Acessibilidade das práticas integrativas e complementares na rede de atenção primária de saúde, no âmbito da prática e do ensino

Autores

  • Daiane Freire Benites Universidade Federal Ciencias da Saude de Porto Alegre
  • Andrea Wander Bonamigo

Palavras-chave:

práticas integrativas e complementares; atenção primária à saúde; formação profissional.

Resumo

A Política Nacional das Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) está sendo implementada em vários municípios do país. O objetivo deste trabalho foi pesquisar a acessibilidade dos usuários às PICs na Rede de Atenção Primária de Saúde de Porto Alegre, no âmbito da prática e do ensino. O método utilizado para o estudo misto, quali-quantitativo, de cunho descritivo, ocorreu por meio de questionários e roda de conversa, baseado no discurso do sujeito coletivo. Os resultados da pesquisa identificaram que 42% das unidades de saúde (US) disponibilizam estes serviços; em 56% das US o acesso se dá no atendimento-dia; os profissionais da saúde que ofertam esse tipo de tratamento são na maioria mulheres, com idade média de 34 anos, formação em enfermagem e com especialização em diversas práticas. 93% dos participantes na roda de conversa conhecem as PICs; destes, 74% já utilizaram alguma prática e 35% tiveram acesso a elas nas US; 42% sabem que as suas US não estão oferecendo mais estas práticas e 98% dos participantes das rodas de conversas têm interesse na disponibilidade das PICs nas unidades de saúde próximas à sua casa. Como produto desta pesquisa, foi elaborada uma cartografia com dados das PICs em Porto Alegre, com a perspectiva de informar à população, contribuir com o gestor municipal para a formulação e qualificação da Política Municipal de Práticas Integrativas e Complementares e promover estratégias de desenvolvimento nos processos de formação e de educação permanente, dando subsídios para a implementação das PICs nas instituições de ensino superior.

Palavras-chave: práticas integrativas e complementares; atenção primária à saúde; formação profissional.

Abstract

The National Policy on Integrative and Complementary Practices (PNPIC) is being implemented in several municipalities in the country. The objective of this work was to investigate the accessibility of users to ICPs in the Primary Health Care Network of Porto Alegre, in the scope of practice and teaching. The method used for the mixed, qualitative, and quantitative study, of a descriptive nature, occurred through questionnaires and conversation circles, based on the discourse of the collective subject. The survey results identified that 42% of health units (HUs) provide these services; in 56% of the HUs, access is given during patient’s daycare; the health professionals who offer this type of treatment are mostly women, with an average age of 34 years old, trained in nursing and specialization in various practices. 93% of the participants of the conversation circles know the ICPs; of these, 74% have already used some practice and 35% had access to the ICPs in the HUs, 42% know that their HUs are not offering these practices anymore and 98% of the participants in the conversation circles are interested in the availability of the ICPs in health facilities, close to their homes. As a product of this research, a cartography was elaborated with data from the ICPs in Porto Alegre, with the perspective of informing the population, contributing to the municipal manager for the formulation and qualification of the Municipal Policy of Integrative and Complementary Practices, and promoting development strategies in the processes of training and continuing education, providing support to implement ICPs in higher education institutions.

Keywords: integrative and complementary practices; primary health care; professional training.

Resumen

La Política Nacional de Prácticas Integrativas y Complementarias (PNPIC) está siendo implantada en varios municipios del país. El objetivo de este trabajo fue investigar la accesibilidad de los usuarios a las PIC en la Red de Atención Primaria de Salud de Porto Alegre, en el ámbito de la práctica y de la enseñanza. El método utilizado para este estudio mixto, cualicuantitativo, de orientación descriptiva, se realizó por medio de cuestionarios y rueda de conversa, basado en el discurso del sujeto colectivo. Los resultados del estudio demuestran que 42% de las unidades de salud (US) ofrecen estos servicios; en 56% de las US el acceso a ellas se produce durante la consulta normal; los profesionales de salud que sugieren el uso de ese tipo de tratamiento son casi siempre mujeres, con edad promedio de 34 años, con formación en enfermería y especialización en diversas prácticas. 93% de los participantes de la rueda de conversa conoce las PIC; de ellos, 74% ha utilizado alguna de las prácticas y 35% tuvo acceso a ellas en la US; 42% tiene la información de que sus US ya no ofrecen esas prácticas y 98% de los participantes de las ruedas de conversa está interesado en la disponibilidad de las PIC en unidades de salud próximas a su residencia. Como producto de esta investigación se elaboró un mapa con datos de las PIC en Porto Alegre, con la perspectiva de informar a la población, contribuir con el gestor municipal en la formulación y calificación de la Política Municipal de Prácticas Integrativas y Complementarias y definir estrategias de desarrollo en los procesos de formación y educación permanente, ofreciendo información para la implantación de las PIC en las instituciones de educación superior.

