Conhecimento populacional sobre doação e transplante de órgãos e tecidos: revisão bibliográfica

  • Nadilânia Oliveira da Silva Universidade Regional do Cariri
  • Maria Lucilândia de Sousa Universidade Regional do Cariri
  • João Cruz Neto Universidade Regional do Cariri
  • Carla Andréa Silva Souza
  • Héryka Laura Calú Alves
  • Grayce Alencar Albuquerque Universidade Regional do Cariri

Resumo

O transplante de órgãos é opção terapêutica para pacientes com insuficiência funcional terminal de um órgão ou tecido vital. Contudo, a ignorância de familiares de potenciais doadores a respeito do procedimento é uma das principais causas de impedimento do processo. Portanto, esta pesquisa identificou, por meio de produções científicas brasileiras, os conhecimentos da população sobre doação e transplante de órgãos e tecidos, e os fatores associados ao não consentimento da prática. Trata-se de revisão narrativa não sistemática da literatura, feita durante novembro de 2019 através das bases de dados MEDLINE, BDENF e LILACS, ndexadas na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), a partir dos descritores “obtenção de tecidos e órgãos”, “conhecimento” e “população”. Os dados encontrados foram acrescidos de materiais indicados por especialistas na temática. Dividiram-se os resultados dos estudos em quatro categorias: conhecimento acerca da legislação vigente e decisão a respeito da doação; conhecimento populacional sobre morte encefálica; conhecimento populacional relativo à doação de órgãos e tecidos após parada cardíaca, etc.; meios de informações acerca da doação e do transplante. Conclui-se haver carência de conhecimento da população, bem como de divulgação de informações coerentes sobre o tema para êxito do processo de doação e transplante, que necessita da confiança da população no sistema de saúde, assim como em seus profissionais.

Palavras-chave: obtenção de tecidos e órgãos; transplante; conhecimento.

Abstract

Organ transplantation is a therapeutic option for patients with terminal functional failure of an organ or vital tissue. However, the potential's donors relatives ignorance about the procedure is one of the main causes to the process’ hindrance. Therefore, this research identified, through Brazilian scientific productions, the population's knowledge about organ and tissue donation and transplantation, and the factors associated with the practice's non-consent. This is a non-systematic narrative review of literature conducted during November 2019, through the MEDLINE, BDENF and LILACS databases, indexed in the Virtual Health Library (VHL), from the descriptors "tissue and organ procurement", "knowledge" and "population". The data found were augmented by materials indicated by experts on the subject. The studies’ results were divided into four categories: knowledge about the current legislation and decision about donation; population knowledge about brain death; population knowledge about organ and tissue donation after cardiac arrest, etc.; means of information about donation and transplantation. It’s concluded that there is population’s lack of knowledge, as well as a lack of coherent information’s disclosure on the subject for the donation’s and transplantation’s process success, which requires the population’s trust in the health system, as well as in its professionals.

Keywords: tissue and organ procurement; transplantation; knowledge.

Resumen

El trasplante de órganos es opción terapéutica para pacientes con insuficiencia funcional terminal de un órgano o tejido vital. Sin embargo, la falta de conocimiento de familiares de potenciales donantes sobre el procedimiento es una de las principales razones que dificultan el proceso. Por lo tanto, esta investigación evalúa, en publicaciones científicas brasileñas, los conocimientos de la población sobre donación y trasplante de órganos y tejidos, y los factores asociados con el no consentimiento de la práctica. Se trata de una revisión narrativa no sistemática de la literatura, hecha en noviembre de 2019, por medio de las bases de datos MEDLINE, BDENF e LILACS, indexadas en la Biblioteca Virtual de Salud (BVS), a partir de los descriptores “obtención de tejidos y órganos”, “conocimiento” y “población”. Los datos obtenidos fueron complementados por materiales indicados por especialistas en el tema. Los resultados de los estudios fueron agrupados en cuatro categorías: conocimiento acerca de la legislación vigente y decisión respecto a la donación; conocimiento de la población sobre muerte encefálica; conocimiento de la población sobre donación de órganos y tejidos luego de un paro cardiaco etc.; medios de información sobre donación y trasplante. Se concluye que hay carencia de conocimiento de la población, así como de divulgación de informaciones coherentes sobre el tema, para que se tenga éxito en el proceso de donación y trasplante, el cual requiere de la confianza de la población en el sistema de salud, así como en sus profesionales.

Palabras-clave: obtención de tejidos y órganos; trasplante; conocimiento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadilânia Oliveira da Silva, Universidade Regional do Cariri

Acadêmica do curso de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri. Bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Enfermagem URCA.

Maria Lucilândia de Sousa, Universidade Regional do Cariri

Acadêmico do curso de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri. Bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Enfermagem URCA.

João Cruz Neto, Universidade Regional do Cariri

Acadêmico do curso de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri. Bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Enfermagem URCA. E-mail: jcncruz007@gmail.com.

Carla Andréa Silva Souza

Acadêmica do curso de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri. Bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Enfermagem URCA. E-mail: ca896710@gmail.com.

Héryka Laura Calú Alves

Enfermeira pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Mestranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da URCA, bolsista da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP). E-mail: herykalaura_@hotmail.com. 

Grayce Alencar Albuquerque, Universidade Regional do Cariri

Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde. Docente do Departamento de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Regional do Cariri. E-mail: geycyenf.ga@gmail.com.

Referências

ANDRADE, Taciana Palmeira. Doação de órgãos post mortem: a viabilidade de adoção pelo sistema brasileiro da escolha pelo doador do destinatário de seus órgãos. 2009. 175 f. Dissertação (Mestrado em Direito) — Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS (ABTO). Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2010-2017), Registro Brasileiro de Transplante. São Paulo: ABTO, 2017. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2017/rbt-imprensa-leitura-compressed.pdf. Acesso em: 7 out. 2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS (ABTO). Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2012-2019). Registro Brasileiro de Transplante. Registro Brasileiro de Transplante. São Paulo: ABTO, 2019. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2019/RBT-2019-leitura.pdf. Acesso em: 7 out. 2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS (ABTO). Diretrizes Básicas Para Captação e Retirada de Múltiplos Órgãos e Tecidos da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. São Paulo: ABTO, 2009. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/upload/pdf/livro.pdf. Acesso em: 7 out. 2021.

BEDENKO, R. C. et al. Análise do conhecimento da população geral e profissionais de saúde sobre doação de órgãos após morte cardíaca. Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo, v. 28, n. 3, p. 285-293, 2016. DOI https://doi.org/10.5935/0103-507X.20160043

BOUSSO, R. S. O processo de decisão familiar na doação de órgãos do filho: uma teoria substantiva. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 17, n.1, p. 45-54, jan./mar. 2008. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000100005

BRANDÃO, T. S.; MOTA, N.; PIZZOLATO, A. S. Conhecimento de estudantes de ensino médio da rede particular e pública a respeito de transplante e doação de órgãos e tecidos. Revista Amazônia Science & Health, Gurupi, v. 4, n. 1, p. 2-9, jan./mar. 2016. Disponível em: http://ojs.unirg.edu.br/index.php/2/article/view/182. Acesso em: 7 out. 2021.

BRASIL. Decreto n.º 9.175, de 18 de outubro de 2017. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 2, 18 out. 2017. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/164855918/dou-secao-1-19-10-2017-pg-2/pdfView. Acesso em: 7 out. 2021.

BRASIL. Lei Federal n.º 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 4 fev. 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LEIS_2001/L10211.htm. Acesso em: 7 out. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde lança campanha “Doe órgãos. A vida precisa continuar”. Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. Notícias. 25 set. 2020. Disponível em: https://www.conasems.org.br/ministerio-da-saude-lanca-campanha-doe-orgaos-a-vida-precisa-continuar/. Acesso em: 7 out. 2021.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM). Resolução CFM n.º 2.173, de 15 de dezembro de 2017. Diário Oficial da União: seção 1, ed. 240, p. 50-275, Brasília, DF, 15 dez. 2017. Disponível em: http://sctransplantes.saude.sc.gov.br/phocadownload/Legislacao/Leis_Portarias_Resolucoes/Resolucoes/Resolucao_2173_2017_criterios_morte_encefalica.pdf. Acesso em: 7 out. 2021.

DALBEM, G. G.; CAREGNATO, R. C. A. Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante: Recusa das Famílias. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 19, n. 4, p. 728-735, out./dez. 2010. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-07072010000400016

FELIX, M. B.; SANTOS, W. L. Conhecimento da população do município de Valparaíso de Goiás sobre o processo de doação de órgãos para transplantes. REVISA, Goiás, v. 4, n. 1, p. 3-10, 2015. Disponível em: http://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/view/227. Acesso em: 7 out. 2021.

FREIRE, I. L. S. et al. Estrutura, processo e resultado da doação de órgãos e tecidos para transplante. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 68, n. 5, p. 837-845, set./out. 2015. DOI https://doi.org/10.1590/0034-7167.2015680511i

GARCIA, Clotilde Druck. Manual de Doação e Transplantes: Informações práticas sobre todas as etapas do processo de doação de órgãos e transplante. Porto Alegre: Libretos, 2017. Disponível em: http://uap.heufpel.com.br/wp-content/uploads/sites/6/2016/12/Manual-dos-Transplantes-ok.pdf. Acesso em: 7 out. 2021.

GONÇALVES, T. B. et al. Avaliação do conhecimento da população sobre morte encefálica. Rev. Bras. Clin. Med., São Paulo, v. 10, n. 4, p. 318-21, jul./ago. 2012. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2012/v10n4/a3040.pdf. Acesso em: 7 out. 2021.

MARINHO, B. B. O. et al. Challenges of organ donation: potential donors for transplantation in an Area of Brazil's Northeast. Transplantation proceedings, [s.l.], v. 50, n. 3, p. 698-701, 2018. DOI 10.1016/j.transproceed.2018.02.055

MORAIS, T. R.; MORAIS, M. R. Doação de órgãos: é preciso educar para avançar. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 95, p. 633-639, out./dez. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/ck6LW4TkDqNpY88YwZ4dPVq/?lang=pt. Acesso em: 7 out. 2021.

ROSÁRIO, E. N. et al. Recusa familiar diante de um potencial doador de órgãos. Cadernos Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 260-266, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cadsc/a/FRtv4MqBD37dqTZNhnrrLTj/?lang=pt. Acesso em: 7 out. 2021.

ROTHER, E. T. Revisão sistemática x revisão narrativa. Acta paulista de enfermagem., São Paulo, v. 20, n. 2, p. 7-8, abr./jun. 2007. DOI https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000200001

SOUZA, C. C. et al. Conhecimento da população brasileira acerca da doação órgãos e tecidos para transplantes. Revista Eletrônica Acervo Saúde, [s.l.], v. 56, n. 56, 2020. Suplemento. DOI 10.25248/reas.e4471.2020

TEIXEIRA, R. K. C.; GONCALVES, T. B.; SILVA, J. A. C. Is the intention to donate organs influenced by the public's understanding of brain death? Rev. bras. ter. intensiva, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 258-262, 2012. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23917827/. Acesso em: 7 out. 2021.

Publicado
2021-10-21
Seção
Artigos