https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/issue/feed Revista UNINTER de Comunicação 2020-12-24T15:14:09+00:00 Guilherme Carvalho guilherme.ca@uninter.com Open Journal Systems <p><span>A Revista Uninter de Comunicação (RUC) visa a publicação de textos resultantes de pesquisa voltados para a área de comunicação. A amplitude do tema permite que esta revista tenha caráter multidisciplinar, buscando a reflexão da teoria e da prática. A revista é publicada semestralmente e está aberta para submissões em fluxo contínuo.</span></p> https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/854 Apresentação 2020-12-24T15:14:09+00:00 Guilherme Carvalho guilhermegdecarvalho@gmail.com Eugênio Vinci euvinci@gmail.com Alexsandro Teixeira Ribeiro alexsandrotribeiro@gmail.com <p>A Revista Uninter de Comunicação manteve sua atuação periódica para trazer ao seu público leitor um conjunto de artigos que trazem resultados de pesquisa com relevância na área de diferentes pesquisadores e de variadas instituições do Brasil. Nesta edição, mais uma vez, prezamos pelo processo avaliativo criterioso com dois pareceristas e com autoria cega. São 11 artigos, que completam 20 produções nesta modalidade no volume 8. Também contamos com uma resenha e a entrevista com uma das grandes personalidades da pesquisa em comunicação no Brasil, a professora Maria Imacollata, realizada por Clóvis Teixeira Filho.</p> 2020-12-24T15:04:51+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/842 Rockstar e controvérsias sobre violência nos videogames 2020-12-24T15:14:09+00:00 Marina Fontolan fontolan_marina@yahoo.com.br Janaína Costa Jpcostaota@unicamp.br Marko Monteiro carambol@unicamp.br Léa Velho velho@ige.unicamp.br <p>O objetivo deste artigo é mapear e analisar como controvérsias sobre a relação entre vídeo games e violência são construídas. Para tal, primeiro é feita uma discussão teórica sobre como imaginários e controvérsias sobre tecnologias se desenvolvem. Depois, por meio de notícias e fóruns de discussão sobre jogos, faz-se um levantamento sobre pessoas e instituições envolvidas em controvérsias criadas por dois jogos publicados pela empresa americana Rockstar. Os estudos de caso sobre Bully e GTA V indicam que, para além da empresa se utilizar desses artifícios para se manter no mercado, a construção da relação entre violência e vídeo games depende, primeiro, da forma como os assuntos são abordados no jogo e, segundo, de como esses assuntos – na época em que os jogos são lançados – são tratados dentro da sociedade.</p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.842 </em></p> <p><em>Recebido em: 23/09/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 24/11/2020</em></p><p> </p> 2020-12-23T19:12:29+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/843 Hora do TikTok: análise exploratória do potencial político da rede no Brasil 2020-12-24T15:14:09+00:00 Nilton Cesar Monastier Kleina nckleina@gmail.com <p>O presente estudo faz uma análise das possibilidades de uso político no Brasil do TikTok, especificando as potencialidades do aplicativo de origem chinesa que mistura rede social com o compartilhamento de vídeos de curta duração. A plataforma ainda é recente e voltada ao entretenimento, mas bastante popular e com potencial para ativismo, campanha eleitoral ou simples manifestação de opinião. Para isso, o estudo realiza uma revisão da literatura já existente sobre a rede social e o seu impacto social. Em um segundo momento, postagens que utilizam a hashtags “política” são analisadas para identificar, de forma inicial e exploratória, os formatos já populares e o tipo de conteúdo veiculado. Como resultado, nota-se que o TikTok ainda é pouco estudado em interface com a Comunicação política, porém a busca sugere que há espaço para conteúdos politizados, inclusive com altos números de visualização e interação. Trechos recortados de outras fontes ainda são o formato predominante, mas é possível que publicações que usam filtros de som e imagem — e já são característicos do aplicativo — sejam mais utilizados com o tempo.