Frequência de atipias celulares em mulheres de até 29 anos que realizam o exame citopatológico cervicovaginal no Rio Grande do Sul

  • Georgia Muccillo Dexheimer Universidade do Vale do Taquari - Univates
  • Bruna Daniel Universidade do Vale do Taquari - Univates

Resumo

O câncer do colo do útero (CCU) é o segundo tumor mais comum entre mulheres no Brasil. O Papilomavirus Humano (HPV), transmitido sexualmente, está associado a 98% dos casos dessa neoplasia. O exame citopatológico cervicovaginal é um teste de rastreamento de atipias celulares que detecta células neoplásicas no esfregaço vaginal. Como prioridade, o Ministério da Saúde preconiza exame de rastreamento do câncer de colo do útero em mulheres entre 25 e 64 anos. Portanto, o objetivo deste trabalho é avaliar a frequência de atipias celulares do colo do útero em mulheres de até 29 anos que realizaram o exame no Rio Grande do Sul. Descrevem-se dados disponíveis no site Datasus, através da base de dados do SISCOLO, em 2012 e 2013. Obtiveram-se resultados de atipias celulares encontradas a partir dos 11 anos, que totalizaram  603.681 e 557.270 de exames em 2012 e 2013, respectivamente. O maior percentual de alterações encontradas foi em 2013, na faixa etária entre 12 e 14, em que se observaram 25 exames alterados (LSIL), entre o total de 1.370 exames, ou 1,8% destes. Isto posto, este estudo reforça a importância do exame citopatológico cervicovaginal desde o início da vida sexual.

Palavras-chave: atipias celulares; exame citopatológico cervicovaginal; câncer do colo do útero.

Abstract

Cervical cancer (CCU) is the second most common tumor among women in Brazil. The sexually transmitted Human Papillomavirus (HPV) is associated with 98% of this neoplasm cases. The cervicovaginal cytopathological exam is a screening test for cellular atypia that detects neoplastic cells in the vaginal smear. As a priority, the Ministry of Health recommends cervical cancer screening test for women between 25 and 64 years old. Therefore, this study aims to evaluate the cervical’s cell atypia frequency in women up to 29 years who underwent the exam in Rio Grande do Sul. We describe data available on the Datasus website, through the SISCOLO database, in 2012 and 2013. Cellular atypia results found from 11 years old were obtained, which totaled 603,681 and 557,270 of exams in 2012 and 2013, respectively. The highest percentage of alterations found was in 2013, in the age group between 12 and 14, in which 25 altered exams (LSIL) were observed, totaling 1,370 exams performed, or 1.8% of these. That said, this study reinforces the cervicovaginal cytopathological examination importance from the sexual life beginning.

Keywords: cellular atypia; cervicovaginal cytopathological exam; cervical cancer.

Resumen

El cáncer del cuello del útero (CCU) es el segundo tumor más común entre mujeres en Brasil. El virus del papiloma humano (VPH), trasmitido sexualmente, está asociado a 98% de los casos de esa neoplasia. El examen citopatológico cervicovaginal es una prueba de detección de atipias celulares, que identifica células neoplásicas en el raspado vaginal. Como prioridad, el Ministerio de la Salud recomienda examen de detección de cáncer del cuello uterino en mujeres entre 25 a 64 años. Por lo tanto, el objetivo de este trabajo es evaluar la frecuencia de atipias celulares del cuello uterino en mujeres de hasta 29 años, que realizaron el examen en Rio Grande do Sul. Se describen los datos disponibles en la web Datasus, por medio de la base de datos del SISCOLO, en 2012 y 2013. Se encontraron resultados de atipias celulares, a partir de los 11 años, en 603.681 y 557.270 de los exámenes de 2012 y 2013. El porcentual más grande de alteraciones encontradas se dio en 2013, en el rango de edad entre 12 y 14 años, cuando se observaron 25 exámenes alterados (LSIL), en un total de 1.370, es decir, en 1,8% de ellos. Frente a eso, este estudio refuerza la importancia del examen citológico cervicovaginal desde el inicio de la vida sexual.

Palabras-clave: atipias celulares; examen citopatológico cervicovaginal; cáncer del cuello del útero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Georgia Muccillo Dexheimer, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Biomédica. Mestrado e Doutorado em Biotecnologia. Área de Citologia Oncótica e Biologia Molecular.

Bruna Daniel, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Graduação em Biomedicina. Universidade do Vale do Taquari – Univates. Lajeado -RS, Brasil.

