Recepção Clássica e discurso científico em Dark

  • Rafael Guimarães Tavares da Silva
  • Sara Anjos Graduação Letras (UFMG)

Resumo

Dark é uma aclamada série alemã em três temporadas (2017; 2019; 2020), criada pela roteirista Jantje Friese e dirigida por Baran bo Odar, contando com distribuição pela Netflix. Em seu jogo contínuo de suspense, esse intricadíssimo enredo esbanja referências das mais diversas ordens para construir uma narrativa complexa em termos de temporalidade, simbologia e sentido: a mitologia clássica, a tradição religiosa judaico-cristã, o ocultismo medieval e a ciência moderna são algumas das fontes importantes para a compreensão desse universo ficcional. Nosso propósito aqui é sugerir de que modo as referências a elementos clássicos e judaico-cristãos (mesmo quando refratados por autores modernos, como Nietzsche) contribuem para a construção de um sentido da trama em chave mítica e trágica ao longo da maior parte de suas três temporadas. O desenlace da série, contudo, em seu último episódio, parece oferecer uma espécie de contraponto a essa impressão geral e, à luz disso, pretendemos reorientar nossa análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Guimarães Tavares da Silva
Doutorando da área de Literatura: Letras Clássicas na FALE/ UFMG. Mestrado e graduação pela mesma instituição na mesma área. Atualmente cursa ainda a Licenciatura em Letras.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Ed. bilíngue; tradução, introdução e notas de Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2015.

BÍBLIA SAGRADA. Tradução da CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil]. 11ª reedição. São Paulo: Editora Canção Nova, 2011.

DUARTE, Adriane da Silva. Cenas de reconhecimento na poesia grega. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

ELIADE, Mircea. Le mythe de l’éternel retour : Archétypes et répétition. Nouvelle édition revue et augmentée. Paris : Gallimard, 1969.

GUTHRIE, W. K. C. In the Beginning. New York: Cornell University Press, 1957.

HALLIWELL, Stephen. Commentary (Poetics). In: ARISTOTLE. The Poetics. Translation and commentaries by Stephen Halliwell. Chapel Hill: University of North Carolina Press, 1987, p. 69-184.

LEITE, Augusto Bruno de Carvalho Dias. História do passado: da conceitualização tradicional à reconfiguração em Walter Benjamin, Martin Heidegger e Sigmund Freud. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em História, Belo Horizonte, 2017.

LESSING, Gotthold Ephraim. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia. Trad. Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 2011.

MEDEIROS, Constantino Luz de. A invenção da modernidade literária: Friedrich Schlegel e o romantismo alemão. 1. ed. São Paulo: Editora Iluminuras, 2018.

MENEZES, Filipe. “A física da série Dark”. Vídeo do YouTube. Disponibilizado em: <https://youtu.be/HC0WRLJkztM>. Acesso em: 19 out. 2020.

NEWTON, Isaac. Philosophiae Naturalis Principia Mathematica. Cambridge: Harvard University Press, 1972.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

PALADINES PAREDES, Lenin Vladimir. El eterno retorno: análisis de la concepción temporal en la serie Dark de Netflix. Paakat: Revista de Tecnología y Sociedad Año 9, núm. 16, marzo-agosto 2019, p. 3-8. Disponível em: < https://doi.org/10.32870/pk.a9n16.382.>. Acesso em 05 out. 2020.

WINCKELMANN, Johann Joachim. Reflexões sobre a arte antiga. Trad. Herbert Caro e Leonardo Tochtrop. Porto Alegre: Movimento, 1975.

Publicado
2022-05-30
Seção
Artigos