</p><p><em>DOI:</em> <em>10.21882/ruc.v8i15.843 </em></p> <p><em>Recebido em: 20/10/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 19/11/2020</em></p><p> </p> 2020-12-23T19:13:08+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/846 Jornal Nacional e modo de endereçamento: a organização temática da edição do telejornal do dia da demissão de Sérgio Moro 2020-12-24T15:14:09+00:00 Michele Negrini mmnegrini@yahoo.com.br Lenise Slawski leniseslawski@hotmail.com <p>O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão sobre como a temática da demissão do Ministro da Justiça, Sergio Moro, foi abordada no Jornal Nacional e como organizou a edição do telejornal de 24 de abril de 2020. A saída de Moro do Ministério da Justiça teve grande repercussão no cenário nacional e foi amplamente discutida no telejornalismo. O estudo será desenvolvido a partir do olhar teórico-metodológico de Modo de Endereçamento, a partir de Gomes (2007).</p><p> </p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.846 </em></p> <p><em>Recebido em: 16/10/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 20/11/2020</em><em> </em></p><p> </p> 2020-12-23T19:13:34+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/855 Enquadramento noticioso no telejornalismo: análise do caso Neymar e a percepção da pessoa com deficiência intelectual 2020-12-24T15:14:09+00:00 Felipe Collar Berni felipecollar@gmail.com Graziela Soares Bianchi grazielabianchi@yahoo.com.br <p>O presente artigo analisa a cobertura jornalística realizada pelo Jornal Nacional sobre a denúncia de estupro feita por Najila Trindade contra o jogador de futebol Neymar Jr. A partir das discussões e debates propostos pelas teorias Agenda-Setting e Enquadramento Noticioso, observou-se as estratégias escolhidas pelo telejornal para cobrir o acontecimento. Por fim, a partir do contato com um grupo de pessoas com deficiência intelectual, examinou-se as impressões desses sujeitos em relação ao caso — através dos seus hábitos de consumo midiático.<strong></strong></p> 2020-12-24T15:12:28+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/844 Donas do castelo: a introdução do empoderamento feminino no comportamento das Princesas Disney e a proposição de um instrumento de análise 2020-12-24T15:14:09+00:00 Júlia Fernanda Backes Lemos juliaflemosb@gmail.com Mauricio Barth mauricio@feevale.br <p>O presente estudo tem como objetivos (1) analisar como, ao longo das décadas, o empoderamento feminino foi introduzido no comportamento das Princesas Disney e, ainda, (2) desenvolver um instrumento de análise do empoderamento feminino presente no cinema, (3) aplicando-o a Princesas Disney previamente selecionadas. Para isso, foram capturados keyframes de filmes, conforme critério de contribuição dos mesmos para com a pesquisa. A análise baseou-se em um instrumento desenvolvido e proposto pelos autores, intitulado <em>Análise de Características Feministas em Personagens Femininos no Cinema</em>, através do qual foi possível explorar o feminismo presente nas narrativas. Ao final do trabalho, as análises detalhadas das narrativas indicam as características feministas presentes nas Princesas Disney e apontam a maneira gradual em que tais características foram incorporadas na personalidade de cada princesa, comprovando a evolução do empoderamento feminino nas personagens através dos anos.</p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.844 </em></p> <p><em>Recebido em: 14/09/2020 </em></p> <em>Aceito em: 26/11/2020</em><p> </p> 2020-12-23T19:14:15+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/837 Comunicação e cidadania negada: violência doméstica e feminicídio durante a pandemia em Mato Grosso 2020-12-24T15:14:09+00:00 Cristóvão Domingos Almeida cristovaoalmeida@gmail.com Eunice Ramos eunice@tvca.com.br <p>O objetivo é compreender de que forma os ajustamentos comunicativos asseguraram a proteção dos direitos da mulher no período da pandemia da Covid-19. Fundamentamos que a comunicação está inserida em nosso cotidiano, nas vivências pessoais e em sociedade, potencializada pela macro-dimensão que ocorre através das ferramentas midiáticas (FRANÇA, 2016). A base metodológica é qualitativa, com seleção dos registros publicados em site de notícias, relacionando-os com os dados oficiais. Evidenciamos que o deslocamento, medo e insegurança ao sair de casa contribuíram com a redução de casos de violência contra a mulher porque diminuíram os registros, entretanto, o isolamento social, maior convívio com o agressor contribuiu para aumentar os índices oficias de feminicídio no estado de Mato Grosso.</p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.837 </em></p> <p><em>Recebido em: 02/09/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 29/11/2020</em><em> </em></p><p> </p> 2020-12-23T19:14:30+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/838 Agências de propaganda em Santa Maria/RS: estruturação, criatividade e inovação 2020-12-24T15:14:09+00:00 Priscilla Inês Pellenz Eich priscillapellenz@gmail.com Renata Patricia Corrêa Coutinho renatacorreacoutinho@gmail.com <p>O mercado de trabalho, cada vez mais, está suscetível a mudanças de cargos, empregos e funções, que são decorrentes de atualizações estruturais ou tecnológicas. A competitividade é resultado da capacidade que as empresas têm de contribuir com processos e produtos inovadores, que garantam consumos necessários à sociedade. Próximo a essa realidade, as agências de publicidade precisam ter uma construção organizacional estratégica, definindo cargos e funções que estejam de acordo com as principais necessidades do mercado publicitário. Por meio da utilização das metodologias pesquisa de campo exploratória e questionários (MARCONI; LAKATOS, 2003), o objetivo deste artigo é apresentar o modo de trabalho das agências de propaganda de Santa Maria/RS, através de conexões entre seus processos estruturais e criativos com a economia criativa e a inovação.</p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.838 </em></p> <p><em>Recebido em: 13/09/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 29/10/2020</em><em> </em></p><p> </p> 2020-12-23T19:14:46+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/845 O potencial de experiência aurática em fotografias em preto e branco 2020-12-24T15:14:09+00:00 Marcia Boroski boroskimarcia@gmail.com <p>Este artigo tem como objetivo discutir a partir de quais formas a fotografia em preto e branco (p&amp;b) tem o potencial de proporcionar experiência aurática e, para tanto, fazemos uma discussão teórica sobre os conceitos de fotografia em p&amp;b (FLUSSER, 2018; AUGUSTO; TOUTAIN, 2016; HEDGECOE, 2013), experiência estética (CAETANO, 2013; SANTOS, 2010), efeitos de sentido e de presença (GUMBRECHT, 2010) e experiência aurática (BENJAMIN, 1994, 2014; DIDI-HUBERMAN, 2010), além de propor uma aplicação do debate teórico em fotografias em p&amp;b finalistas do prêmio <em>World Press Photo, </em>as quais consideramos representativas do potencial de experiência aurática. Como resultados, percebemos que a vocação do p&amp;b para expressão do volume e o aprofundamento do espaço contribuem para o seu potencial de experiência aurática.</p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.845 </em></p> <p><em>Recebido em: 15/10/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 23/11/2020</em></p><p> </p> 2020-12-23T19:15:03+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/830 Reflexões sobre mídia, público e manipulação 2020-12-24T15:14:09+00:00 Francisco Fernandes Ladeira ffernandesladeira@yahoo.com.br <p>Este trabalho faz uma reflexão sobre as relações entre mídia e público. Para tanto, são apresentados os pontos de aproximação e contraste entre as hipóteses formuladas para compreender os mecanismos que regem os meios de comunicação de massa. Os primeiros estudos sistemáticos sobre os veículos midiáticos concluíram que os meios de comunicação de massa moldavam e direcionavam as opiniões de seus receptores. Por outro lado, estudos contemporâneos apontam que as relações entre mídia e público vão muito além de uma simples análise behaviorista de estímulo/resposta. As mensagens transmitidas pelos grandes veículos de comunicação não são recebidas automaticamente e da mesma maneira por todos os indivíduos. Sendo assim, na maioria das ocasiões, o discurso midiático perde seu significado original na complexa relação emissor/receptor. Após levantamento bibliográfico e revisão da literatura sobre as principais teorias no campo da comunicação, constatamos que a mídia pode ter intenções manipuladoras, mas caberá à instância da recepção conceder o sentido final a uma determinada mensagem.</p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.830</em></p> <p><em>Recebido em: 13/07/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 02/12/2020</em><em> </em></p><p> </p> 2020-12-23T19:15:16+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/841 De Nietzsche a Paulo Freire: a proposta de alfabetização midiática de Douglas Kellner 2020-12-24T15:14:09+00:00 Otávio Daros otavio.daros@gmail.com <p>Em tentativa de se instalar no campo de educação da mídia, Douglas Kellner esboça a proposta de um estudo cultural crítico que reúne diferentes perspectivas teóricas. O acadêmico norte-americano desenvolve epistemologicamente matriz para interpretar e criticar as produções culturais da mídia. O termo chave é, nesse sentido, multiperspectivismo crítico, inspirado, talvez, na sua leitura da filosofia de Nietzsche. Todavia, também se fazem presentes as ideias encontradas na obra de Paulo Freire, visto o interesse em fazer os estudos ganharem caráter prático e finalidade pedagógica. Kellner apresenta, então, sua proposta de alfabetização midiática.</p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.841 </em></p> <p><em>Recebido em: 14/09/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 26/11/2020</em><em> </em></p><p> </p> 2020-12-23T19:15:34+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/840 Mídia digital. Produção de Jornal Eletrônico Escolar 2020-12-24T15:14:09+00:00 Patrícia Beraldo pberaldo4@gmail.com <span id="docs-internal-guid-d2da02f4-7fff-3ad6-45ab-6df30658a039"><p dir="ltr"><span>Neste artigo apresento a educação em duas áreas: tecnologia e comunicação. A tecnologia na educação é compreendida como uma ferramenta para auxiliar o processo de ensino e aprendizagem, mas é muito importante que o professor busque formação para qualificar melhor o seu trabalho. Na área da comunicação é entendida como uma necessidade do ser humano. Ambas áreas podem ser entendidas e utilizadas tanto para promover a libertação como para promover uma influência. Os recursos tecnológicos e as mídias digitais utilizadas na área da educação contribuem para enriquecer o processo ensino/aprendizagem possibilitando novas aprendizagens em todas as áreas do conhecimento. Para a escrita deste artigo foram utilizados os autores Levy (1999), Castells (1999), Williams (1962), Freire (1987), Libâneo (2004) entre outros. Este trabalho tem por objetivo apresentar a proposta do projeto Jornal Eletrônico Escolar Jornal Extra, Extra da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, que é desenvolvido por professores da rede de ensino, através de práticas pedagógicas, apresentando alguns pontos positivos que promovem o protagonismo dos estudantes, por meio do uso do jornal eletrônico. Além do projeto realizar a integração de recursos tecnológicos e mídias digitais à sala de aula, apresentamos alguns textos com o intuito de fazer a relação entre o conhecimento apresentado pelas mídias com o cotidiano do estudante que é mediado pela escola e família. a utilização desse meio de comunicação motiva os alunos a produzirem e registrarem suas opiniões, ideias e suas pesquisas sobre temas do seu interesse e de conteúdos escolares.</span></p><div><span><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.840 </em></p> <p><em>Recebido em: 13/09/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 23/11/2020</em><em></em></p><br /></span></div></span> 2020-12-23T22:31:36+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/850 Um futuro construído no passado: a necessária imersão na história para formação da memória da Ciência do Jornal 2020-12-24T15:14:09+00:00 Alexsandro Teixeira Ribeiro alexsandrotribeiro@gmail.com <p><em> Resenha do livro:RÜDIGER, Francisco. Origens do pensa-mento acadêmico em jornalismo: Alema-nha, União Soviética e Japão. Florianópolis: Insular, 2017.</em></p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.850 </em></p> <p><em> Recebido em: 21/11/2020 </em></p> <p><em> Aceito em: 21/11/20</em></p> 2020-12-23T19:15:50+00:00 Copyright (c) https://www.revistasuninter.com/revistacomunicacao/index.php/revista/article/view/848 Maria Immacolata Vassallo de Lopes: os sentidos do popular 2020-12-24T15:14:09+00:00 Clóvis Teixeira Filho clovistf@usp.br <p>Nesta entrevista, a autora faz um breve percurso a partir de sua formação e suas vivências, passando pelos temas relacionados à pesquisa em Comunicação e finaliza com os estudos sobre telenovela. Ainda que o roteiro pareça conhecido para quem acompanha a sua obra, emergem temas transversais como a tecnicidade, as mudanças do consumo midiático e da recepção e até sugestões para futuras pesquisas. Um relato propositivo e instigante aos pesquisadores da Comunicação.</p><p> </p><p><em>DOI: 10.21882/ruc.v8i15.848 </em></p> <p><em>Recebido em: 30/10/2020 </em></p> <p><em>Aceito em: 30/10/2020</em><em> </em></p> 2020-12-23T19:16:06+00:00 Copyright (c)