Referências

AGUILAR, R. P.; SOARES, D. A. Barreiras à realização do exame Papanicolau: perspectivas de usuárias e profissionais da Estratégia de Saúde da Família da cidade de Vitória da Conquista-BA. Physis: Revista de Saúde Coletiva, [s.l.], v. 25, n. 2, p. 359-379, jun. 2015. DOI https://doi.org/10.1590/S0103-73312015000200003

BORSATTO, A. Z.; VIDAL, M. L. B.; ROCHA, R. C. N. P. Vacina contra o HPV e a Prevenção do Câncer do Colo do Útero: Subsídios para a Prática. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 67-74, 24 jan. 2011. DOI https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2011v57n1.690

BRAY, F. et al. Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. Ca: A Cancer Journal for Clinicians, [s.l.], v. 68, n. 6, p. 394-424, 12 set. 2018. DOI 10.3322/caac.21492

BRINGHENTI, M. E. Z. et al. Prevenção do Câncer Cervical: Associação da Citologia Oncótica a Novas Técnicas de Biologia Molecular na Detecção do Papilomavírus Humano (HPV). Dst — J Bras Doenças Sex Transm, Nonoai, v. 3, n. 22, p. 135-140, 17 nov. 2010. Disponível em: http://www.dst.uff.br/revista22-3-2010/Prevencao%20do%20Cancer%20Cervical.pdf . Disponível em: 13 out. 2021.

CASTRO, E. K. et al. Preditores de Autocuidado de Mulheres Sadias frente ao Câncer de Colo de Útero. Psico, Porto Alegre, v. 3, n. 46, p. 331-339, set. 2015. DOI https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.3.18330

GANDRA, S. A. et al. Rastreamento do câncer do colo do útero em Montes Claros, Minas Gerais: análise de dados do SISCOLO no período de 2004 a 2013. Unimontes CientÍfica, Montes Claros, v. 1, n. 19, p. 131-140, jun. 2017. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/1581/1785. Acesso em: 13 out. 2021.

GASPERIN, S. I.; BOING, A. F.; KUPEK, E. Cobertura e fatores associados à realização do exame de detecção do câncer de colo de útero em área urbana no Sul do Brasil: estudo de base populacional. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 7, n. 27, p. 1312-1322, jun. 2011. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-311X2011000700007

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA). Ministério da Saúde. Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do Câncer do Colo do Útero. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Divisão de Apoio à Rede de Atenção Oncológica. Rio de Janeiro: INCA, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/rastreamento_cancer_colo_utero.pdf. Acesso em: 13 out. 2021.

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (INCA). Ministério da Saúde. Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. 2. ed. rev. ampl. atual. Rio de Janeiro: INCA, 2016. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//diretrizesparaorastreamentodocancerdocolodoutero_2016_corrigido.pdf. Acesso em: 13 out. 2021.

LIMBERGER, A. et al. Aspectos imunológicos da infecção pelo vírus do papiloma humano (HPV). Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, [s.l.], v. 33, n. 1, p. 111-122, 30 jul. 2012. DOI http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2012v33n1p111

LUCENA, L. T. et al. Fatores que influenciam a realização do exame preventivo do câncer cérvico-uterino em Porto Velho, Estado de Rondônia, Brasil. Pan-amaz Saude, Porto Velho, v. 2, n. 2, p. 45-50, jan. 2011. DOI http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232011000200007

LUZ, Nara Nyely Noronha et al. Acadêmicos, a percepção sobre o papilomavírus humano e sua relação com o câncer cervical. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, [s.l.], v. 35, n. 2, p. 91-102, 9 mar. 2014. DOI http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2014v35n2p91

PANISSET, K. S. P.; FONSECA, V. L. M. Patologia cervical na gestante adolescente. Adolescência & Saúde, Rio de Janeiro, v. 6, n. 4, p. 33-40, out. 2009. Trimestral. Disponível em: http://adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=7.m Acesso em: 13 out. 2021.

ROSA, M. I. et al. Papilomavírus humano e neoplasia cervical. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 5, p. 953-964, mai. 2009. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000500002

SILVA, M. G. P. et al. Determinantes da detecção de atipias celulares no programa de rastreamento do câncer do colo do útero no Rio de Janeiro, Brasil. Rev Panam Salud Publica, Rio de Janeiro, v. 32, n. 2, p. 107-113, 16 jul. 2013. Disponível em: https://scielosp.org/article/rpsp/2013.v34n2/107-113/. Acesso em: 13 out. 2021.

TSUCHIYA, C. T. et al. O câncer de colo do útero no Brasil: uma retrospectiva sobre as políticas públicas voltadas à saúde da mulher. J Bras Econ Saúde, Rio de Janeiro, v. 1, n. 9, p. 137-147, 11 mar. 2017. Disponível em: https://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/05/833577/doi-1021115_jbesv9n1p137-47.pdf. Acesso em: 13 out. 2021.

Publicado
2021-10-21
Seção
Artigos