Política Nacional de Plantas Medicinais e medicamentos fitoterápicos no Sistema Único de Saúde: uma revisão integrativa

UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

  • Henriqueta Tereza do Sacramento UFES/ PPGSC/iPICS- Núcleo de investigação em PICS
  • Clarissa Eudóxio da Silva de Araújo UFES / PPGENF
  • Nycollas Andrade Mauro UFES/CEPADi
  • Marcos Vinícius Ferreira dos Santos UFES / Departamento de Enfermagem/ CEPADi
  • Marluce Mechelli de Siqueira UFES/PPGSC/iPICS- Núcleo de investigação em PICS; CEPADi

Palavras-chave:

plantas medicinais; fitoterapia; Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos; Práticas Integrativas e Complementares.

Resumo

O objetivo deste estudo é identificar o conhecimento acadêmico sobre a implementação da Política Nacional de Plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos (PNPMMF) no sistema de saúde dos estados e municípios brasileiros. Trata-se de uma revisão integrativa por meio de busca nas bases de dados Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde (lilacs) e National Library of Medicine (pubmed). Os critérios de inclusão consideraram estudos primários em artigos publicados integralmente entre os anos 2011 e 2020, em português e inglês. Excluíram-se artigos repetidos, monografias, teses e livros. A busca ocorreu em abril de 2021. Entre os dados coletados, identificaram-se quatro artigos com temas relacionados à implementação com ênfase na capacitação e prescrição de fitoterápicos, além de um sobre a análise da implantação/implementação da fitoterapia no SUS. A análise do material revela que as poucas pesquisas publicadas tematizam a capacitação dos profissionais de saúde e os conhecimentos a respeito de fitoterápicos em municípios onde a fitoterapia foi implementada no Sistema Único de Saúde (SUS). Tais trabalhos confirmam a importância da inclusão de cursos sobre plantas medicinais e fitoterapia na graduação e na pós-graduação, bem como da oferta de capacitação técnica e educação permanente para profissionais de saúde do SUS.

Palavras-chave: plantas medicinais; fitoterapia; Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos; Práticas Integrativas e Complementares.

Abstract

This study objective is to identify the academic knowledge about the National Policy of Medicinal Plants and Herbal Medicines (PNPMMF) implementation in Brazilian’s states and municipalities health system. This is an integrative review by searching the Latin American and Caribbean Literature on Health Sciences (LILACS) and National Library of Medicine (PubMed) databases. Inclusion criteria considered primary studies in articles published entirely between the years 2011 and 2020, in Portuguese and English. Repeated articles, monographs, theses, and books were excluded. The search occurred in April 2021. Among the data collected, four articles were identified with themes related to implementation with emphasis on herbal medicines’ training and prescription, and one on herbal medicine’s establishment/implementation analysis in Brazil’s Unified Health System (known as SUS). The material’s analysis reveals that the few research published theme the health professionals’ training and the knowledge about phytotherapies in municipalities where phytotherapy was implemented in the Unified Health System (SUS). These studies confirm the importance of including courses on medicinal plants and herbal medicine in undergraduate and graduate courses, as well as offering technical training and continuing education for SUS health professionals.

Keywords: medicinal plants; phytotherapy; National Policy on Medicinal Plants; Integrative and Complementary Practices.

Resumen

El objetivo de este estudio es evaluar el conocimiento académico sobre la implementación de la Política Nacional de Plantas Medicinales y Medicamentos de Fitoterapia (PNPMMF) en el sistema de salud de los estados y municipios brasileños. Se trata de una revisión integrativa realizada a partir de busca en las bases de datos Literatura Latinoamericana y del Caribe en Ciencias de la Salud (lilacs) y National Library of Medicine (pubmed). Los criterios de inclusión consideraron estudios primarios en artículos publicados en forma integral entre los años 2011 y 2020, en portugués e inglés. Se excluyeron artículos repetidos, monografías, tesis y libros. La búsqueda se hizo en abril de 2021. Entre los datos recolectados, se identificaron cuatro artículos con temas relativos a la implementación, con énfasis en la capacitación y prescripción de medicamentos de fitoterapia, además de uno sobre el análisis de la implantación/implementación de la fitoterapia en el SUS. El análisis del material revela que las escasas investigaciones publicadas tematizan la capacitación de los profesionales de la salud y los conocimientos sobre los medicamentos de fitoterapia en municipios en los cuales esta práctica ha sido implementada en el Sistema Único de Salud. Tales trabajos confirman la importancia de la inclusión de cursos sobre plantas medicinales y fitoterapia en pre y postgrado, así como de la capacitación técnica y educación permanente para profesionales de la salud del SUS.

Palabras-clave: plantas medicinales; fitoterapia; Política Nacional de Plantas Medicinales y Medicamentos de Fitoterapia; Prácticas Integrativas y Complementarias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henriqueta Tereza do Sacramento, UFES/ PPGSC/iPICS- Núcleo de investigação em PICS

Doutoranda em Saúde Coletiva. Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva (PPGSC). Membro da Equipe Técnica do Investigação em Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (iPICS) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). 

Clarissa Eudóxio da Silva de Araújo, UFES / PPGENF

Mestre em Enfermagem. Programa de Pós-graduação em Enfermagem (PPGENF) da UFES.

Nycollas Andrade Mauro, UFES/CEPADi

Acadêmico de Enfermagem. Iniciação Científica Voluntária CEPADi. Membro do Centro de Estudos e Pesquisas sobre o Álcool e outras Drogas: Interconexões (CEPADi) da (UFES).

Marcos Vinícius Ferreira dos Santos, UFES / Departamento de Enfermagem/ CEPADi

Prof.ª Adjunto do Dep. de Enfermagem (DENF). Coordenador do CEPADi da UFES. Co-orientador.

Marluce Mechelli de Siqueira, UFES/PPGSC/iPICS- Núcleo de investigação em PICS; CEPADi

Prof.ª Titular do Dep. de Enfermagem (DENF), Programas de Pós-graduação em Enfermagem (PPGENF) e de Saúde Coletiva (PPGSC). Coordenadora de Pesquisa do CEPADi e Vice-coordenadora do iPICS da UFES. Orientadora. 

Referências

Tesser CD. Pesquisa e institucionalização das práticas integrativas e complementares e racionalidades médicas na saúde coletiva e SUS: uma reflexão [monografia]. Ponto Alegre: Universidade Federal de Santa Catarina; 2012.

Fleury S. Bases conceituais da reforma sanitária brasileira. Saúde e democracia – a luta do Cebes. São Paulo: Lemos Editorial; 1997.

Brasil. VIII Conferência Nacional de Saúde: relatório final [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 1986 [acesso em 2017 out 09]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/8_conferencia_nacional_saude_relatorio_final.pdf 7.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n.º 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil [internet]. 4 maio 2006;(seção 1):20-24.

Brasil. Resolução CIPLAN n.º 08/88, de 8 de março de 1988. Fixa diretrizes, implanta e implementa a prática da acupuntura, fitoterapia e homeopatia nos serviços de saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 11 mar. 1988;(seção 2):5.314-5.315.

Brasil. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil [internet]. Brasília, DF: Senado Federal; 2010a.

Brasil. Lei n.º 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 20 set. 1990;(182 seção 1):1. 128.

Brasil. X Conferência Nacional de Saúde: relatório final [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 1998 [acesso em 09 out. 2021]. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/relatorio_10.pdf

Luz MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis. 2005;15(supl.):145-76.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Proposta de Política Nacional de Plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos: versão sistematizada. Brasília; 2002:31p. Documento não publicado.

Brasil. Anvisa. RDC n°.48, de 16 de março de 2004. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Diário Oficial da União. 18 mar. 2004.

Brasil. Anvisa. RDC n°. 88, de 16 de março de 2004. Determina a publicação da Lista de referências bibliográficas para avaliação de segurança e eficácia de fitoterápicos. Diário Oficial da União. 18 mar. 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório de gestão 2006/2010 das práticas integrativas e complementares no SUS: avanços e desafios. Brasília; 2011b.

Brasil. Decreto n.º 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial da União. 23 jun. 2006;(215 seção 1):2.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Interministerial n.º 2.960, de 9 de dezembro de 2008. Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Diário Oficial da União. 10 dez. 2008;(seção 1):56.

Brasil. Portaria n.º 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 22 abr. 2010;(seção 1):75.

Brasil. Anvisa. RDC n.º 14, de 31 de março de 2010. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Diário Oficial da União. 31 abr. 2010.

Mendes KS, Silveira RCCPP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto – Enferm. 2008;17(4):758-764.

Figueiredo CA, Gurgel IGD, Gurgel Júnior GD. A política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis. 2014;24(2):381-400.

Varela DSS, Azevedo DMS. Saberes e práticas fitoterápicas de médicos na estratégia saúde da família knowledge and practice of physicians in the family health strategy. Trab. educ. saúde. 2014;12(2):273-290.

Haraguchi LMM, Sañudo A, Rodrigues E, Cervigni H, Carlini ELA. Impacto da Capacitação de Profissionais da Rede Pública de Saúde de São Paulo na Prática da Fitoterapia Rev. bras. educ. méd. 2020;44(1):e016.

Mattos G, Camargo A, Sousa CA, Zeni ALB. Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: percepção dos profissionais / Medicinal plants and herbal medicines in Primary Health Care: the perception of the professionals. Ciênc. Saúde Colet. 2018;23(11):3735-3744.

Brasil. Práticas Integrativas e complementares. Plantas medicinais e fitoterapia na atenção Básica. Cadernos de atenção Básica. A prescrição fitoterápica na atenção à saúde da Família. Brasília, DF; 2008a:53-69.

Downloads

Publicado

2022-10-18

Como Citar

DO SACRAMENTO, H. T. .; EUDÓXIO DA SILVA DE ARAÚJO, C. .; ANDRADE MAURO, N. .; FERREIRA DOS SANTOS, M. V. .; DE SIQUEIRA, M. M. . Política Nacional de Plantas Medicinais e medicamentos fitoterápicos no Sistema Único de Saúde: uma revisão integrativa: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. Revista Brasileira de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, [S. l.], v. 2, n. 3, p. 73–86, 2022. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistasaude/index.php/revista-praticas-interativas/article/view/1301. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos