito foi avaliar qualitativa e quantitativamente os resíduos sólidos produzidos nos laboratórios das cozinhas pedagógicas de um centro universitário privado. Os resíduos sólidos foram coletados nas aulas práticas do Curso de Tecnologia em Gastronomia, ao longo de 4 dias, considerando todas as aulas práticas do curso. Os resíduos foram divididos em quatro categorias: resíduos orgânicos pré-preparo, resíduos orgânicos preparados, resíduos de embalagens recicláveis, resíduos de embalagens não recicláveis. Obteve-se como resultado 109,58 kg de resíduos sólidos totais, distribuídos em ordem decrescente em resíduos orgânicos 33%, resíduos de embalagens não recicláveis 32%, resíduos orgânicos preparados 20% e resíduos de embalagens recicláveis 16%. Os dados deste estudo serão utilizados para o planejamento de ações na universidade, voltadas para a redução das perdas no pré-preparo, provisionamento de estrutura para implementação de sistema de compostagem, avaliação de novos fornecedores, e planejamento das compras no intuito de minimizar excedentes de produção. Faz-se relevante e necessário que ações de conscientização e de responsabilidade ambiental sejam implementadas nos conteúdos práticos das instituições de ensino, a fim de evitar desperdícios e formar uma geração de profissionais capazes de lidar com a gestão residual, minimizando os impactos ambientais negativos.

Palavras-chave: educação ambiental; reciclagem; compostagem; sustentabilidade

Abstract

Urban solid waste management is a major environmental challenge. Environmental management concern should be an integral part of daily operations for businesses and institutions. This study is of a cross-sectional nature, aiming to qualitatively and quantitatively evaluate the solid waste generated in the kitchens’ laboratories of a private university center. The solid waste was collected during practical classes of the Gastronomy Technology Course over a span of four days, encompassing all practical classes of the course. The waste was categorized into four groups: pre-preparation organic waste, prepared organic waste, recyclable packaging waste, and non-recyclable packaging waste. The total amount of solid waste obtained as a result was 109.58 kg, distributed in descending order as follows: organic waste 33%, non-recyclable packaging waste 32%, prepared organic waste 20%, and recyclable packaging waste 16%. The data from this study will be used to plan actions within the university aimed at reducing losses during pre-preparation, establishing infrastructure for composting systems, evaluating new suppliers, and planning purchases to minimize production excess. It is relevant and necessary to implement awareness and environmental responsibility actions in practical contents of educational institutions to avoid waste and cultivate a generation of professionals capable of managing residues and minimizing negative environmental impacts. 

Keywords: environmental education; recycling; composting; sustainability.

Resumen

El tema de la gestión de residuos sólidos urbanos es un gran reto ambiental. La preocupación por la gestión ambiental debe formar parte del día a día de empresas e instituciones. El presente es un estudio transversal cuyo propósito fue evaluar cualitativa y cuantitativamente los residuos sólidos producidos en los laboratorios de las cocinas pedagógicas de un centro universitario privado. Los residuos sólidos fueron recolectados en clases prácticas del Curso de Tecnología en Gastronomía, durante 4 días, considerando todas las clases prácticas del curso. Los residuos se dividieron en cuatro categorías: residuos orgánicos de preparación previa, residuos orgánicos preparados, residuos de envases reciclables, residuos de envases no reciclables. Como resultado se obtuvo un total de 109,58 kg de residuos sólidos, distribuidos en orden decreciente en residuos orgánicos 33%, residuos de envases no reciclables 32%, residuos orgánicos preparados 20% y residuos de envases reciclables 16%. Los datos de este estudio serán utilizados en la planificación de acciones en la universidad, encaminadas a la reducción de pérdidas en pre-elaboración, provisión de estructura para la implementación de un sistema de compostaje, evaluación de nuevos proveedores y planificación de compras con el fin de minimizar los excedentes de producción. Es relevante y necesario que se implementen acciones de concientización y responsabilidad ambiental en los contenidos prácticos de las instituciones educativas, con el fin de evitar desperdicios y formar una generación de profesionales capaces de enfrentar la gestión de residuos, minimizando los impactos ambientales negativos.

Palabras-clave: educación ambiental; reciclaje; compostaje; sustentabilidad

Biografia do Autor

Sophia de Castro

Nutricionista egressa do Curso de Nutrição da Unviversidade de São Paulo. E-mail: sophiadecastro7@gmail.com

Mônica Glória Neumann Spinelli, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Professor do Curso de Nutrição do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Presbiteriana Mackenzie. E-mail: monica.spinelli@mackenzie.br

Andrea Carvalheiro Guerra Matias

Professor do Curso de Nutrição do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Presbiteriana Mackenzie. E-mail: andrea.matias@mackenzie.br

Referências

ABREU, E. S; SPINELLI, M. G. N.; SOUZA, P. A. M. Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. 7. ed. São Paulo: Metha, 2019. 124 p.

ABREU, L. O ensino superior tecnológico em gastronomia em São Paulo: um estudo sobre formação, perfil do egresso e áreas de atuação. Rosa dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, Caxias do Sul - RS, v. 7, n. 1, p. 4-19, 2015.

ASSOCIACAO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: 2004. Disponível em: https://www.gedweb.com.br/aplicacao/usuario/asp/resultado_avancado.asp?p=1. Acesso em: 26 mar. 2016.

BRASIL. Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1999.

BRASIL. Decreto nº 4281, de 25 de junho de 2002. Regulamenta a Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2002.

BRASIL. Lei no 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 25 mar. 2016.

CARLESSO, W. M.; RIBEIRO, R.; HOEHNE, L. Tratamento de resíduos a partir de compostagem e vermicompostagem. Destaques Acadêmicos, Lajeado - RS, v. 3, n. 4, 2012.

CHANG, C.; COLUCCI, A. C. A. Tratamento de resíduos orgânicos gerados em aulas práticas de um Curso de Tecnologia em Gastronomia: um olhar para a sustentabilidade. In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 13., MOSTRA DE INICIAÇÃO TECNOLÓGICA, 7., 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2017. Disponível em: http://eventoscopq.mackenzie.br/index.php/jornada/jornada/paper/view/87/85. Acesso em: 20 mar. 2020.

DOMENE, S. Técnica dietética. Teorias e aplicações. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018. 280 p.

DO CARMO, T. V. B.; SAMPAIO, R. A. Aproveitamento de resíduos alimentares do restaurante universitário na produção de adubo orgânico para uso na arborização do Campus. Cadernos de Agroecologia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, 2009.

FARIA, A. M. J. B. Direito ambiental. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2012. p. 124. Disponível em: http://proedu.rnp.br/bitstream/handle/123456789/1374/Direito%20Ambiental%202012.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 6 dez. 2021.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (FAO). Food wastage footprint. Impacts on natural resources. Summary Report. 2013. Disponível em: http://www.fao.org/3/i3347e/i3347e.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

GERALDO, A. P. G; PINTO e SILVA, M. E. M. Indicadores no preparo de alimentos. In: ABREU, E.S; SPINELLI, M. G. N (org.). Seleção e preparo de alimentos: gastronomia e nutrição. São Paulo: Ed. Metha, 2014. p. 61-72.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Educação ambiental: as grandes orientações da Conferência de Tbilisi. Brasília: IBAMA, 1996.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Diagnóstico dos resíduos sólidos urbanos. Relatório de Pesquisa. Brasília: IPEA, 2012. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/121009_relatorio_residuos_solidos_urbanos.pdf. Acesso em: 23 mar. 2016.

LAFUENTE JÚNIOR, A. N. A. Resíduos sólidos em restaurante comercial: um estudo de caso na cidade de Santos/SP. Rev. de Tecnologia Aplicada, Campo Limpo Paulista - SP, v. 6, n. 2, p. 44-61, 2012.

LUSTOSA, M. M. A.; CASAES R. S; SALGADO R. O. M.; BELO, N. M. C. Elaboração de cardápios sob a ótica da Produção Mais Limpa. In: FÓRUM DE NUTRIÇÃO - FOOD SERVICE / GASTRONOMIA, 6., Rio de Janeiro, 2010.

MEC. Resolução n° 2, de 15 de junho de 2012, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília: MEC/CNE/CP, 2012.

PERUCHIN, B. et al. Gestão de resíduos sólidos em restaurante escola. Tecno-Lógica, Santa Cruz do Sul - RS, v. 17, n. 1, p. 13-23, 2013.

POSPISCHEK, V. S; SPINELLI, M. G. N; MATIAS, A. C. G. Avaliação de ações de sustentabilidade ambiental em restaurantes comerciais localizados no município de São Paulo. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 595-611, 2014.

NERY, C. H. C.; CONTO, S. M.; ZARO, M.; PISTORELLO, J.; PEREIRA, G. S. Geração de resíduos sólidos em eventos gastronômicos: o Festiqueijo de Carlos Barbosa, RS. Revista Rosa dos Ventos, Caxias do Sul, v. 5, n. 2, abr./jun. 2013.

RIBEIRO, L. C. S.; FREITAS, L. F. S.; CARVALHO, J.T. A.; OLIVEIRA FILHO, J. D. Aspectos econômicos e ambientais da reciclagem: um estudo exploratório nas cooperativas de catadores de material reciclável do Estado do Rio de Janeiro. Nova Economia, Belo Horizonte - MG, v. 24, n. 1, 191-214, 2014.

ROOS, A.; BECKER, E. L. S. Educação ambiental e sustentabilidade. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria - RS, v. 5, n. 5, p. 857-866, 2012.

SOUZA, A. M.; GOMES, F. F.; BARRETO, R. L. P. Gastronomia e história dos Hotéis-Escola Senac São Paulo – Grande Hotel Campos do Jordão. São Paulo: Editora Senac, 2005.

VANIN, M.; NOVELLO, D. Avaliação do desperdício no pré-preparo de saladas em uma unidade de alimentação e nutrição. Salus, Guarapuava-PR, v. 2, n. 2, p. 51-62, 2009.

Downloads

Publicado

2023-08-03

Como Citar

DE CASTRO, S.; GLÓRIA NEUMANN SPINELLI, M.; CARVALHEIRO GUERRA MATIAS, A. Perspectivas em educação e gestão ambiental: a experiência da avaliação dos resíduos sólidos produzidos em cozinhas pedagógicas de uma universidade . Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, [S. l.], v. 12, n. 24, p. 3–13, 2023. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistameioambiente/index.php/meioAmbiente/article/view/1002. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo