A musicoterapia no ambiente hospitalar: uma revisão integrativa

  • Gabriel de Andrade Ponta Universidade Santo Amaro (São Paulo, SP - Brasil)
  • Marcia Eugenia del Llano Archondo Universidade Santo Amaro (São Paulo, SP. Brasil)

Resumo

A necessidade de internação hospitalar significa uma grande mudança na vida da pessoa e uma quebra em sua rotina diária, no seu cotidiano. Ela tem que conviver, em um ambiente estranho, com pessoas desconhecidas, linguagem técnica, procedimentos invasivos e dolorosos, ruídos, afastamento de familiares/pessoas amadas, o que torna ameaçador o ambiente e significa na maioria das vezes um período de sofrimento em sua vida. A música traz bem-estar, tem o poder de emocionar e alegrar as pessoas, além de outras consequências benéficas. Nesse sentido, surge a musicoterapia, como uma forma de cuidado complementar. Ela faz parte das práticas aprovadas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Dessa maneira, este trabalho pretende avaliar os benefícios e a possiblidade da aplicação da musicoterapia no ambiente hospitalar em pacientes internados. Para isso, realizou-se uma revisão sistemática da literatura, com busca de artigos publicados em periódicos nacionais ou internacionais e indexados nas bases de dados SciELO, LILACS e Pubmed, com os descritores em saúde (DeCS): “musicoterapia” AND “hospitalar” e “música” AND “hospitalar”, entre os anos de 2005 e 2020. Foram selecionados 16 artigos, publicados entre 2006 e 2019, que mostraram que a musicoterapia, para os pacientes hospitalizados, trouxe benefícios emocionais como diminuição de ansiedade e estresse, e promoveu bem-estar e conforto. Em relação ao aspecto fisiológico, os estudos comprovaram melhoras na frequência cardíaca e pressão arterial, melhora nos quadros de dor e diminuição de enjoo em pacientes em quimioterapia. Assim, os trabalhos consultados demostraram que o uso de musicoterapia no ambiente hospitalar pode ser benéfico para o paciente durante o tempo de internação, trazendo bem-estar, segurança e diminuindo a ansiedade. Permite também estabilizar sintomas fisiológicos como frequência cardíaca, pressão arterial e diminuir a dor. Assim, um programa de musicoterapia traz benefícios ao tratamento e conforto ao paciente internado.

Palavras-chave: música; hospitalar; musicoterapia.

Abstract

The need for hospitalization means a significant change in the person's life and a break in their routine, in their daily lives. This person has to live, in a strange environment, with unknown people, technical language, invasive and painful procedures, noises, removal of family members/loved ones, which makes the environment threatening and most often means a period of suffering in her life. Music brings well-being, has the power to thrill and cheer people up, and other beneficial consequences. In this sense, music therapy emerges as a complementary form of care. It is part of the practices approved in the National Policy on Integrative and Complementary Practices. Thus, this study aims to evaluate the benefits and possibility of applying music therapy in the hospital environment in hospitalized patients.  Therefore, a systematic review of the literature was conducted, with a search for articles published in national or international journals and indexed in the SciELO, LILACS, and Pubmed databases, with health descriptors (DeCS): "music therapy" AND "hospital" and "music" AND "hospital", between the years 2005 and 2020. We selected 16 articles published between 2006 and 2019, which showed that music therapy, for hospitalized patients, brought emotional benefits such as decreased anxiety and stress, and promoted well-being and comfort. The studies showed improvements in heart rate and blood pressure, improvement in pain, and reduced nausea in chemotherapy patients regarding the physiological aspect. Thus, the studies consulted showed that music therapy in the hospital environment could benefit the patient during hospitalization, bringing well-being, safety, and reducing anxiety. It also allows stabilizing physiological symptoms such as heart rate, blood pressure, and decrease pain. Hence, a music therapy program brings benefits to treatment and comfort to hospitalized patients.

Keywords: music; hospital; music therapy.

Resumen

Estar internada en un hospital significa un gran cambio en la vida de la persona y una ruptura en su rutina diaria, en su vida cotidiana. Ella tiene que convivir, en un ambiente extraño, con personas desconocidas, lenguaje técnico, procedimientos invasivos y dolorosos, ruido, alejamiento de familiares/personas amadas, lo que hace hostil el ambiente y, en la mayor parte de los casos, significa un período de sufrimiento en su vida. La música produce bienestar, tiene el poder de emocionar y alegrar a las personas, además de otras consecuencias beneficiosas. En ese sentido, surge la musicoterapia, como forma de cuidado complementario. Se incluye en las prácticas aprobadas en la Política Nacional de Prácticas Integrativas y Complementarias. Así, este trabajo pretende evaluar los beneficios y la posibilidad de la aplicación de la musicoterapia en el ambiente hospitalario con pacientes internados. Para ello, se hizo una revisión sistemática de la literatura, con búsqueda de artículos publicados en revistas nacionales o internacionales e indexados en las bases de datos SciELO, LILACS y Pubmed, con los descriptores en salud (DeCS): “musicoterapia” AND “hospitalario” y “música” AND “hospitalario”, entre los años 2005 y 2020. Se seleccionaron 16 artículos, publicados entre 2006 y 2019, los cuales mostraron que la musicoterapia trajo beneficios emocionales a los pacientes hospitalizados, como la disminución de la ansiedad y del stress, y les produjo bienestar y confort. Respecto a lo fisiológico, los estudios pudieron comprobar mejoras en la frecuencia cardiaca y tensión arterial, mejora en los cuadros de dolor y reducción de mareos en pacientes en quimioterapia. De manera que el uso de musicoterapia en ambiente hospitalario puede ser beneficioso para el paciente durante el tiempo de hospitalización, pues produce bienestar y seguridad, además de disminuir la ansiedad. Permite también estabilizar síntomas fisiológicos como frecuencia cardiaca, tensión arterial y disminuir el dolor. De modo que, un programa de musicoterapia es beneficioso para el tratamiento y le genera confort al paciente hospitalizado.

Palabras-clave: música; hospitalario; musicoterapia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel de Andrade Ponta, Universidade Santo Amaro (São Paulo, SP - Brasil)

Universidade Santo Amaro (São Paulo, SP - Brasil).

Marcia Eugenia del Llano Archondo, Universidade Santo Amaro (São Paulo, SP. Brasil)

Universidade Santo Amaro (São Paulo, SP - Brasil).

Referências

Silva GKF da, Sousa IMC de, Cabral MEG da S, Bezerra AFB, Guimarães MBL. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares: trajetória e desafios em 30 anos do SUS. Physis. 2020;30(1):1–25.

Secretaria de Atenção Primária à Saúde. O SUS das práticas integrativas: Musicoterapia [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde; 2017 [acesso em 29 jan. 2021]. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/noticia/2415

Lening C. Tratado de musicoterapia. São Paulo: Editora Sobral; 1977.

Bacon F. A sabedoria dos antigos. São Paulo: UNESP; 2002. 104 p.

Nightingale F. Notas sobre enfermagem: Um guia para cuidadores na atualidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010.

Moreira SV, Alcântara-Silva TRM, Da Silva DJ MM. Neuromusicoterapia no Brasil: aspectos terapêuticos na reabilitação neurológica. Rev. Bras. Musicoter. 2012;(12):18–26.

Romão SLS. Os diferentes caminhos da música – um olhar sobre a musicoterapia. Colloq. Hum. 2015;12:1713–5.

Arnon S. Intervenção musicoterápica no ambiente da unidade de terapia intensiva neonatal. J. Pediatr (Rio J). 2011;87(3):183–5.

Taets GGDC, Borba-Pinheiro CJ, Figueiredo NMA de, Dantas EHM. Impacto de um programa de musicoterapia sobre o nível de estresse de profissionais de saúde. Rev. Bras. Enferm. 2013;66(3):385–90.

Bergold LB, Alvim NAT. Influência dos encontros musicais no processo terapêutico de sistemas familiares na quimioterapia. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2011 [acesso em 29 jan. 2021];20(spe):108–16. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072011000500014&lng=pt&tlng=pt

Puggina ACG, Silva MJP da. Sinais vitais e expressão facial de pacientes em estado de coma. Rev. Bras. Enferm [Internet]. 2009 Jun [acesso em 29 jan. 2021];62(3):435–41. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672009000300016&lng=pt&tlng=pt

Palazzi A, Meschini R, Piccinini CA, Palazzi A, Meschini R, Piccinini CA. Intervenção musicoterápica para mãe-bebê pré-termo: uma proposta de intervenção na uti neonatal. Psicol. Estud [Internet]. 2019 Jun 3 [acesso em 29 jan. 2021];24. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/41123

Portugal Neta ER de C, Aguiar RS. A música como auxílio terapêutico de crianças hospitalizadas. Rev. Enferm. UFPE on line. 2019;13.

Silva KG, Taets GG de C, Bergold LB. A utilização da música em uma unidade pediátrica: contribuindo para a humanização hospitalar. Rev. Enferm. UERJ [Internet]. 2017 [acesso em 29 jan. 2021];25. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/26265

Silva GJ, Fonseca M dos S, Rodrigues AB, Oliveira PP de, Brasil DRM, Moreira MMC. Utilização de experiências musicais como terapia para sintomas de náusea e vômito em quimioterapia. Rev. Bras. Enferm. 2014;67(4):630–6.

Vianna MNS, Barbosa AP, Carvalhaes AS, Cunha AJLA. Music therapy may increase breastfeeding rates among mothers of premature newborns: a randomized controlled trial. J. Pediatr (Rio J) [Internet]. 2011 [acesso em 29 jan. 2021];87(3):206–12. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572011000300005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Tabarro CS, Campos LB de, Galli NO, Novo NF, Pereira VM. Efeito da música no trabalho de parto e no recém-nascido. Rev. Esc. Enferm. USP [Internet]. 2010 Jun [acesso em 29 jan. 2021];44(2):445–52. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342010000200029&lng=pt&tlng=pt

Ferreira CCM, Remedi PP, Lima RAG de. A música como recurso no cuidado à criança hospitalizada: uma intervenção possível? Rev. Bras. Enferm [Internet]. 2006 Oct [acesso em 29 jan. 2021];59(5):689–93. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672006000500018&lng=pt&tlng=pt

Santos TRMS dos, Cavalcante TB, Silva JF, Santos TRMS dos, Cavalcante TB, Silva Junior JF. Terapia musical em pacientes com distúrbios da consciência: uma revisão integrativa. Cad. Bras. Te.r Ocup [Internet]. 2019 [acesso em 29 jan. 2021];27(4):873–84. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2526-89102019000400873&lng=pt&nrm=iso&tlng=em

Seki NH, Galheigo SM. O uso da música nos cuidados paliativos: humanizando o cuidado e facilitando o adeus. Interface Comun. Saúde, Educ [Internet]. 2010 Jun [acesso em 29 jan. 2021];14(33):273–84. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832010000200004&lng=pt&tlng=pt

Almeida FL de. A música na promoção do cuidado humanizado na unidade de terapia intensiva [master's thesis on the Internet]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2012 [acesso em 29 jan. 2021]. 67 p. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/25995

Teixeira MMR, Mendes de Paula J, Melo Vidal L, Silva Porto JA, Monteiro de Barros Júnior RJ, Leal Vidal CE. Efeitos da música no pós-operatório de pacientes hospitalizados. Rev. Méd. Minas Gerais [Internet]. 2018 [acesso em 29 jan. 2021];28:e-1929. Disponível em: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/2355

Innocencio MFC, Carraro VM, Innocencio GT de CI. Resposta emocional de pacientes à terapia com música na hemodiálise: uma ferramenta de humanização TT - Emotional responses of patients to music therapy on hemodialysis: a humanization tool. Arte Med. Ampl [Internet]. 2017 [acesso em 29 jan. 2021];37(1):5–11. Disponível em: http://abmanacional.com.br/wp-content/uploads/2017/07/37-1-Resposta-emocional-de-pacientes-à-terapia-com-música-na-hemodiálise.pdf%0Ahttp://fi-admin.bvsalud.org/document/view/2r37x

Caitano JSO, Azevedo EB de, Costa L de FP, Soares CCD, Aguiar PV, Ferreira Filha M de O. Música durante o transoperatório: concepção de profissionais e pacientes. Rev. Bras. Pesqui. Saúde/Brazilian J Heal Res. 2015;16(2):76–83.

Silva CM da, Cação JMR, Silva KC dos S, Marques CF, Merey LSF. Respostas fisiológicas de recém-nascidos pré-termo submetidos à musicoterapia clássica. Rev. Paul. Pediatr. [Internet]. 2013 Mar [acesso em 29 jan. 2021];31(1):30–6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822013000100006&lng=pt&tlng=pt

Bergold LB, Alvim NAT. Visita musical como uma tecnologia leve de cuidado. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2009 Sep [acesso em 29 jan. 2021];18(3):532–41. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072009000300017&lng=pt&tlng=pt

Hatem TP, Lira PIC, Mattos SS. The therapeutic effects of music in children following cardiac surgery. J. Pediatr (Rio J). 2006;82(3):186–92.

Publicado
2021-07-14
Seção
Artigos