As influências do liberalismo e do socialismo na história do movimento feminista

Autores

  • Leticia Rodrigues da Silva Santos Uninter/Universidade Federal de Uberlândia
  • Silvano Severino Dias

Resumo

Este trabalho tem como objetivo geral analisar as relações existentes entre os filósofos iluministas, de cunho político, social e existencial e o pensamento feminista. Tomamos a Revolução Francesa como parâmetro, pois ela é considerada o berço do feminismo. Os filósofos da Revolução Francesa, além de influenciá-la, incidiram também, indiretamente, sobre o feminismo. O pensamento gestado nesse período estava impregnado de segregação de gênero, o que abriu espaço à contraposição de ideias por parte das teóricas feministas. O feminismo liberal ignorava assuntos como opressão racial e de classe, pois acreditava que a emancipação já estaria garantida com a conquista de direitos e oportunidades iguais. Desta maneira, as mulheres negras e pobres ficavam à margem do feminismo. Contudo, o feminismo socialista veio como uma crítica à estrutura socioeconômica. Abordaremos os conceitos-chave do feminismo, que são o ponto comum entre todos os seus desdobramentos, que nos servem de instrumento para analisar os fundamentos filosóficos da opressão feminina em sua totalidade. A partir da metodologia de análise hermenêutica, versaremos sobre as seguintes questões: quais os principais fatores que influenciaram a emancipação feminina? Como as mulheres vivenciaram o dilema público-privado ao longo da história?

Palavras-chave: feminismo; Revolução Francesa; liberalismo; socialismo.

Abstract

The general objective of this work is to analyze the relations between the Enlightenment philosophers, of a political, social, and existential nature, and feminist thought. We use the French Revolution as a parameter because it is considered the cradle of feminism. The philosophers of the French Revolution, in addition to influencing it, indirectly impacted feminism. The thought conceived in this period was impregnated with gender segregation, which opened space for the counterposition of ideas by feminist theorists. Liberal feminism ignored issues such as racial and class oppression, as it believed that emancipation would already be guaranteed with the conquest of equal rights and opportunities. Therefore, black and poor women were on the margins of feminism. However, socialist feminism emerged as a critique of the socioeconomic structure. We will address the key concepts of feminism, which are the common point among all its developments, and serve as an instrument to analyze the philosophical foundations of female oppression in its entirety. Based on the methodology of hermeneutic analysis, we will deal with the following questions: what are the main factors that influenced female emancipation? How have women experienced the public-private dilemma throughout history?

Keywords: feminism; French Revolution; liberalism; socialism.

Resumen

Este trabajo tiene como objetivo general analizar las relaciones existentes entre los filósofos iluministas, de orientación política, social y existencial y el pensamiento feminista. Asumimos la Revolución Francesa como parámetro, pues ella es considerada la cuna del feminismo. Los filósofos de la Revolución Francesa, además de ejercer influencia sobre ella, incidieron también, de forma indirecta, sobre el feminismo. El pensamiento gestado en ese período estaba impregnado de segregación de género, lo que abrió espacio a la contraposición de ideas por parte de las teóricas feministas. El feminismo liberal ignoraba temas como la opresión racial y de clase, pues creía que la emancipación ya estaría garantizada con la conquista de derechos y oportunidades iguales. De esa manera, las mujeres negras y pobres quedaban al margen del feminismo. Sin embargo, el feminismo socialista vino como una crítica a la estructura socioeconómica. Estudiaremos los conceptos-clave del feminismo, que son el punto común entre todas sus manifestaciones, que nos sirven de instrumento para analizar los fundamentos filosóficos de la opresión femenina en su totalidad. A partir de la metodología de análisis hermenéutica, trataremos las siguientes cuestiones: ¿cuáles son los principales factores que influenciaron la emancipación femenina? ¿Cómo las mujeres experimentaron el dilema público-privado a lo largo de la historia?

Palabras-clave: feminismo; revolución francesa; liberalismo; socialismo.

Referências

BENHABIB, Seyla; CORNELL, Drucilla. Feminismo como crítica da modernidade. Trad. de Nathanael da Costa Caixeiro. São Paulo: Rosa dos Tempos, 1987.

BOCQUET, José-Louis; MULLER, Catel. Olympe de Gouges. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Record, 2014.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Tradução Leandro Konder. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982. (Coleção Perspectivas do Homem).

FIGES, E. Patriarchal attitudes. Greenwich, CT: Fawcett, 1970.

GARCIA, Carla Cristina. Breve história do feminismo. São Paulo: Claridade, 2015. (Coleção Saber de Tudo).

GOLDMAN, Emma. Living my life. Nova York: A Knopf, 1931.

HEYWOOD, Andrew. Ideologias políticas: do liberalismo ao fascismo. Trad. Janaina Marcoantonio, Mariane Janikian. 1. ed. São Paulo: Ática, 2010. v. 1.

HEYWOOD, Andrew. Ideologias políticas: do feminismo ao multiculturalismo. Trad. Janaina Marcoantonio, Mariane Janikian. 1. ed. São Paulo: Ática, 2010. v. 2.

HUME, David. Uma investigação sobre o entendimento humano. Trad. José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: UNESP, 1999.

LOCKE, John. Carta acerca da tolerância; Segundo tratado sobre o governo; Ensaio acerca do entendimento humano. Trad. Anoar Aiex. São Paulo: Abril Cultural, 1973. (Coleção Os Pensadores, v. 18).

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Trad. Reginaldo Sant’Anna. 22. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

MIGUEL, Luís Felipe; BIROLLI, Flávia. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

MILLET, K. Sexual Politics. Nova York: Doubleday, 1970.

NYE, Andrea. Teoria feminista e as filosofias do homem. Trad. Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1995.

OKIN, Susan Moller. Gênero, o público e o privado. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 305-332, ago. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v16n2/02.pdf. Acesso em: 06 jul. 2016.

PATAI, Daphne. História oral, feminismo e política. Trad. Fernando Luiz Cássio, Ricardo Santhiago. São Paulo: Letra e Voz, 2010. (Coleção Ideias).

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato social; Ensaio sobre a origem das línguas; Discurso sobre a origem e o fundamento da desigualdade entre os homens; Discurso sobre as ciências e as artes. Trad. Lourdes Santos Machado. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987. (Coleção Os Pensadores, v. 1-2).

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emilio ou da educação. Trad. Sergio Milliet. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos das mulheres. Trad. Andreia Reis do Carmo. São Paulo: EDIPRO, 2015.

ZETKIN, Clara. Batailles pour les femmes. Trad. Gilbert Badia. Paris : Éditions Sociales, 1980.

Downloads

Publicado

2022-10-14

Como Citar

RODRIGUES DA SILVA SANTOS, L.; SEVERINO DIAS, S. As influências do liberalismo e do socialismo na história do movimento feminista. Humanidades em Perspectivas, [S. l.], v. 4, n. 8, p. 72–90, 2022. Disponível em: https://www.revistasuninter.com/revista-humanidades/index.php/revista-humanidades/article/view/170. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos