“Fato ou Fake”, uma tentativa de retorno ao gatekeeper

  • Aline Barbosa Oliveira
  • Cássia Lobão Assis Universidade Estadual da Paraíba

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar a estratégia de recuperação da legitimidade de grupos de comunicação. Com a internet, os grandes grupos de jornalismo disputam a atenção do público com outras pessoas e grupos que também produzem informação. As fake news tem feito as pessoas questionarem em quem confiar, assim com o mercado de agências de checagem em ascensão, grupos de jornalismo usam a prática com o intuito de tentar recuperar o papel de segmento comprometido com a verdade entre os fatos noticiáveis e a sociedade. Este trabalho analisa o posicionamento do público no facebook em relação ao surgimento do projeto “Fato ou fake” do setor de jornalismo da Rede Globo.  Isto sendo como uma forma de verificar a tentativa de recuperação da legitimidade, num contexto de fakes, sob uma pressuposta tentativa de um retorno à teoria do Gatekeeper, ou seja o de atribuir ao jornalista o papel de avaliador das notícias que devem ser publicadas.

 

DOI: 10.21882/ruc.v8i14.787

Recebido em: 05/05/2019

Aceito em: 19/06/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Barbosa Oliveira
Graduanda em Jornalismo pela Universidade Estadual da Paraíba.
Cássia Lobão Assis, Universidade Estadual da Paraíba
Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) e professora doDepartamento de Comunicação Social da UEPB desde 1989.

Referências

AGÊNCIA LUPA, O que é a agência Lu-pa?, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: <https://is.gd/6biV8k>. Acesso em: 29 de jun de 2020.

ANDERSON, C.W. et al. “Jornalismo pós-industrial: adaptação aos novos tem-pos”. Revista de Jornalismo ESPM. São Paulo: n 5, ano 2, abr-jun, 2013.

CORREIO BRASILIENSE. ‘Fake news’ se espalham 70% mais rápido que notícias verdadeiras, diz MIT, 2018. Disponível em: <https://is.gd/UPT4qc>. Acesso em 29 de jun de 2020.

FIDALGO, J. Novos desafios a um velho ofício ou... um novo ofício? Aredefinição da profissão de jornalista. Universidade do Minho: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, 2005.

G1. “G1 lança “Fato ou Fake”, novo ser-viço de checagem de conteúdos suspei-tos”.Rio de Janeiro, 30/07/2018. Disponível em: https://glo.bo/2v0lhzU. Acesso em: 19 de nov. de 2018.

KUCINSKI, B. O poder da imprensa e os abusos do poder. Observatório da Impren-sa, 2011. Disponível em: <http://www.observatoriodaimprensa.com.br/interesse-publico/o-poder-da-imprensa-e-os-abusos-do-poder/>. Acesso em: 19 nov. 2018.

MALTA, V. V. M.; ALENCAR, . J. A.; O Jornalismo Online e o Uso da Pós-Verdade. In: Anais do 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação-INTERCOM, Joinville,SC:02-08/09/2018. Disponível em: http://www.intercom.org.br/sis/eventos/2018/resumos/R13-0053-1.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

MERELES, Carla. Checagem de fatos, um novo nicho no jornalismo. Politize, 24 de maio de 2017, Disponível em: <https://www.politize.com.br/checagem-de-fatos/>. Acesso em: 15 jun. 2020.

O GLOBO, Apoio editorial ao golpe de 64 foi um erro, Rio de Janeiro, 31 de ago. de 2018. Disponível em: <<https://oglobo.globo.com/brasil/apoio-editorial-ao-golpe-de-64-foi-um-erro-9771604>. Acesso em: 15 jun. 2020.

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PRADO,J.G.R.; MORAIS, O.J.“A checa-gem de fatos (fact-checking) como nova prá-tica jornalística: história, crescimento e pro-fissionalização”. Anais do XXIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste – Belo Horizonte -MG: 07-09jun./2018. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/sudeste2018/resumos/R63-0323-1.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

SILVA, M. R. Do gatekeeping ao gatewat-ching:impressões sobre papel do jornalista como mediador da informação. TCC (Ba-charelado em Jornalismo) - Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC, Florianó-polis, 2014.

SOUZA, Felipe. “É como usar drogas': por que as pessoas acreditam e compartilham notícias falsas; BBC Brasil, São Paulo, 26 out de 2018. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45767478>. Acesso em: 15 jun. 2020

TRAQUINA, N. Teoria do jornalismo: porque as notícias são como são.v. 1, 3 ed.Florianópolis: Insular, 2012.

Publicado
2020-07-13
Seção
Artigos