Palabras-clave: prácticas integrativas y complementarias; atención primaria de salud; formación profesional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Freire Benites, Universidade Federal Ciencias da Saude de Porto Alegre

Mestra do Programa de Pós-Graduação Ensino na Saúde, da UFCSPA.

Andrea Wander Bonamigo

Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação Ensino na Saúde, da UFCSPA.

Referências

Santos MC, Tesser CD. Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. Cien Saúde Colet. 2012; 17(11):3011-3024.

Brasil. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC- SUS. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica; 2006.

Porto Alegre. Secretaria Municipal de Saúde. Relatório de Gestão de 2018. Porto Alegre: SMS; 2018 [acesso em 17 set. 2018]. Disponível em: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/sms/default.php?p_secao=895

Brasil. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica; 2015. 96 p.

Costa Marinho MLO. Discurso do sujeito coletivo: uma abordagem qualiquantitativa para a pesquisa social. Glob. soc. work, 2015; 5(8):90-115.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos e atualiza a resolução 196. Diário Oficial da União. 13 jun. 2013 [acesso em 20 dez. 2018]; 112(seção 1):59-62. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Organização da APS em Porto Alegre. In: APS Redes. Inovação na Gestão do SUS. Brasília: APS; c2021 [acesso em 15 maio 2020]. Disponível em: https://apsredes.org/organizacao-da-aps-em-porto-alegre/

Bornstein VJ, Morel CM, Pereira IDF, Lopes MR. Desafios e perspectivas da educação popular em saúde na constituição da práxis do agente comunitário de saúde. Interface. 2014; 18(2):1327-1340.

Vasconcelos EM. Educação popular e atenção à saúde da família. São Paulo: Hucitec; 2010.

Starfield, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002 [acesso em 10 abr. 2020]. 726 p. Disponível em: https://repositorio.observatoriodocuidado.org/handle/handle/2326

Brito GEG, Mendes ACG, Neto PMS, Farias DNF. Perfil dos trabalhadores da estratégia saúde da família de uma capital do nordeste do Brasil. Rev. APS. 2016; 19(3):434-445.

Tesser CD et al. Práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde: situação atual, problemas e estratégias de expansão no Brasil. Texto preparatório para o Abrascão 2018. fev. 2018 [acesso em 18 out. 2018]. In: Rede de Pesquisa em Atenção Primária à Saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO; 2018. Disponível em: http://rededepesquisaaps.org.br/wp-content/uploads/2018/02/TesserSousaNascimento-PICnaAPS-2018.pdf

Brasil. Lei 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Presidência da República; 1990 [acesso em 16 maio 2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Aguiar J, Kanan LA, Masiero AV. Práticas Integrativas e Complementares na atenção básica em saúde: um estudo bibliométrico da produção brasileira. Saúde Debate. 2019; 43(123):1205-1218.

Costa CGA, Garcia MT, Ribeiro SM et al. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Cien Saúde Colet. 2015; 20(10):3099-3110.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana. Diário Oficial da União. 24 maio 2016 [acesso em 20 dez. 2018]; 98(seção 1):44-46. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/reso510.pdf

Downloads

Publicado

2022-10-18

Como Citar

FREIRE BENITES, D. .; WANDER BONAMIGO, A. . Acessibilidade das práticas integrativas e complementares na rede de atenção primária de saúde, no âmbito da prática e do ensino. Revista Brasileira de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, [S. l.], v. 2, n. 3, p. 28–42, 2022. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revistasaude/index.php/revista-praticas-interativas/article/view/1262. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos